Dança do ventre como tratamento a baixa autoestima e depressão

Dança do ventre como tratamento a baixa autoestima e depressão
Enviado por Katricia Rockenbach

Dança do ventre e autoestimaSempre que ouvimos falar de “Dança do Ventre”, pensamos em mulheres lindas, magras, perfeitas, com belas roupas e uma autoestima impecável.
Isso é verdade?

Parte sim. Muitas mulheres hoje procuram a dança do ventre para recuperar algo que perderam.

A autoestima, o amor próprio, o tempo, o relacionamento, cada uma com a sua particularidade.

Em meus anos como professora já ministrei aula para mulheres de todos os tipos, raças, culturas e idades. Cada uma vinha a minha com seu “problema”, algumas vinham por achar a dança bonita, outras porque querem se apresentar para os maridos ou namorados, algumas vinham pelos benefícios a saúde, tem também aquelas que querem apenas ocupar seu tempo e esquecer um pouco do trabalho, e então temos as alunas que passaram por alguma decepção, perca, ou qualquer outra situação que as constrangeram, fizeram ter vergonha de si e do seu corpo quem vem atrás da dança para se reencontrarem.

Mulheres que muitas vezes precisam de um abraço, um ombro amigo, uma frase que as ajudem a levantar.

Pesquisando e estudando sobre esse assunto, comecei a entender que muitas pessoas não estão prontas para passar por algo traumático, e que não só a dança, mais também a musica pode acalmar e trazer o prazer de volta a vida de muitas pessoas. A dança por ser algo não somente com intuito de lazer mais também de exercício, libera no corpo humano o hormônio da endorfina (hormônio da alegria), causando prazer as pessoas que há praticam.

Nesse ano que já esta chegando ao fim, passei por três experiências de medo, depressão e baixa autoestima.

A primeira experiência foi com uma aluna que passava por um caso de depressão e baixa autoestima bem visível. Quando começou a aula era tímida, tinha vergonha do seu corpo, e não se relacionava muito bem com as outras alunas. Com o passar do tempo e ao perceber que sua professora (eu) era gordinha e isso não há impedia de fazer nada, essa aluna começou a mudar suas atitudes, começou a participar mais, conversar mais, e principalmente a não termais vergonha de mostrar seu “ventre”, seu relacionamento com as colegas de classe mudou ao ponto que a mesma se abrisse com toda a turma e contasse o que lhe afligia. No decorrer das aulas e ate hoje essa aluna tem se libertado dessas amarras chamada depressão que a prendia, hoje ela já sorri, conversa, faz aulas, apresentações, sem nem ao menos se preocupar com o que antes tanto lhe afligia.

A segunda experiência foi com uma colega de trabalho, que após uma cirurgia de apêndice começou a ter vergonha de seus corpo, principalmente de sua cicatriz, não se sentia bem ao dançar, pois sua mente sempre a dizia que a cirurgia iria abrir, era algo tão forte que lhe dava sensação de dor. Com o tempo, conversando sobre o que acontecia e já tendo passado por uma experiência cirúrgica comecei a mostrar que esses medos são normais, mais que após o período de resguardo tudo esta normal. Na sua primeira apresentação de volta aos palcos, o nervoso, e o pânico quase tomou de conta de seu corpo, ela tremia e chorava se forma angustiante. Foi então que todo o grupo resolveu lembra-la que sua dança sempre foi linda, que não importa como seu corpo esta hoje, o que importa é o quão bela é sua dança.
Hoje ela esta feliz por não permitirmos que ela parece, “se aposenta-se” da dança.

A terceira e mais dolorida experiência aconteceu quando estava estudando para escrever essa matéria. Por três anos tentei engravidar e sempre ouvia dos médicos que só conseguiria se fizesse um tratamento. Mesmo assim eu insisti e tentei, não quis me deixar derrotar. Quando completou três anos de tentativas, eu cansei, decidi desistir e deixar a vida fazer seu papel, mal sabia eu que no dia em que desisti eu já estava grávida.

Continuei minha rotina normal de aulas e ensaio quando descobri que estava grávida, mais que estava com descolamento de placenta e que se não parasse com todos os exercícios ia perder o bem com o qual sempre sonhei.

Nas semana que se seguiram parei de dar aulas, deixei tudo o que mais amava de lado pelo meu filho. Porem nada adiantou, a vontade de Deus de ter meu filho ao seu lado foi maior que o meu e eu perdi o bem mais precioso que já tive.

Na hora eu comecei a me odiar, a não querer mais dançar, a desistir de tudo. Foi quando minhas alunas começaram a me mostrar onde a dança as ajudou, e começaram a me lembrar de tudo que fiz por todas elas e automaticamente começaram a fazer por mim. Sempre que me viam chorando, elas me faziam sorrir, sempre que queria parar de dançar elas me diziam que não fizesse isso.

Hoje um mês depois do ocorrido, posso dizer que a Dança do Ventre não é um milagre, não é um medico, mais é a melhor coisa que já foi inventada no mundo. Pois assim como ela me ajudou, ajudou minha companheira de trabalho e ajudou minha aluna, ela pode ajudar você.

Você que se acha alta de mais, gorda de mais, magra, velha, nova, baixa, você que perdeu a alegria de viver, que esta cansada da rotina, ela pode lhe ajudar.
É apenas uma dança, mais é a melhor das danças.

Via PortaldoEgito.com.br

Mentir Pra Si Mesma

mentir-para-si-mesmo

Não minta pra você mesma. Mas cuidado com as mentiras que lhe disseram e você tomou como se fossem suas verdades.

“Mentir pra si mesmo é a pior mentira.” (Renato Russo)

Um simples sorriso faz as mulheres se sentirem melhor com sua aparência

sorriso faz bem

Cientistas da Universidade de Maastricht, na Holanda, descobriram que mulheres infelizes com a sua aparência se sentem melhores depois de serem recebidas com um sorriso. Este aumento na auto-estima faz com que os pesquisadores acreditem que, para muitas mulheres, a confiança na aparência é ligada diretamente à aceitação social.

O estudo foi feito com 57 mulheres com peso normal e com níveis diferentes de satisfação com a aparência. No experimento, 26 mulheres viram fotos de pessoas sorrindo depois de verem a sua própria imagem, e a sua auto-estima aumentou depois disso. As 28 mulheres restantes viram fotos de pessoas com o rosto neutro ou com a expressão mais severa. Para este grupo, a auto-imagem continuou a mesma após o experimento.

“Ao mostrar a essas mulheres fotos delas mesmas seguidas por uma imagem de uma pessoa sorrindo – representando a aprovação social – aumentou muito a satisfação com o próprio corpo e a auto-estima delas”, afirma Carolien Martijn, psicóloga que participou do estudo.

“Este método clássico de condicionamento pode ser um meio útil para aumentar a satisfação de mulheres com o próprio corpo e peso, e pode ser útil também quando feito com pessoas com problemas alimentares”, diz Martijn. [Telegraph]

via hypescience.com