Agulha no Palheiro

“Não se procuram agulhas num palheiro” Leonardo Ladislau

Há um dito popular que diz, está tão difícil “como achar agulha num palheiro“. Pensei sobre isso ao ouvir pela milésima vez uma menina dizer que está difícil encontrar homens que AMEM uma mulher gorda/gordinha/fofinha e etc… Eu ouvi hoje, mas durante a semana também ouvi que entre os rapazes, filhos de uma amiga minha, a maioria prefere as meninas gordinhas mas tem VERGONHA de assumir. Na verdade eles deveriam é ter vergonha de não se ASSUMIR. Tão fácil aparentemente assumir a MASCULINIDADE. Não seria igualmente másculo assumir suas preferências emocionais/pessoais/sexuais mesmo quando as mesmas vão contra o que apregoa a mídia no geral?

Digo e 99,9% das meninas (gordinhas ou não) concordam que é MUITO mais interessante um homem quando ele ASSUME suas posições. Seja em qual aspecto for. Então uma dica que deixo aos rapazes: SE VOCÊS QUEREM SER FELIZES DE VERDADE AO LADO DE UMA MULHER QUE OS AME, AME A MULHER QUE VOCÊS REALMENTE GOSTAM – LIVRES DO QUE DIZEM POR AI… No final das contas quem vai passar tempo de qualidade com a menina são vocês e não os coleguinhas que dizem isso ou aquilo da sua escolha. Não adianta nada ter aparência sem essência. Por mais bonito que seja frasco, nós escolhemos o perfume pela sua essência.

Gorda

Recebi num email um depoimento interessante. A menina me pediu anonimato, mas ainda assim eu acho que essa vivência acontece com muitas… já ouvi histórias. Só quero comenta a parte na qual ela diz que estava falando mal de si mesma… Puxa, a gente pode acabar tomando uma palavra simples e colocando um peso de preconceito sobre ela… Segue o texto d leitora:

Certo dia estava conversando na internet, quando me perguntaram como eu era. 
Então o que será que respondi? Comecei a escrever:  Gordin… Então de repente parei e pensei:
Ué! por que estou escrevendo que sou GORDINHA, se eu não fosse gorda eu diria que era MAGRA e não MAGRINHA.

Quando dei por mim já estava dando Enter com a palavra GORDA aparecendo na tela. De primeiro, tive uma sensação estranha de estar falando mal de mim mesma, mas depois me senti tão livre que agora sempre que me perguntam como sou, digo: sou GORDA e já não me sinto mal por dizer isso, me sinto tão livre como nunca antes senti. Essa liberdade que sinto agora faz eu me sentir e me ver mais bonita. Olho para o meu corpo e digo como é lindo, com roupa ou sem roupa, me sinto desejável, me sinto poderosa.

Diante disso tudo me pergunto: por que vivi tanto tempo debaixo de uma ditadura que me oprimia? O que Quero agora é ser livre como eu sou, viver como eu sou, deixar morto de desejos quem me ama. Não importa se não sou desejada pelos homens em cada esquina, o importante mesmo é me fazer desejável para mim mesma e para o homem que me interessa, o homem a quem amo, isso sim vale a pena.