Troca de Olhares

Ontem eu estava no ônibus, quando vi uma menina bem gordinha assim como eu, só que ela estava com uma roupa horrorosa, isso é, segundo o meu ponto de vista feminino. Uma calça pescador de elanca azul marinho, uma camiseta azul marinho, um tênis preto uma mochila horrorosa, o cabelo todo sei lá, oleoso, e um olhar transpassado de tristeza. Ela não transparecia nem a beleza da alegria ou do bem cuidar. Não digo nem das roupas caras, de grife, ou coisa assim. A menina estava tristemente desarranjada…

Mas ela não era criança. Devia ter uns 26 anos com aparência de 40. Ela sentou na mesma direção que eu. Percebi que ela me olhava. Eu vestia um tomara que caia estampado florido nos detalhes, bermuda jeans bem confortável, uns chinelinhos dourados… maquiagem leve, cabelos soltos, essas coisas que eu adoro… estava na praia com meus familiares, me divertindo um pouco, aproveitando o final de semana.

 Percebi que ela ficava me olhando e eu observando ela… Havia um confronto saudável, ao mesmo tempo de admiração e questionamento. Isso é o que eu sentia… E fiquei pensando: O que leva a pessoa a ficar assim tão descrente de si mesma a ponto de não se arrumar, não se perfumar, nada que fosse atrativo? Me parecia que ela parecia vestir uma fantasia de cinderela às avessas, quase bruxinha, ao invés da princesa que era. Que história de vida aquela menina deve ter experimentado, pra decidir se tratar tão mal?

 Havia ali só tristeza, sabe? Pensei que era uma forma de rebelar-se contra si mesma por ser assim gorda.

 Ai aconteceu que um rapaz que subiu no ônibus ficou olhando pra mim… e nem percebeu ela… Não chegou a ser um olhar de cobiça desvairada, desejo doido e desrespeitoso. Apenas aquele toque de olhar no qual você percebe o interesse genuíno do homem em querer que você seja dele.

Qual a leitura que eu fiz? Os homens também gostam de gordinhas… Mas é preciso estar bonita independente de como você seja. Só que pra chegar nesse ponto de gostar-se, de entrar em paz consigo mesma… é uma jornada difícil… demais… solitária demais… quando não, tem uma ou outra pessoa que nos apóia, incentiva, motiva…

 Aprender a gostar de si mesmo não sendo o que as pessoas esperam que você seja é muito difícil. Mas é extremamente possível. Temos casos em andamento e espero estar a caminho.

“Posso não estar onde eu quero mas estou à caminho.”

(atribuído a Joyce Meyer)

Texto composto com a ajuda de Deny.

Comente...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.