Saladas Pra Que Vos Quero!

Que tal substituir a refeição que se faz normalmente por uma salada?

De acordo com a nutricionista Vivian Goldberger, para susbstituir adequadamente refeições, a salada deve conter fontes de proteínas (carne vermelha, frango, peixe, ovos, soja ou frutos do mar), carboidratos (macarrão ou tubérculos, como batata, mandioquinha, inhame, cará, milho) e leguminosas (feijão, lentilha, grão-de-bico ou ervilha).

“Na hora de temperar, outra dica gostosa e saudável: azeite batido com ervas, que só deve ser acrescentado na hora de servir. A salada deve conter muitas folhas verdes, legumes crus e quanto mais coloridos melhor. Se possível, adicionar sementes como a de girassol, gergelim e linhaça. Também é interessante polvilhar castanhas como a de caju e do Pará”, ensina.

salada

 Seguem algumas receitas de saladas que podem ser muito bem degustadas!

© Jacek Chabraszewski - Fotolia.com

© Jacek Chabraszewski – Fotolia.com

SALADA MEXICANA

“Com atum e maionese light, oferece proteína magra e gordura boa e serve como recheio de tomates crus sem sementes. Se quiser complementar a refeição, acrescente uma porção de arroz ou massa integral”.

Ingredientes:
4 tomates grandes, firmes e bem lavados
1 lata de atum light
1/4 de cebola em cubos
1/4 de pimentão verde em cubos
1/4 de pimentão vermelho em cubos
1 lata de milho
4 colheres (sopa) de maionese light
Folhas de coentro (ou salsa)

Modo de preparo:
Corte uma tampa na parte superior dos tomates. Retire a polpa com cuidado e deixe os tomates virados para baixo sobre um papel-toalha para escorrer o excesso de água. Em uma tigela, coloque o atum, a cebola, os pimentões e o milho e misture a maionese. Recheie os tomates e decore com coentro ou salsa. Sirva em seguida.

© sugar0607 - Fotolia.com

© sugar0607 – Fotolia.com

SALADA TROPICAL

Ingredientes:
Mix de alfaces (lisa, crespa, escura e romana)
Rúcula
1 tomate fatiado
1/4 de xícara de manga em cubinhos
5 unidades de kani kama cortados em cubinhos
1/4 de xícara de abacaxi em cubos
1/4 de xícara de azeitonas pretas fatiadas
4 ovos de codorna
Cenoura ralada

Molho:
1 colher de sopa de azeite extra-virgem
1 colher de sopa de vinagre balsâmico
Sal light a gosto

Modo de preparo:
Forre o prato com as folhas e, por cima, arrume os demais ingredientes. Em um recipiente, bata vigorosamente os ingredientes do molho e despeje sobre a salada. Bom apetite!

A healthy red quninoa salad

© MSPhotographic – Fotolia.com

SALADA ORIENTAL

“A quinoa e o shitaque garantem fibras e proteína de boa qualidade, ao lado de cenoura ralada e folhas de rúcula. Por isso, é uma salada que faz às vezes de um jantar levinho. Quer mais substância? Sirva-a com um filet bovino magro grelhado”, ensina a nutricionista Vivian Goldberger.

Ingredientes:
1 dente de alho picado
2 colheres (sopa) de azeite de oliva
8 cogumelos shitake cortados em tiras
Sal a gosto
1 xícara (café) de vinho branco seco
1 cebola roxa pequena em fatias finas
1 e ½ xícaras (chá) de quinoa cozida
2 xícaras (chá) de vagens cozidas e picadas.

Molho:
3 colheres (sopa) de molho de soja (shoyu)
2 colheres (sopa) de água
1 pitada de açúcar
Gengibre ralado a gosto
Pimenta dedo-de-moça sem sementes em tiras a gosto

Modo de preparo:
Doure o alho no azeite, acrescente o shitake e tempere com sal. Quando secar a água que o cogumelo soltar, junte o vinho e refogue por 3 minutos. Retire do fogo, disponha em uma travessa e misture com a cebola, a quinoa e a vagem. Regue com os ingredientes do molho misturados e sirva.

Diante dessas receitinhas maravilindas, não resta muito o que dizer. Bom Apetite!

Parte das receitas, via GuiaDaSemana

Flavio Gikovate – o Dr. Que Cuidava dos Corações Partidos e Afins

Fiquei um pouco triste ao saber na noite passada que o Dr.Gikovate faleceu. Ele deixou uma obra muito boa no seu trabalho incansável de tratar com as emoções e sentimentos das pessoas, principalmente no que diz respeito as relações amorosas e as relações da pessoa consigo mesma. Era muito bacana ouvir como ele com seu jeito calmo e acertivo, ia lidando com as dúvidas e angústia dos ouvintes de seu programa na rádio CBN, quando ele ao vivo apresentava “No Divã Do Gikovate“. Vai me deixar muitas saudades.

flávio gikovate

Dr. Flávio Gikovate

“Médico psiquiatra, psicoterapeuta, conferencista e escritor, Flávio Gikovate morreu nesta quinta-feira, 13, às 18h30, depois de uma curta batalha contra um câncer de pâncreas descoberto em abril. Ele estava internado no hospital Albert Einstein desde o início da semana passada. Autor de inúmeros livros que se tornaram best-sellers, ele apresentava o programa No Divã Do Gikovate, na rádio CBN, e participava periodicamente de encontros, sempre lotados, com o público na Livraria Cultura. Foi num desses encontros, em 13 de setembro, que ele apresentou seu último livro: Para Ser Feliz no Amor (Summus). Na obra, o autor analisa os aspectos que prejudicam os relacionamentos – para ele, a baixa autoestima, o ciúme, o medo de perder o ser amado, a vontade de mudar o outro. E, claro, aponta o caminho para que o casal encontre a felicidade. Confiante no tratamento, Gikovate andava cheio de planos. Dois dias depois do lançamento, no entanto, descobriu uma metástase.

Pioneiro nos estudos sobre o sexo, amor e vida conjugal no Brasil, ele publicou mais de 30 livros que já venderam, juntos, cerca de 1 milhão de exemplares. Gikovate falava sobre temas complicados de relacionamento de um jeito que todos entendiam. Daí seu sucesso.

Sua estréia na literatura foi em 1975. De lá para cá, publicou obras como O Mal Bem e Mais Além, Uma História do Amor… Com Final Feliz, A Arte de Educar, Uma Nova Visão do Amor, Ensaios sobre Amor e Solidão, Deixar de Ser Gordo, Além do Divã – Autobiografia e muitos outros. Nascido em 11 de janeiro de 1943, Flávio Gikovate se formou em medicina em 1966, na USP. Ele contava que sua grande fonte de inspiração eram seus pacientes – foram mais de 10 mil nesses 50 anos. “Escrevo o que vivo na prática. E não há melhor material de observação do que o comportamento das pessoas. Não invento fórmulas. Meu objetivo é levar conhecimento. Se isso é autoajuda, então escrevo livros de autoajuda. Não tenho medo de rótulos. O meu respaldo não é acadêmico. Ele vem do público, que compra os meus livros e gosta do que lê“, escreveu em seu site” (via Estadão)

Pra quem ainda não o conhece, segue abaixo um dos programas que ele apresentou, na íntegra: