DECLARAÇÃO DE GUERRA

DECLARAÇÃO DE GUERRA

Hoje, dia 29 de junho de 2012, sexta-feira; faço desse escrito uma declaração de guerra. Desde já estão jurados de morte os meus inimigos interiores, medos, receios, hesitações, dúvidas, ideias de procrastinação, sabotadores de tempo, lazeres infrutíferos, relacionamentos sangue-sugas e todos os outros que fazem parte de um exército que se levanta contra mim, impondo a não-vida.
Tenho desejos e sonhos de conquistar coisas boas pra minha vida. Essas tais coisas desejadas carecem do meu tempo, dedicação, atenção, esmero, cuidado, esforço, empenho, coragem, persistência. Por isso  a guerra se faz necessária.
A guerra é pessoal. Já vi quem a tenha lutado e perdido. Já vi vitoriosos. Todos temos o potencial de vencer a nós mesmos. Então estou confiante na minha vitória contra mim mesmo – a favor de mim mesmo.
A todos que já lutaram e desistiram, ouçam o grito interior do desejo de mudanças e se preparem. Vistam  suar armaduras, prepare suas espadas e escudos, arcos e flechas, lanças, cavalos de batalha e avancem sobre o campo. Há muito a ser conquistado.

X

Os Três Mal-Amados

O amor comeu meu nome, minha identidade, meu retrato. O amor comeu minha certidão de idade, minha genealogia, meu endereço. O amor comeu meus cartões de visita. O amor veio e comeu todos os papéis onde eu escrevera meu nome.

O amor comeu minhas roupas, meus lenços, minhas camisas. O amor comeu metros e metros de gravatas. O amor comeu a medida de meus ternos, o número de meus sapatos, o tamanho de meus chapéus. O amor comeu minha altura, meu peso, a cor de meus olhos e de meus cabelos.

O amor comeu meus remédios, minhas receitas médicas, minhas dietas. Comeu minhas aspirinas, minhas ondas-curtas, meus raios-X. Comeu meus testes mentais, meus exames de urina.

O amor comeu na estante todos os meus livros de poesia. Comeu em meus livros de prosa as citações em verso. Comeu no dicionário as palavras que poderiam se juntar em versos.

Faminto, o amor devorou os utensílios de meu uso: pente, navalha, escovas, tesouras de unhas, canivete. Faminto ainda, o amor devorou o uso de meus utensílios: meus banhos frios, a ópera cantada no banheiro, o aquecedor de água de fogo morto mas que parecia uma usina.

O amor comeu as frutas postas sobre a mesa. Bebeu a água dos copos e das quartinhas. Comeu o pão de propósito escondido. Bebeu as lágrimas dos olhos que, ninguém o sabia, estavam cheios de água.

O amor voltou para comer os papéis onde irrefletidamente eu tornara a escrever meu nome.

O amor roeu minha infância, de dedos sujos de tinta, cabelo caindo nos olhos, botinas nunca engraxadas. O amor roeu o menino esquivo, sempre nos cantos, e que riscava os livros, mordia o lápis, andava na rua chutando pedras. Roeu as conversas, junto à bomba de gasolina do largo, com os primos que tudo sabiam sobre passarinhos, sobre uma mulher, sobre marcas de automóvel.

O amor comeu meu Estado e minha cidade. Drenou a água morta dos mangues, aboliu a maré. Comeu os mangues crespos e de folhas duras, comeu o verde ácido das plantas de cana cobrindo os morros regulares, cortados pelas barreiras vermelhas, pelo trenzinho preto, pelas chaminés. Comeu o cheiro de cana cortada e o cheiro de maresia. Comeu até essas coisas de que eu desesperava por não saber falar delas em verso.

O amor comeu até os dias ainda não anunciados nas folhinhas. Comeu os minutos de adiantamento de meu relógio, os anos que as linhas de minha mão asseguravam. Comeu o futuro grande atleta, o futuro grande poeta. Comeu as futuras viagens em volta da terra, as futuras estantes em volta da sala.

O amor comeu minha paz e minha guerra. Meu dia e minha noite. Meu inverno e meu verão. Comeu meu silêncio, minha dor de cabeça, meu medo da morte.

João Cabral de Melo Neto

Boi Bebe Coca-Cola

Como diria Zé Ramalho

“Êeeeeh! Oh! Oh!
Vida de gado, Povo marcado
Êh! Povo feliz!…(2x)”

(Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia Commons)

Máquina de Coca-Cola poderá aumentar preços no calor

Com a nova tecnologia, as máquinas poderiam identificar os dias mais quentes para aumentar os preços cobrados pelos refrigerantes.

Quanto você paga por uma latinha de refrigerante nos dias mais frios? E nos dias em que o sol está derretendo até mesmo os mais reistentes? Geralmente os preços para esses dois momentos são os mesmos, mas a The Coca-Cola Company (empresa responsável pela produção dos refrigerantes Coca-Cola) está desenvolvendo um modo de modificar isso – e que, em breve, talvez seja aplicado comercialmente.

Segundo relatado pelo The New York Times, os executivos da empresa já estão discutindo formas de criar preços variáveis há algum tempo. E pelo visto a solução mais viável será modificar as máquinas de vendas automáticas. O jornal norte-americano afirma que as máquinas podem passar a ser equipadas com novos chips em breve.

Estes processadores seriam responsáveis por identificar a temperatura nos locais para fazer com que as latinhas de refrigerante ficassem mais caras nos momentos em que o calor estivesse mais intenso. O novo mecanismo já está sendo testado pela Coca-Cola, mas ainda não há maiores informações sobre a aplicação comercial dos aparelhos.

Via The New York Times

Fonte Tecmundo

Admirável Gado Novo
Composição: Zé Ramalho

Oooooooooh! Oooi!
Vocês que fazem parte dessa massa
Que passa nos projetos do futuro
É duro tanto ter que caminhar
E dar muito mais do que receber…

E ter que demonstrar sua coragem
À margem do que possa parecer
E ver que toda essa engrenagem
Já sente a ferrugem lhe comer…

Êeeeeh! Oh! Oh!
Vida de gado
Povo marcado
Êh!
Povo feliz!…(2x)

Lá fora faz um tempo confortável
A vigilância cuida do normal
Os automóveis ouvem a notícia
Os homens a publicam no jornal…

E correm através da madrugada
A única velhice que chegou
Demoram-se na beira da estrada
E passam a contar o que sobrou…

Êeeeeh! Oh! Oh!
Vida de gado
Povo marcado
Êh!
Povo feliz!…(2x)

Oooooooooh! Oh! Oh!
O povo foge da ignorância
Apesar de viver tão perto dela
E sonham com melhores tempos idos
Contemplam essa vida numa cela…

Esperam nova possibilidade
De verem esse mundo se acabar
A Arca de Noé, o dirigível
Não voam nem se pode flutuar
Não voam nem se pode flutuar
Não voam nem se pode flutuar…

Êeeeeh! Oh! Oh!
Vida de gado
Povo marcado
Êh!
Povo feliz!…(2x)

Ooooooooooooooooh!

Desconstruções

A gente constrói e des-constrói as pessoas, inclusive a nós mesmos. É a conclusão a que cheguei lendo o texto que segue… Daqui a um tempo a Martha Medeiros vai se tornar uma espécie de mito, como acontece com Shakespeare,  Homero, e mais recentemente Clarice Lispector… aos quais uma porção de texto é atribuído e só quem conhece mesmo pode ter certeza de que foram eles os autores. Mérito dela por escrever bem o que nos vai ao coração.

Desconstruções

Quando a gente conhece uma pessoa, construímos uma imagem dela. Esta imagem tem a ver com o que ela é de verdade, tem a ver com as nossas expectativas e tem muito a ver com o que ela “vende” de si mesma. É pelo resultado disso tudo que nos apaixonamos. Se esta pessoa for bem parecida com a imagem que projetou em nós, desfazer-se deste amor, mais tarde, não será tão penoso. Restará a saudade, talvez uma pequena mágoa, mas nada que resista por muito tempo. No final, sobreviverão as boas lembranças. Mas se esta pessoa “inventou” um personagem e você caiu na arapuca, aí, somado à dor da separação, virá um processo mais lento e sofrido: a de desconstrução daquela pessoa que você achou que era real.

Desconstruindo Flávia, desconstruindo Gilson, desconstruindo Marcelo. Milhares de pessoas estão vivendo seus dias aparentemente numa boa, mas por dentro estão desconstruindo ilusões, tudo porque se apaixonaram por uma fraude, não por alguém autêntico. Ok, é natural que, numa aproximação, a gente “venda” mais nossas qualidades que defeitos. Ninguém vai iniciar uma história dizendo: muito prazer, eu sou arrogante, preguiçoso e cleptomaníaco. Nada disso, é a hora de fazer charme. Mas isso é no começo. Uma vez o romance engatado, aí as defesas são postas de lado e a gente mostra quem realmente é, nossas gracinhas e nossas imperfeições. Isso se formos honestos. Os desonestos do amor são aqueles que fabricam ideias e atitudes, até que um dia cansam da brincadeira, deixam cair a máscara e o outro fica ali, atônito.

Quem se apaixonou por um falsário, tem que desconstruí-lo para se desapaixonar. É um sufoco. Exige que você reconheça que foi seduzido por uma fantasia, que você é capaz de se deixar confundir, que o seu desejo de amar é mais forte do que sua astúcia. Significa encarar que alguém por quem você dedicou um sentimento nobre e verdadeiro não chegou a existir, tudo não passou de uma representação – e olha, talvez até não tenha sido por mal, pode ser que esta pessoa nem conheça a si mesma, por isso ela se inventa.

A gente resiste muito a aceitar que alguém que amamos não é, e nem nunca foi, especial. Que sorte quando a gente sabe com quem está lidando: mesmo que venha a desamá-lo um dia, tudo o que foi construído se manterá de pé

Martha Medeiros

Tutorial de Maquiagem

Curte maquiagem extrema? Maquiagem extrema é como eu chamo os modos de alterar tão drasticamente as feições do rosto que a pessoa se torna irreconhecível do normal. Tem quem goste… Segue um vídeo com um exemplo quase bizarro de transformação. Quem conseguir chegar até os 4min 18seg vai entender bem do que estou falando.

Abaixo uma amostra…

Boas Ideias: Convite Pra Sorvete

Ei, me chama pra tomar sorvete e ver TV na sua casa. Ou ficar conversando e ouvindo música, ou… ou… desde que tenha SORVETE. Sabe porque, olha que ideia super legal podemos fazer com os potes de sorvete que sobrarem da nossa festa…

Vi a ideia compartilha por uma amiga no Facebook, da página Meu Móvel de Madeira.

Batalhas Vencidas

Para as meninas que estão na batalha… Contribuição muito proveitosa de Fran Marques.

Depois do diagnóstico positivo do tumor maligno,na sala de espera do meu médico tinha uma revista de medicina e na capa tinha segundo Carlos Drumond de Andrade:

“(…) No meio do caminho tinha uma pedra,
tinha uma pedra no meio do caminho.
No meu caminho tinha um câncer… EU VENCI.”
[Fran Marques]

Preparando Pra Guerra

Eu estava precisando renovar umas coisas na minha vida. E é engraçado que pra construir uma coisas temos de destruir outras. Às vezes faltam forças, ou então elas estão devidamente repressadas dentro de nós e precisam de um rompimento, um estímulo, um gatilho que nos atire longe até o alvo. Tem gente que bebe pra tomar coragem de dizer algumas coisas, chegar numa menina [meninos, hello! Isso é babaquice – chega de cara limpa, consciente de tudo o que vocês estão dizem, isso é mais honesto com vocês mesmos e mais atraente pra meninas – nunguém gosta de ser cortejada/xavecada por um bêbado… correção: pode ser que entre 1% ou 3% goste disso].

Pois então, pra ajudar a entrar na nova fase, peguei um cd pra ouvir. Músicas de guerra, do Pregador Luo – 1ª Missão, é um cd de 2008. Algumas canções bem legalzinhas pra quem gosta do gênero Hip Hop. Segue uma amostra nesse video com trechos da vida de um dos melhores lutares de UFC do Brasil – Vitor Belfort!

Vitor Belfort “O Bárbaro de Cristo”

 

Guerra

“…tempo de amar, e tempo de odiar; tempo de guerra, e tempo de paz.”(Eclesiastes 3:8)

Bate Pesadão

Pregador Luo

Bate pesadão, ba-bate pesadão
Bate pesadão e fa-faz ficar no chão
Bate pesadão, ba-bate pesadão
Bate pesadão, manda o inimigo para o chão [2x]

Bate pesadão e faz que nem Sansão,
Vai na força do Deus vivo e desce a mão
Só que o soldado eficiente não vacila,
Não cai duas vezes no xaveco da Dalila
Puxa o ar, puxa o ar, puxa o gás, vai respira
Essa guerra é longa e não acabou ainda
Briga brigador que nem prega o pregador
Mas briga com amor, põe paixão na peleja
Pra que todo mundo veja o guerreiro que ‘cê é
Que nem Rocky Balboa toma soco e ainda fica em pé
Sangre pelos olhos, sangre pelo nariz,
Mas não deixe escapar a chance de ser feliz
Não é o que ‘cê quis, o que sonhou a vida inteira?
Então vou mandar pro chão e me enrolar na bandeira
Derrotado dessa briga pode crer que eu não saio,
O troféu é meu, pois o campeão sou eu

Bate pesadão, ba-bate pesadão
Bate pesadão e fa-faz ficar no chão
Bate pesadão, ba-bate pesadão
Bate pesadão, manda o inimigo para o chão [2x]

Desce a mão vai desce, desce a mão; vai [4x]

Monstrão, monstrão, vamo’ lá quero ver
Bota pra dormir, prova que o “Mister Muita Treta” é você
Leão no meio dos lobos
Louco dos loucos que troca idéia com o Santo dos santos
Que semeiam com pranto só que aqui
Não da nada na hora de colher, a gente colhe dando risada
Ninguém me pega, tô ligeiro não paro nos cantos
Dum lado pro outro, direita, esquerda 1-2, 1-2
Zig-Zag, Zig-Zag esquiva e sai
Zig-Zag, Zig-Zag esquiva e sai
Navalha é cega, aqui não corta nada
Eu vim preparado pra guerra de fuzil e granada(nada,nada,nada)
A direita é uma bomba, na esquerda uma tonelada
Onde explodir minha ira, pode crer não vai sobrar mais nada
Bateria de míssil não vai adiantar,
Pois eu sou daqueles que não da pra rastrear
Uma vez que disparou não da pra segurar
Martela, martela [Martelão]
Vou botar pressão
Que nem trovão
Que sacode a terra mais uma geração
Bato pesadão, faço ficar no chão

Bate pesadão, ba-bate pesadão
Bate pesadão e fa-faz ficar no chão
Bate pesadão, ba-bate pesadão
Bate pesadão, manda o inimigo para o chão [2x]

Sou brigador das ruas, brigador dos ringues
Sou soldado de elite não me subestime
Brigador no tatame,
Brigo na faculdade quando faço exame
Brigo pra me graduar
Pra me profissionalizar
Brigo com demônios
Brigo com o diabo
Brigo comigo mesmo quando de Deus eu me afasto
Brigo com as lajes que tenho que bater
Brigo pelas barrigas que tenho que encher
Luto por um sonho que não vou deixar morrer
Luto pela paz real que eu quero conhecer
Por isso brigo com o inimigo que tenho que derrotar
A guerra é só uma ponte que me atravessa para a margem de lá
Os soldados de elite é que são condecorados
Os valentes corajosos é que são lembrados
Quem não tem pegada nunca nem é citado
Se o nome não ficar escrito então é apagado

Vai
Não tem vez pros fracos, não tem vez pros fracos
No mundão cruel não tem vez pros fracos
Não tem vez pros fracos, não tem vez pros fracos
No mundão cruel não tem vez pros fracos

Bate pesadão, ba-bate pesadão
Bate pesadão e fa-faz ficar no chão
Bate pesadão, ba-bate pesadão
Bate pesadão, manda o inimigo para o chão [2x]

Música de Guerra

Pregador Luo

No meio da Guerra nasce mais um leão,
No meio de bomba de tiro e de ladrão,
Ele tem que defender seu nome e sua vida,
Ele tem que defender sua bandeira e sua família,

O Soldado quer a glória,
O soldado que ser herói,
O soldado quer vitória,
E no final ele quer paz,

Só quem dita paz
É tempo mal o tempo todo,
Proteja seu espírito, proteja o seu corpo,
Proteja seu rosto, proteja seu pescoço,

Do outro lado da linha,
Tem alguém com você na mira, quer cortar sua
Cabeça com uma guilhotina,
Então proteja sua vida, seja um cão de briga!!!

Guerra, Guerra no final eu chego vivo,
Guerra, Guerra o meu Deus está comigo,
Musica de Guerra,
Por isso eu fico firme, pois Guerra é Guerra,

O ser Humano sempre esteve em Guerra,
Varias delas acabam em Guerra,
Varias delas começaram com Guerras,
Quantos Impérios ruíram por causa das Guerras,

Quantos Reis perderam seus tronos por causa dela,
Mesmo assim não desista de orar pela paz na terra,
Só que hoje é o dia da sua Guerra,
Todo dia da sua vida será sempre uma Guerra,

Não deixe que nada ameace sua existência,
Trace sua estratégia com competência,
Pois, quem não sangrou por aqui,
Pode crer que um dia também vai sangrar, porque

Guerra, Guerra no final eu chego vivo,
Guerra, Guerra o meu deus está comigo,
Musica de Guerra,
Por isso eu fico firme, pois Guerra é Guerra

Se você acha que o tormento acabou, (não)
Pelo contrario ele apenas começou, (irmão)
No meio dessa treta eu sou mais eu,
Fizeram Guerra até com o Santo, Rei dos Judeus,

O homem que não morreu,
Aqui desceu cumpriu com a profecia,
A alegria do senhor e minha força,
E é de lá que eu tiro energia para lutar,

Guerreiro você não pode parar,
Se não tomam o seu lugar,
Nesse mundo querem tomar tudo o que é seu,
Você está no coliseu lutando com as feras, Elimine
Todas elas,
Trave suas batalhas,
E vença a sua Guerra,

Guerra, Guerra no final eu chego vivo,
Guerra, Guerra o meu deus está comigo,
Musica de Guerra,
Por isso eu fico firme, pois Guerra é Guerra…

Vai explodir

Pregador Luo

Louco, louco, Pregador Luo, louco, muito louco, o bagulho tá louco, louco, louco….
O bagulho tá louco

Vai explodir
Vai explodir
A vida tá louca compadre e o bagulho vai explodir

São Paulo, vish é muita treta. Rio é chapa quente
Jesus tem que voltar pra buscar a sua gente
senão

Vai explodir
Vai explodir
A vida tá louca compadre e o bagulho vai explodir
[2X]

E o pavio já tá no fim, a bomba tá pra estourar
Até quem tem nervo de aço também vai se arrebentar
Porque o bicho ta pegando e o cão quer dominar
Ele põe outros irmão nas ruas pra te sequestrar
Pra sair da loucura do cativero tem que pagar
Ou então vai pro mim que a onda é se desintegrar.
Milícia quer pedágio
Polícia quer pedágio
O sistema tá falido
Ele tá fragilizado
O governo casca de ovo não faz nada pelo povo
Que se esfarela nas ruas e se esconde do pitocos
Traçante cortam morro da favela pra favela
Tá tipo GTA na vermelha e na amarela
Marginal tem cheiro forte, castiga o motorista
Quem tá na pista tem que ter muita perícia
Bebum no volante, mata e foge do flagrante
Motoqueiro foi fechado, tá todo arrebentado
Agora para tudo, o trânsito ficou travado
50 motoboy, tudo com sangue no zói
Carro velho e o caminhão, liberando só gás toxico.
É parceiro, o bagulho tá neurótico, e vai …

Vai explodir
Vai explodir
A vida tá louca compadre e o bagulho vai explodir

São Paulo, vish é muita treta. Rio é chapa quente
Jesus tem que voltar pra buscar a sua gente
senão

Vai explodir
Vai explodir
A vida tá louca compadre e o bagulho vai explodir
[2X]

Rua esburacada, mal iluminada
Escola abandonada e a cracolândia tá lotada
Todo mundo tá psico, todo mundo tá refém
A cadeia abarroto e já não cabe mais ninguém
O país fecha os olhos, finge que não viu
Pilantagem e só maldade e prostituição infantil
Tá sinistro, tá caótico. Insano, tá medonho
Até os fio de cobre os vagabundo tão roubando
Assalto é de montão, toda hora a gente tem
Os muleques no razante não perdoam mais nunguém
Invadem as cachangas, dominam os ciplex
Hebe perdeu as jóias e o Hulck o Rolex
Problema de montão e quebreu o caldeirão
Periferia e subúrbio sofre com enxente
Corrupção em massa, massacrando nossa gente
Aposentado sem remédio, sem hospital descente
País tropical contaminado com a dengue
Nego tá cruel, atitude de cruel
Mas, o Senhor é justo e a Isabela tá no céu.

O que tá faltando?
Tá faltando amor
O que a gente precisa?
Precisa de cuidado
Tem que por de lado o ódio e a raiva
Jesus tem que voltar senão , nós tá tudo ferrado
O Brasil pede socorro de ponta-a-ponta
Geral tá no sufoco com a corda no pescoço
Vamos reagir, tem que reagir
Bota pressão nos seus punhos e vamos, vamos reagir senão …

Vai explodir
Vai explodir
A vida tá louca compadre e o bagulho vai explodir

São Paulo, vish é muita treta. Rio é chapa quente
Jesus tem que voltar pra buscar a sua gente
senão

Vai explodir
Vai explodir
A vida tá louca compadre e o bagulho vai explodir
[2X]

Louco…

O bagulho tá louco

Dieta da Alma

Nutricionistas dizem que somos o que comemos. Eu digo que somos a mistura do que sentimos, pensamos e queremos – pois a mistura disso tudo é a nossa alma.Nossa alma tem sede e fome de muitas coisas, temos carência de muitas coisas, inclusive coisas emocionais. Achei um texto bem propício pra minha vida no momento e pra vida de umas pessoas que conheço então resolvi compartilhar.

Dieta da Alma

atribuido a Marta Medeiros

Arroz, feijão, bife, ovo. Isso nós temos no prato, é a fonte de energia que nos faz levantar de manhã e sair para trabalhar. Nossa meta primeira é a sobrevivência do corpo. Mas como anda a dieta da alma?

Outro dia, no meio da tarde, senti uma fome me revirando por dentro. Uma fome que me deixou melancólica. Me dei conta de que estava indo pouco ao cinema, conversando pouco com as pessoas, e senti uma abstinência de viajar que me deixou até meio tonta. Minha geladeira, afortunadamente, está cheia, e ando até um pouco acima do meu peso ideal, mas me senti desnutrida. Você já se sentiu assim também, precisando se alimentar?

Revista, jornal, internet, isso tudo nos informa, nos situa no mundo, mas não sacia. A informação entra dentro da casa da gente em doses cavalares e nos encontra passivos, a gente apenas seleciona o que nos interessa e despreza o resto, e nem levantamos da cadeira neste processo. Para alimentar a alma, é obrigatório sair de casa. Sair à caça. Perseguir.

Se não há silêncio a sua volta, cace o silêncio onde ele se esconde, pegue uma estradinha de terra batida, visite um sítio, uma cachoeira, ou vá para a beira da praia, o litoral é bonito nesta época, tem uma luz diferente, o mar parece maior, há menos gente.

Cace o afeto, procure quem você gosta de verdade, tire férias de rancores e mágoas, abrace forte, sorria, permita que lhe cacem também.

Cace a liberdade que anda tão rara, liberdade de pensamento, de atitudes, vá ao encontro de tudo que não tem regras, patrulha, horários. Cace o amanhã, o novo, o que ainda não foi contaminado por críticas, modismos, conceitos, vá atrás do que é surpreendente, o que se expande na sua frente, o que lhe provoca prazer de olhar, sentir, sorver. Entre numa galeria de arte. Vá assistir a um filme de um diretor que não conhece. Olhe para sua cidade com olhos de estrangeiro, como se você fosse um turista. Abra portas. E páginas.

Arroz, feijão, bife, ovo. Isso me mantém de pé, mas não acaba com meu cansaço diante de uma vida que, se eu me descuido, torna-se repetitiva, monótona, entediante. Mas nada de descuido. Vou me entupir de calorias na alma. Há fartas sugestões no cardápio. Quero engordar no lugar certo. O ritmo dos dias é tão intenso que às vezes a gente esquece de se alimentar direito.

Martha Medeiros

Unhas Degradê

Unhas em degradê. Achei essa imagem muito instrutiva, boa pra compartilhar com as meninas que como eu gostam de unhas decoradas.

Fonte: Garotas Pink Cats

Amor Inventado


O Nosso Amor A Gente Inventa
Cazuza

O teu amor é uma mentira
Que a minha vaidade quer
E o meu, poesia de cego
Você não pode ver

Não pode ver que no meu mundo
Um troço qualquer morreu
Num corte lento e profundo
Entre você e eu

O nosso amor a gente inventa
Pra se distrair
E quando acaba a gente pensa
Que ele nunca existiu

O nosso amor
A gente inventa
Inventa
O nosso amor
A gente inventa

Te ver não é mais tão bacana
Quanto a semana passada
Você nem arrumou a cama
Parece que fugiu de casa

Mas ficou tudo fora de lugar
Café sem açúcar, dança sem par
Você podia ao menos me contar
Uma história romântica

E quando acaba a gente pensa
Que ele nunca existiu

O nosso amor
A gente inventa
Inventa
O nosso amor
A gente inventa

Presentei-se

Quando nos amamos, podemos sim nos presentear a nós mesmos com coisas, situações, pessoas. Cabe a nós fazer.

Hoje me presenteei com esse chaveiro-relógio

por Michelle Cristina

Abaixo uma música em minha própria homenagem, homenagem ao amor incondicional que desenvolvi por mim no decorrer das lutas diárias e de todos os meus infortúnios e também minhas conquistas…

Eu Me Amo
Ultraje a Rigor

Há quanto tempo eu vinha me procurando
Quanto tempo faz, já nem lembro mais
Sempre correndo atrás de mim feito um louco
Tentando sair desse meu sufoco
Eu era tudo que eu podia querer
Era tão simples e eu custei pra aprender
Daqui pra frente nova vida eu terei
Sempre a meu lado bem feliz eu serei

Refrão
Eu me amo, eu me amo
Não posso mais viver sem mim

Como foi bom eu ter aparecido
Nessa minha vida já um tanto sofrida
Já não sabia mais o que fazer
Pra eu gostar de mim, me aceitar assim
Eu que queria tanto ter alguém
Agora eu sei sem mim eu não sou ninguém
Longe de mim nada mais faz sentido
Pra toda vida eu quero estar comigo

Refrão

Foi tão difícil pra eu me encontrar
É muito fácil um grande amor acabar, mas
Eu vou lutar por esse amor até o fim
Não vou mais deixar eu fugir de mim
Agora eu tenho uma razão pra viver
Agora eu posso até gostar de você
Completamente eu vou poder me entregar
É bem melhor você sabendo se amar

Cuidado com as Palavras – Versão Plus Size

[Clique nas imagens kkkkk]

Pai:
– Você cortou o cabelo da sua amiga por que ela te chamou de gorda?!
Filha:
– A guria me chaa de gorda, e você tá preocupado com o cabelo dela?
Pai:
– É que você tá… Meio gordinha mesmo
Filha:
– Tem certeza?

Viver

É necessário que tenhamos o olhar aberto pra VER a preciosidade de estar vivos, mesmo que seja difícil em algumas situações.

Solidão

Tem hora que parece que todo mundo sumiu, foi embora, desapareceu. A sensação que a gente tem é de que fomos esquecidos, não temos muito valor, pouca importância. Mesmo com as redes sociais ajudando a nos conectar com os conhecidos e fazendo novos amigos, ainda assim a bendita/maldita aparece… solidão.

Tem hora que a gente percebe que tem vício na presença dos outros, as companhias agradáveis se fazem tão presentes e necessárias. Mas tem hora que elas não são o bastante. Nos decepcionam, ferem, ignoram, machucam. Dá vontade de sumir e ao mesmo tempo, se agarrar mais forte aos que nos são tão úteis.

Tenho percebido que a vida nos oferece esses momentos de solidão pra que a gente aprenda a lidar com a gente mesmo. É no meio da temida solidão que a gente se descobre e se faz mais forte – sem necessariamente embrutecer o coração.

Telhado de Vidro – Vingança no Estacionamento

“Não jogue pedra no telhado dos outros porque o teu é de vidro.” (Ditado Popular)

Pra quem não conhece o ditado acima, significa que não é bom julgar as pessoas por seus erros ou falhas ou fraquezas, porque também temos as nossas se nos olharmos por outros pontos de vista.

O vídeo acima mostra bem como pode ser isso na prática. Certas “Vinganças” nem deveriam ser consideradas como tal… kkkkkkkkkk

O Maior de Todos

Elevo os meus olhos para os montes; de onde me vem o socorro?
O meu socorro vem do Senhor, que fez os céus e a terra.
Não deixará vacilar o teu pé; aquele que te guarda não dormitará.
Eis que não dormitará nem dormirá aquele que guarda a Israel.
O Senhor é quem te guarda; o Senhor é a tua sombra à tua mão direita.
De dia o sol não te ferirá, nem a lua de noite.
O Senhor te guardará de todo o mal; ele guardará a tua vida.
O Senhor guardará a tua saída e a tua entrada, desde agora e para sempre.
(Salmo 121:1-8)

Dies Irae

Dies Irae*

lembrem-se da Sra. Smith

As mulheres precisam entender que elas detêm um poder maior do que pensam. E os homens que desejam algo delas, têm de se render às condições da mulher. Enquanto as mulheres não tomarem seu lugar de domínio, continuarão sendo subjugadas pelos pseudo-machos de plantão.

Não estou instigando uma guerra entre os sexos – isso só tem trazido estragos. Mas já que a maioria dos homens não quer COOPERAR para o bem comum, que a mulher saiba IMPOR o que quer. EXIGIR o que gosta, como todas as palavras e transparência necessária.

Se a mulher nunca teve do namorado/marido/amante[aquele que ama] todas as carícias desejadas, e tão necessárias, porque esse homem deveria ocupar tal posição? OU melhor, função… porque se for pra posicionar alguma coisa, alguns objetos podem servir muito bem à causa.

*[Nome de poema do Séc. XVIII inspirado em trecho bíblico onde se reflete a Ira de Deus com os homens, por não estarem cumprindo o propósito para o qual foram criados] veja mais aqui

Consequencias

Antes de fazer a besteira eu penso nas consequencias...Se as consequencias forem boas eu faço.(Yasmiin Lancerotti)

Antes de fazer a besteira eu penso nas
consequencias…
Se as consequencias forem boas eu faço.

(Yasmiin Lancerotti)