Humor como Remédio

 

Fabiana Karla

Fabiana Karla - exemplo de senso de humor

Um dos temperos indispensáveis na vida é o humor, não é mesmo? Até quando diante de tragédias mínimas, como um salto que se quebra, e um consequente tombo, sempre tem alguma risada por perto mesmo que abafada… kkkkk. É claro que isso poderia ser humilhante pra quem caiu, mas outro dia, pensando no assunto, me dei conta de quem o riso que brota de dentro de nós quando alguém cai, não chega a ser um riso de deboche ou zombaria, porque surge tão espontâneo, parece que nem passa pelos filtros do pensamento. Conclui que o riso que surge assim tem o objetivo de fazer com que a pessoa que caiu se dê conta de um outro lado da vida – o lado de quem está de pé, assim como ela ainda a pouco. É fato que as crianças quando estão aprendendo a andar tropeçam e caem. Normalmente o que fazemos? Normalmente tenho visto por ai afora, uma pequena festa cheia de riso e distração, que ao mesmo tempo distrai a criança de sua pequena dor e mostra que está tudo bem, que é só levantar e tentar caminhar de novo.

Meninas (e meninos, vai que eles também apareçam por aqui! rsrs), na caminhada da vida temos muitos obstáculos que podem nos fazer tropeçar, mas se cairmos, vamos tentar ver o outro lado, viu? O lado no qual estávamos a alguns momentos atrás, ou seja – DE PÉ! Se caimos, é porque estávamos em pé. Se estamos caídos, podemos levantar. Se nos deixarmos levar pelo pensamento de que o riso dos outros é devido ao nosso fracasso, ficaremos desperdiçando tempo sentados no chão… chorando. Se acompanharmos o riso e nos levantarmos logo, vamos poder comprovar um ditado que diz: “Quem rir por último, rir melhor” rsrs!

por Leonardo

A Beleza está nos Olhos de Quem Vê

 

Fernando Botero - EuGordinha

Algumas Obras de Botero

Há alguns anos esteve aqui no Rio de Janeiro uma exposição do artista chileno Fernando Botero. Foi impressionante ver nas suas esculturas e pinturas o quanto uma visão pode ser tomada por um estilo que domina todas as formas dele se expressar na arte. Lembro que na época podíamos estar andando pelo centro da cidade, nos arredores do Museu Nacional de Belas Artes, e esbarrar com uma escultura gigante de uma gordinha, ou um gordinho, ou qualquer outra forma bem avantajada e extremamente bela!

Esse artista plástico  é um dos meus favoritos, nem precisa dizer o motivo, né? 🙂

 

Por Leonardo