Flavio Gikovate – o Dr. Que Cuidava dos Corações Partidos e Afins

Fiquei um pouco triste ao saber na noite passada que o Dr.Gikovate faleceu. Ele deixou uma obra muito boa no seu trabalho incansável de tratar com as emoções e sentimentos das pessoas, principalmente no que diz respeito as relações amorosas e as relações da pessoa consigo mesma. Era muito bacana ouvir como ele com seu jeito calmo e acertivo, ia lidando com as dúvidas e angústia dos ouvintes de seu programa na rádio CBN, quando ele ao vivo apresentava “No Divã Do Gikovate“. Vai me deixar muitas saudades.

flávio gikovate

Dr. Flávio Gikovate

“Médico psiquiatra, psicoterapeuta, conferencista e escritor, Flávio Gikovate morreu nesta quinta-feira, 13, às 18h30, depois de uma curta batalha contra um câncer de pâncreas descoberto em abril. Ele estava internado no hospital Albert Einstein desde o início da semana passada. Autor de inúmeros livros que se tornaram best-sellers, ele apresentava o programa No Divã Do Gikovate, na rádio CBN, e participava periodicamente de encontros, sempre lotados, com o público na Livraria Cultura. Foi num desses encontros, em 13 de setembro, que ele apresentou seu último livro: Para Ser Feliz no Amor (Summus). Na obra, o autor analisa os aspectos que prejudicam os relacionamentos – para ele, a baixa autoestima, o ciúme, o medo de perder o ser amado, a vontade de mudar o outro. E, claro, aponta o caminho para que o casal encontre a felicidade. Confiante no tratamento, Gikovate andava cheio de planos. Dois dias depois do lançamento, no entanto, descobriu uma metástase.

Pioneiro nos estudos sobre o sexo, amor e vida conjugal no Brasil, ele publicou mais de 30 livros que já venderam, juntos, cerca de 1 milhão de exemplares. Gikovate falava sobre temas complicados de relacionamento de um jeito que todos entendiam. Daí seu sucesso.

Sua estréia na literatura foi em 1975. De lá para cá, publicou obras como O Mal Bem e Mais Além, Uma História do Amor… Com Final Feliz, A Arte de Educar, Uma Nova Visão do Amor, Ensaios sobre Amor e Solidão, Deixar de Ser Gordo, Além do Divã – Autobiografia e muitos outros. Nascido em 11 de janeiro de 1943, Flávio Gikovate se formou em medicina em 1966, na USP. Ele contava que sua grande fonte de inspiração eram seus pacientes – foram mais de 10 mil nesses 50 anos. “Escrevo o que vivo na prática. E não há melhor material de observação do que o comportamento das pessoas. Não invento fórmulas. Meu objetivo é levar conhecimento. Se isso é autoajuda, então escrevo livros de autoajuda. Não tenho medo de rótulos. O meu respaldo não é acadêmico. Ele vem do público, que compra os meus livros e gosta do que lê“, escreveu em seu site” (via Estadão)

Pra quem ainda não o conhece, segue abaixo um dos programas que ele apresentou, na íntegra:

Deboísmo – Estilo de Vida

Deboismo

Achei bacana o artigo que segue:

Só para ficar um pouco mais claro gente:

Deboísmo é um estilo de vida. Ser de boa não significa ser inerte ao mundo, significa ser ponderado. É o “não se esquecer” que quem debate com você do outro lado da tela é uma pessoa, digna de respeito, assim como você.

Ser de boa não significa não debater, não significa se calar perante as injustiças. Significa não ofender as pessoas, argumentar de maneira lógica e sensata, sempre respeitando os direitos humanos.

Ser de boa significa deixar uma discussão acabar mesmo sem convencer o inimigo, principalmente se ele partir pra ofensas. Pois uma mente que está tomada pela raiva provavelmente não estará aberta a uma nova ideia.
Significa também, não se incomodar e se estressar com os pequenos problemas que a vida nos traz. Quando lidamos com um monte de problemas pequenos, fica mais fácil lidar com os grandes problemas.

O deboísta faz a sua parte para parar o que lhe aflige, ele muda o que pode para fazer a sociedade um lugar melhor, virtualmente ou não. Procura contribuir de todas as formas cabíveis, e não sofre pelo incabível.

Quem acha que ser de boa é aceitar injustiças acontecendo, o mal sendo feito, claramente não entendeu o recado.
Significa, em suma, ser de boas.

Via Deboísmo

 

“Pronta para Mudar?”

   

image

“Pronta para Mudar?”
Por Valquíria

Esse foi o questionamento feito a mim hoje enquanto fazia uma breve retrospectiva de minhas experiências amorosas.

Quem me fizera tal questionamento? Eu mesma, depois de perceber-me descontente com os resultados obtidos, mas tão difícil de entender e ouvir aquela voz que brotava do mais íntimo do meu eu, era admitir que esta sem dúvidas tornara-se a proposta mais coerente que eu me teria feito, após muitos anos de insistência e aceitações sem quaisquer perspectiva.

Sim. Era chegada a hora e agora?

Mudar não é um ato tão simples, que precise apenas de um ok para tornar-se real e o mais complicado ainda estava por vir. Mudar o que?

Foram frações de instantes até entender o que estava acontecendo, mas uma vez o telefone não tocou.

É. Afinal o que esperar das minhas indecisões e da falta de atitude?

Aquela sem dúvidas era uma manhã nada peculiar, meu coração como um cronômetro descompassado lembrava-me que o tempo não espera e que o instante a ser aproveitado é o agora.

Nunca havia ouvido tão alto e forte a vida em mim, pulsar e ordenar-me que tomasse uma nova atitude, deixando de sufocá-la em meio a tantas desculpas e porquês.

Agora já não havia como voltar atrás, a opção estava posta: era recomeçar ou recomeçar.

Fácil? Não. Mas necessário. Era o que meu eu dizia em alto e bom tom encorajando-me a sair de minha zona de conforto e aventurar-me nesta nova aventura que é escrever uma nova página de nossas vidas, deixando pra trás os vícios e mesmices que nos aprisionam e nos levam a cometer os mesmos erros e a sofrer os mesmos males.  

Chega! Essa era eu mesma, respondendo sim, na convicção que o passado suas mazelas, desacertos e desenganos não farão mais parte de minha vida, pois acima de tudo proponho-me a ser feliz, e por mais doloroso que seja eu decido: Estou pronta para mudar; meu eu, meu destino, minha vida.

image

Simplicidade como caminho

Simplicidade como caminho: Jorge Mello

Monge ordenado no Zen Budismo com o nome de Koho.

Brasileiro nascido nos pampas de Itaqui (RS), considera-se cidadão planetário e irmão de todos os seres. Há tempos trilha os caminhos do Viver Simples. Participou em 2003 de treinamento específico sobre “Simplicidade e Transformação Social” no Schumacher College na Inglaterra.

Shiatsuterapeuta, praticante e instrutor de Aikido e Yoga, formação em Terapia de Família e de Casais pelo INFAPA — Porto Alegre(RS). Treinamento em “Conflict Facilitation” em Findhorn (Escócia) e “Climate Ambassador” na Krogerup Hojskole (Dinamarca).

http://www.TEDxPelourinho.com.br

Full Bus (Ônibus Cheio)

image

Nota: Não é nada fácil andar logo de manhã cedo dentro de um ônibus cheio. O motorista vai parando em cada ponto, enchendo o espaço que há com mais corpos do que antes se achava ser possível. Em dados momentos a pressão entre os mesmos, em pé no corredor, se esforçando pra se manterem equilibrados, sofrem o que poderia se igualar a uma luta corporal injusta, tendo em vista que ambos perdem mas ainda assim fazem força pra ficar com o mínimo de conforto no pouco espaço disponível. O jogo de empurra empurra não vai dar em nada, ambas sardinhas enlatadas não conseguirão sair de suas posições comprimidas até que se chegue ao seu destino. O que se há de fazer quando dentro de uma situação como essa? No exato momento que o fato acontece, tudo motiva angústia, raiva, indignação, tristeza, toda uma gama de emoções e sentimentos dispostos a estragar o dia. Mas a resiliência ensina que devemos suportar a adversidade e chegar até o cumprimento de nosso objetivo sem sermos derrotados pelo meio do caminho. Uma boa argumentação mental ajuda nesse sentido. A mente passa a buscar na memória com auxílio da razão, palavras de ânimo baseadas na realidade por mais dura que seja. O foco passa a ser um futuro breve, logo ali no fim da viagem, que na pior das hipóteses vai demorar no máximo três horas – estimativa essa calculada pra mais, bem mais do que o que de fato acontece. Não foi à toa que Jesus ensinou: “Se te obrigarem a caminhar uma milha, caminhe duas”. Jesus estava ensinando a resiliência, treinando as mentalidades que quisessem ser mais fortes e vencedoras. A sensação de uma pessoa presa na situação de um ônibus cheio é aquela do tipo que faz parecer que a pessoa é uma derrotada e está em situação de extrema desvantagem na vida. Isso pode ser um fato, inclusive humilhante. Acontece que a aparência das coisas não deve ser a última verdade. Quando passamos a ver mais adiante, a condição da vida fora do ônibus, em liberdade de corpo não tocado pela presença de estranhos, a disposição emocional muda e podemos inclusive rir da situação. A gente passa a ver  que no passado os escravos nos navios negreiros deviam sofrer situação parecida ou pior, mas foram sobreviventes e trouxeram a esse continente chamado humildemente de Brasil, a força com a qual muito do que está de pé foi construído. Os supostos escravos de hoje em dia, diferentes dos outros têm a seu favor a possibilidade de comprar a própria carta de alforria, por meio de uma mudança de vida.  Um dos pensamentos que surgem quando em situação de dificuldade quando não somos vencidos pelo que for negativo, é: O que posso fazer pra mudar isso? Tal questionamento pode ser a semente de uma bela colheita. Pois é do viver uma dificuldade que surge a consciência dela e também pode surgir a proposta de solução para o problema. Reclamar de um problema por si só não o resolve, pode ser perda de tempo e energia de vida. Mas ficar bem disposto e aprender o que possa ser útil na dificuldade, isso faz toda diferença pra melhor.

Feederismo – Será que vira Moda?

Que delícia, cara! Mulher faz sucesso na internet se lambuzando de comida

Por

Dentro da psicologia, o fetiche é definido como a forma de encontrar prazer em certas atividades, objetos ou partes específicas do corpo. Por exemplo, quem tem fetiche por pés é chamado de podólatra.

Agora, na internet, se propaga um novo tipo de fetiche: o feederismo. Do inglês, feederism, ou a compulsão em “alimentar o seu amor”: de maneira literal! Tem homens apaixonados por gordinhas e que querem que elas fiquem cada vez maiores.

Sarah Reign é adepta do feederismo

Webcam fat girl

De olho nesse novo nicho erótico, Sarah Reign, de 26 anos, se lançou na internet como uma webcam girl. Ela se exibe para os homens comendo enormes quantidades de comidas, além de constantemente se masturbar e se lambuzar com elas. “Eu realmente gosto de comer e ninguém no meu trabalho sabia o meu segredo”, revela Sarah, que faz serviços de segurança durante o dia.

Pesando 165 kg, Sarah diz que se sentiu estranha na primeira vez que comeu em frente às câmeras. “Mas eu como muito de qualquer maneira, então achei que seria divertido fazer isso na webcam”, revela. Sarah chega a lucrar US$ 1 mil com o trabalho extra, o que a fez lançar seu próprio canal na rede.

Sarah ganhou apenas 35 kg desde que começou a prática do feederismo Apesar de aparentemente abusar da comida, ela diz que tem limites. “Alguns homens querem que eu coma até explodir, mas eu tenho vontade de continuar com minha vida ativa durante o dia”, explica. Desde que começou a carreira paralela, ela ganhou cerca de 35 kg.

Pedidos estranhos

Se você achou a história normal até aqui, está na hora de repensar. Segundo Sarah, ela atende pedidos inusitados, como, por exemplo, se comportar como uma porquinha. Ela até comprou um nariz e um par de orelhas para imitar o animal. “Eu como de forma bem bagunçada, sujando todo o meu rosto de comida”, revela.

Além disso, Sarah está começando a praticar o squashing: alguns homens querem apenas que ela se sente sobre eles. “Foi estranho no começo sentar no rosto de alguém ou sufocá-lo com minha barriga”, conta. Entretanto, a webcam girl diz que esse tipo de trabalho ela não faz nua. Ah… outra coisa que seus fãs adoram assistir é ela dando punzinhos na câmera.

Confira outras fotos da modelo fofinha:

Via EmResumo

Mais que Mel – Documentário Conscientizador

abelha

“Mais Que Mel” é um documentário e como tal se propõe a investigar uma história interessante. Nesse caso a história não é só interessante, como também é assustadora, do ponto de vista da sobrevivência humana. Há quem não goste do inseto “abelha” pois o modo como algumas abelhas se defendem quando se sentem ameaçadas é por meio de uma ferroada dolorosa. Mas além da picada (que pode ser muito perigosa pra pessoas alérgicas) e além do mel, a abelha é responsável por nossa sobrevivência em outros aspectos.

Segue abaixo o trailer do filme e uma sinopse. Pense bem antes de matar um inseto desses, de preferência deixe que ele vá embora, mas não diminua mais com o que de certa forma já estamos dizimando.

Mais que Mel

more-than-honey-poster-fr

Sinopse: Em menos de quinze anos, 50% a 90% das abelhas desapareceram do globo terrestre. Os agrotóxicos e eventuais predadores contribuem certamente para o fenômeno, mas nada justifica uma queda tão brusca no número destes insetos. O documentário investiga a responsabilidade dos homens no desaparecimento das abelhas, lembrando que sem a polinização feita por elas, até 80% das frutas e legumes podem sumir da face da Terra. Mesmo Einstein já tinha dito que sem esses animais, o ser humano sobreviveria no máximo quatro anos. Fonte: Adoro Cinema

Se Você tiver o programa Torrent, Instalado é só Clicar Aqui e baixar o filme via torrent, se ele estiver instalado. Se não sabe o que é e nem como usar o torrent, Clique aqui, e saiba como.

Via OMelhorDaTelona

Da Própria Vida

gorda chamando taxi

Se você decidir dar atenção a muito do que dizem ou pensam a seu respeito vai deixar de viver a SUA PRÓRPIA VIDA e viver a vida que querem pra ti. É engraçado que muitos dos que estão dispostos a dar opiniões ou ordens do que você deve ou não fazer na vida sequer cuidam da própria… Me parece injusto então sofrer tanto conflito entre o que realmente se é e o que os outros querem que você seja. #ViverComLiberdade

Via EuGordinha

Dos Padrões

Dos Padrões - EuGordinha

O título “Dos Padrões” fui eu quem pus na ausência de um, para o poema que segue abaixo.

Todos esses padrões
sobrevivem roubando opiniões,
impondo interpretações
Sequestram cada imaginação,
aprisionam o coração
corrompendo tuas concepções.

-Violette

 

por Larissa Paula Fernandes Carvalho

Como a Mídia Afeta as Mulheres

Como a mídia afeta as mulheres (matando-nos aos poucos)

As vezes as pessoas me falam: “você tem falado sobre isso há 40 anos. As coisas melhoraram?” E infelizmente tenho a dizer é que as coisas pioraram.

Anúncios vendem mais que produtos: eles vendem valores, imagens… vendem conceito de amor e sexualidade, de sucesso e, talvez o mais importante, conceitos de “normalidade”. Consequentemente, eles nos dizem quem somos e quem devemos ser.

Bom, e o que os anúncios nos dizem sobre as mulheres? Eles dizem, como sempre disseram, que o mais importante é como somos vistos. A primeira coisa que os anunciantes fazem é nos cercar com uma imagem da beleza feminina ideal.

As mulheres aprendem desde pequenas que devem gastar uma quantidade enorme de tempo, energia, e acima de tudo dinheiro, esforçando-se para alcançar esta imagem e sentem vergonha e culpa quando falham. E a falha é inevitável, pois o ideal é baseado na absoluta impecabilidade. Ela nunca teve linhas faciais ou rugas, certamente não há cicatrizes ou manchas. De fato, ela não tem poros. E o aspecto mais importante é que esta impecabilidade é impossível de se alcançar. Ninguém é assim, inclusive ela. E esta é a verdade, ninguém é assim.

Cindy Crawford sem e com maquiagem

Cindy Crawford sem e com maquiagem

A supermodelo Cindy Crawford disse uma vez: “eu gostaria de parecer a Cindy Crawford”. Ela não é nem poderia ser, pois esta é uma imagem criada durante anos de maquiagens e cosméticos, que hoje são facilmente feitos por retoque digital. Keira Knightley recebe um busto maior. Jessica Alba feita menor. Kelly Clarkson… bem, esta é interessante, pois diz “emagreça do seu jeito” mas ela de fato emagreceu via Photoshop.

Kelly Clarkson sem e com Photoshop

Kelly Clarkson sem e com Photoshop

Você praticamente nunca viu a foto de uma mulher considerada bonita que não tenha sido retocada digitalmente. Todos nós crescemos em uma cultura onde o corpo das mulheres são constantemente transformados em objetos. Aqui ela se torna uma garrafa de cerveja, aqui se torna parte de um videogame e está em todo lugar, em todo tipo de anúncios, o corpo da mulher é transformado em coisas, em objetos. Agora, é claro que isso afeta a autoestima feminina. Isso também faz algo mais insidioso: cria um clima em que se difunde a violência contra a mulher.

Não estou dizendo que um anúncio como este causa diretamente a violência, não é tão simples. Mas tornar um ser humano em um objeto é quase sempre o primeiro passo que se dá para justificar a violência contra ele. Vemos isto com racismo, vemos isto na homofobia, vemos isso com o terrorismo. É sempre o mesmo processo, a pessoa é desumanizada e então a violência se torna inevitável. E este passo já foi e é constantemente dado com a mulher. O corpo da mulher é desmembrado em anúncios, cortado em pedaços, apenas uma parte do corpo é focada, que obviamente é a coisa mais desumanizante que se pode fazer a alguém.

Em todos os lugares, vemos o corpo da mulher transformado em coisas, e muitas vezes, apenas parte de alguma coisa. E as garotas hoje estão captando esta mensagem tão jovens… que elas precisam ser impossivelmente lindas, quentes, sexy e extremamente magras, e também captam a mensagem que vão falhar, que não há meios para se atingir isso. As garotas costumam se sentir bem aos oito, nove, dez anos, mas quando chegam a adolescência, é como se atingissem uma parede. E certamente, parte desta parede se dá por essa ênfase à perfeição física.

Agora veja, nós temos epidêmicas disfunções alimentares em nosso país e também ao redor do mundo. Eu venho falando sobre isso há algum tempo e penso que as modelos não podem ficar mais magras, mas elas ficam cada vez mais e mais magras. Ana Carolina Reston morreu há um ano de anorexia pesando cerca de 40 quilos. E na época ela ainda desfilava. Então, as modelos realmente não podem ficar mais magras. E aí o Photoshop veio ao resgate.

Entretanto, existem exceções. Kate Winslet fez uma declaração sobre a recusa em permitir que Hollywood ditasse o seu peso. Quando a revista GQ publicou uma fotografia de Winslet, que foi retocada para fazê-la parecer drasticamente mais magra, ela afirmou que a alteração foi feita sem o seu consentimento. E ela disse: Eu não sou assim e, mais importante, eu não quero parecer assim. Posso dizer que eles reduziram o tamanho de minhas pernas por 1/3.

Então, o que podemos fazer sobre tudo isso? Bem, o primeiro passo é ficarmos em alerta e prestarmos atenção e reconhecer que isso afeta a todos nós. Estamos falando de problemas na saúde pública. A obsessão por magreza é um problema de saúde pública. A tirania de uma imagem ideal de beleza, a violência contra a mulher, são todos problemas de saúde pública que afetam a todos nós. E estes problemas apenas podem ser resolvidos transformando o ambiente.

– Jean Kilbourne

Nota: O texto transcrito do vídeo eu peguei no site VidaMinimalista

Da Discrição – Mário Quintana

Falsidade

“Não te abras com teu amigo
Que ele um outro amigo tem
E o amigo do teu amigo
Possui amigos também”
― Mario Quintana

Amor Cultivável

brad-pitt-angelina-jolie

Um dos casais mais belos do mundo esteve próximo de se separar. E nesse texto lindo de Brad Pitt sobre Angelina Jolie, fica claro que quem ama muito merece ser muito amado (a).

“Um Segredo de Amor

Minha esposa ficou doente. Constantemente ela estava nervosa por causa de problemas no trabalho, na vida pessoal, seus erros e problemas com os filhos. Ela perdeu 13 quilos e pesava cerca de 40 quilos aos 35 anos.

Ela ficou muito magra e estava constantemente chorando. Não era uma mulher feliz. Ela sofria de contínuas dores de cabeça, dor no coração e tensão muscular nas costas. Ela não dormia bem, conseguia pegar no sono apenas na parte da manhã e ficava cansada rapidamente durante o dia.

Nosso relacionamento estava a ponto de acabar. A beleza dela estava deixando-a. Ela tinha bolsas sob os olhos, cabelos desgrenhados. Ela parou de cuidar de si mesma. Se recusou a fazer filmes e rejeitou cada papel. Perdi a esperança e pensei que iríamos nos divorciar em breve… Foi então que eu decidi agir. Afinal, eu tenho a mulher mais bonita do planeta. Ela é a mulher ideal para mais da metade dos homens e mulheres da Terra, e eu o único que tinha permissão para dormir ao seu lado e abraçá-la. Comecei a mimá-la com flores, beijos e muitos elogios. Surpreendia-a e tentava agradá-la em todos os momentos. Enchi-a de presentes e comecei a viver apenas para ela. Só falava em público a seu respeito e relacionava todos os assuntos a ela, de alguma forma. Elogiei-a a sós e em frente a todos os nossos amigos.

Vocês podem não acreditar, mas ela começou a renascer, a florescer… Tornou-se ainda melhor do que era antes. Ganhou peso, parou de ficar nervosa e me ama ainda mais do que antes. Eu nem sabia que ela podia amar tão intensamente.

E então eu percebi uma coisa: ‘A mulher é o reflexo de seu homem’ Brad Pitt.

Indomável Diante da Vida

Nick-vujicic-surfandoJá tive o prazer de ver uma árvore que cresceu sob o rigor do vento. Ela se entortou um pouco ao longo dos anos para cumprir a sua missão de ser grande e forte. Na sua estrutura aparente ficou marcada a luta por um “propósito” interior que era muito maior do que as adversidades ao redor. Sei que a árvore não é um ser pensando como o ser humano. Se ela pensa ou não deve fazê-lo da sua forma. A questão que ela me trouxe à tona foi o exemplo de algo vivo que se esforça pra cumprir o que veio a fazer no mundo. Assim também devemos ser nós.nick_vujicic trabalhando

Ontem tive a grata surpresa de conhecer o texto de Nick Vujicic. Eu já o tinha visto num vídeo do Youtube, compartilhando a sua vitória na vida quando ele fracassou em uma tentativa de suicídio. É muito tocante ver quando uma pessoa chega ao fundo do poço e de lá consegue impulso pra subir bem mais do que a superfície. É muito bom ver quando alguém descobre que tem asas.

Ao longo do livro ele vai compartilhando reflexões sobre algumas verdades da vida, coisas que todo mundo deveria saber pra ser mais feliz consigo mesmo. Leitura agradável e fluída, parece mais uma conversa com o leitor. Nem dá vontade de parar enquanto lemos. Sendo que em alguns momentos a leitura pede uma pausa pra reflexão e também rende umas gostosas risadas com situações pra lá de engraçadas. É um livro de leitura fácil, linguagem simples e conteúdo profundamente inspirador. Super indico a leitura desse que é o segundo livro de Nick. Fala sobre o quanto nós também podemos ser indomáveis em nosso propósito de ser o que Deus nos fez pra sermos.

Indomavel - Nick Vujicic

Trecho do livro: 

Você tem uma escolha. Pode ou não acreditar. Mas se você acreditar – no que quer que você acredite – deve agir de acordo. Senão, por que acreditar? Você pode ter enfrentado problemas em sua carreira, relacionamento ou saúde. Talvez você tenha sido maltratado, abusado ou discriminado. Todas essas coisas que lhe aconteceram definem você e sua vida se você não agir para se definir. Você pode acreditar nos seus talentos. Pode acreditar que tem amor para dar. Pode acreditar que é capaz de superar sua doença ou deficiência. Mas esta crença em si não trará uma mudança positiva para sua vida.

Nick-Vujicic Palestrando

Descrição do livro

Apesar de ter nascido sem braços nem pernas, Vujicic não deixou de desfrutar de grandes aventuras, desenvolver uma carreira compensadora e viver significativos relacionamentos amorosos. Nick Vujicic consegue superar as provações e dificuldades de sua vida ao concentrar-se na certeza de que nasceu com um propósito único e relevante. E não importa o quanto tudo pareça, às vezes, desesperador e difícil, Nick continua a acreditar, porque ele sabe – seu poder é desencadeado quando a fé entra em ação. E essa experiência de fé, essa certeza de que a dificuldade está aí para ser superada, pode ser conquistada por qualquer pessoa que realmente queira ter uma vida inacreditavelmente maravilhosa. As adversidades do mundo moderno como – problemas de relacionamento; desafios da carreira e do trabalho; preocupações com a saúde; pensamentos autodestrutivos e vícios; bullying e intolerância são infortúnios que podem ser descartados. É realmente possível conquistar o desejado equilíbrio entre corpo e mente; coração e espírito. Mas essa é uma conquista que demanda know-how; um conhecimento que Nick Vujicic tem de sobra – e está disposto a compartilhar.

Nick-Vujicic Casamento

Fabiana Karla

Não é a primeira vez que eu falo dessa atriz que consegue tirar de mim muitas risadas quando decide encarar personagens cômicos. Ultimamente na novela “Amor à Vida”, ela não deixando o lado cômico de lado também tem investido no dramático – o que não é novidade para quem pode assistir à peça “Gorda” quando a mesma esteve em cartaz.

Continuar lendo

Tarefa do Dia: DESCOBRIR MAIS UM TALENTO

Cratividade EuGordinha

Todos somos dotados da capacidade de fazer algo bem. Essa é a nossa especialidade. Seja na criação, na cópia, no aperfeiçoamento. No falar, agir, dançar, pintar, escrever, seja algo artístico ou administrativo, técnico ou científico, todos temos os nossos talentos e quanto mais os colocarmos em prática mais FELIZES corremos o risco de ser.

Paixão Emagrece & Amor Engorda

Dica de leitura:

livro sonia hirsch

Trecho do livro “Paixão Emagrece, Amor Engorda” de Sonia Hirsch

“No início, a paixão emagrece. Ainda que o exercício seja só desfolhar o malmequer, ou apertar o celular com força, o coração dispara tanto que qualquer coisinha vale por 10 aeróbicas. E a verdade é que paixão recém-nascida é melhor que qualquer comida.

Seu apetite só pode ser saciado por coisas que não engordam: pele roçando na pele, mão esbarrando na mão, olhares que dizem tudo, beijos suspensos nos lábios. Muitas dúvidas – será que é paixão correspondida? Estará mesmo livre aquele coração?

O sono diminui, a adrenalina corre proporcionando reflexos rápidos, os olhos brilham. Dançar, cantar, dar risada, tudo o que é bom fica fácil. E o corpinho? Afina. Cada suspiro consome 100 calorias.

Até que, de repente, o desejo se realiza. Bem-me-quer, bem-me-quer! As bocas recheadas de beijos, a vida uma roda-gigante, comer para quê se o bom é amar, amar, amar? Noites movimentadas e dias à espera das noites: desnecessário também dormir. O sonho já virou vida e a vida virou estar junto. O resto se ajeita entre um encontro e outro, um telefonema e outro. Se não me engano foi Freud quem disse: paixão são dois náufragos agarrados na mesma tábua. Magros.

Aí, passado algum tempo, a paixão começa a se transformar em amor. Nossos náufragos chegam à segurança da ilha e resolvem cuidar juntos da vida, construir uma cabana e arranjar coisas para… comer. Afinal, eles merecem! Conquistaram o coração um do outro, isso não acontece todo dia, e tome celebração. É café na cama aqui, almoço ali, ceia acolá, uma viagem de férias cheia de comidas típicas, bebidas deliciosas, sobremesas fartas, e o prazer da intimidade matinal se prolonga até mais tarde, abrindo o apetite para novidades. Que a novidade já não é o outro, mas tudo o que se faz junto, tudo o que se gosta, tudo o que se adora. E pode haver algo mais adorável, excitante e gratificante do que descobrir que se gosta da mesma comida?

O amor come, o amor cozinha. O amor chama o amor de minha doçura e dá chocolates caros de presente. Compra vinhos, queijos e outras delícias. Comemora na mesa os sucessos da cama e o passar dos dias, dos meses, do ano – já um ano? Então, festa! Alegria, alegria! E assim o amor engorda.

O amor que engorda põe um olho no espelho e outro no outro, pra ver se engordaram os dois. Bingo. Bochechinhas, pneuzinhos, a cintura apertada pedindo discretamente para desabotoar o jeans… E aí, de duas, uma: ou vão ambos malhar na academia ou começam a chegar com umas roupinhas novas, larguinhas, mais confortáveis para ficar em casa, grudadinhos, vendo filmes e comendo pipoca.

Os da academia renovam a vida, se animam para um spa, resolvem caminhar de manhã e pedalar aos domingos; conhecem pessoas novas e de repente até se apaixonam de novo um pelo outro. Ou por outros.

Os das roupinhas largas, cada vez mais largas, em breve vão precisar de afrodisíacos. Ostras, lagostas, caviar, fígado, rins, testículos e miolos têm reputação de dar muita energia sexual. Temperos como pimenta, canela, noz-moscada, cravo, açafrão, baunilha e gengibre estimulam a circulação, portanto podem auxiliar o sangue a chegar mais abundantemente às zonas prazerosas. Champanhe tem fama de liberar a libido mais do que qualquer outro vinho, e alguns alimentos são tidos como realmente excitantes: aspargo, aipo e alho-poró por causa da forma, faisão e pombo pelo arroubo amoroso.

Um menu afrodisíaco citado pelo Larousse Gastronomique, a quem interessar possa: sopa de tartaruga com âmbar gris, linguado à moda normanda, filé de rena com creme de leite, pombo jovem assado, aspargos ao molho holandês, salada de agrião, pudim de tutano, vinhos do Porto e bordeaux, e finalmente café.

Se funciona, não se sabe; mas que engorda, engorda.”

Das Relações Virtuais e Seus Percalços

Quão doce e amarga pode ser a distância que o mundo virtual proporciona...

Quão doce e amarga pode ser a distância que o mundo virtual proporciona…

Talvez os relacionamentos virtuais, à distância, funcionem melhor quando as pessoas já se conhecem pessoalmente, quando as pontes já foram feitas na vida real, antes de entrar na vida virtual. Nota: Quando digo “vida real” trato da vida na qual vivemos sem dispositivos eletrônicos e sem internet; a vida virtual é aquela filtrada pelos dispositivos e pela disponibilidade de algum tipo de internet pra fazer a conexão.

Viver a vida real é bem melhor apesar de todas as costumeiras limitações. Não estou falando mal dos relacionamentos virtuais com intuito de desestimular as pessoas a respeito disso. Eu respeito a vida virtual tanto quanto a vida real – não querendo dizer que a virtual não seja real. Mas a realidade da vida virtual, e mais especificamente dos relacionamentos virtuais, pode ser muito difícil – talvez um tanto mais do que os relacionamentos reais. Sei que alguns me dirão: a dificuldade está nos relacionamentos em si, virtuais ou não. É verdade, temos sido muito complicadinhos, nós seres humanos. Os meios virtuais só intensificam isso.

O ver fotos, e ler estados emocionais ou fatos cotidianos na vida de quem nos toca por dentro de alguma forma, suscita uma multidão de emoções que de vez em quando se cristalizam em algo mais palpável mesmo sem ser, os tais sentimentos. Um sentimento é como se fosse a emoção cristalizada; é como se um sentimento fosse um diamante, o diamante formado de uma emoção lágrima derramada. Será que estou conseguindo ser claro nas minhas comparações? Por mais efêmera e frágil que a vida virtual seja, ela é tão real quanto a outra.

A intensidade com a qual algumas emoções podem surgir é ao mesmo tempo algo que pode ser agradabilíssimo e ao mesmo tempo muito desgastante. Ansiedade, saudade, ciúme, afeto, carinho, tesão, preocupação, amor, paixão e tudo isso que rola em relacionamentos pode acontecer em proporções surreais – #SQN (Só que não) é surreal, é tudo muito real. A (des)vantagem da vida virtual é que a dor está relativamente fácil de ser eliminada quando pensamos na possibilidade de deletar o que nos cause mal, bloquear ou excluir o que venha se tornar um problema. Fica valendo o dito: “Longe dos olhos, longe do coração”. Ai a gente corre o risco de banalizar as emoções e sentimentos e consequentemente um aspecto da vida muito importante. Porque parte de nós é emocional e não apenas conceitos e ideias racionais e lógicas.

É difícil manter contato o tempo todo com quem gostamos procurando transmitir tudo o que sentimos quando a vida meio que impõe certas obrigações. Eu odeio, por exemplo, uma frase que tem suas variações mas diz mais ou menos assim: “…quem realmente se importa dá um jeito, se esforça e tal pra dizer o quanto você é importante”. É fato que nem todos se expressam na mesma velocidade e ritmo que a vida virtual insiste em nos impor como se fosse esse o ritmo natural da vida. Hoje em dia não é tão fácil acharmos pessoas com as emoções amadurecidas, em termos de saber lidar com ansiedades e reconhecendo a diferença entre o que realmente é fugaz do que pode durar. Vive-se o “que seja eterno enquanto dure”, o “se permita”, o “se joga” e veja o que acontece. Assim como as conexões ultra rápidas, quer-se um amor (ou melhor uma relação seja de qual tipo for) que aconteça expressamente. Quer-se que após uma conversa de poucas horas toda a vida seja desvendada a tal ponto de dar condições ao outro de decidir ser o homem ou mulher da sua vida, vindo satisfazer todas as suas vontades e anseios. Os meios virtuais nos passam a ilusão de que tudo o que precisamos para vida está disponível e ao nosso alcance, só cabendo a nós agir de maneira tal a conseguir. Alguns de nós, estão se coisificando na tentativa de ter o outro como sua coisa, sua propriedade particular e íntima, sua satisfação.

Estou meio que desabafando, sim. Tenho meus percalços virtuais, profundos ou não, em termos de vida emocional, sejam nas amizades ou em algo mais sério. Quem não tiver tido problemas com uma palavra mal interpretada, uma ausência por motivo de trabalho, estudos, doença ou falha na conexão ou ausência dela por situação geográfica ou financeira… que atire a primeira pedra. Hoje em dia, em meio as atividades que temos de fazer pra conseguir o tal $ que nos garanta o pão de cada dia, em algumas situações, alguns relacionamentos nossos ficam prejudicados (tanto os virtuais, os distantes, como os próximos). A vida tem ficado aparentemente muito corrida, a mudança das coisas têm nos empurrado pra fora de uma linha mais suave de vida. É por isso que eu gosto de refletir sobre as coisas, pensar nelas como se fossem objetos os quais você pode pegar e olhar, mudar de lugar, ver onde melhor se encaixam, pra fazer a vida valer a pena. Mas nem sempre o tempo de resposta é adequado – nem sempre dá tempo de corresponder a tudo o que a vida aparentemente requer de nós… e as pessoas também… Não dá pra agradar a todos o tempo inteiro, não dá pra se agradar a si mesmo o tempo inteiro. No caminhar da vida, no se relacionar consigo mesmo e com os outros, (seja virtualmente ou não), há percalços. Deixo então um aviso aos caminhantes…

Santo Encalhamento

Só pra se ter uma ideia, o negócio que essa chinesa montou motivada pelo seu sofrimento entrou na lista dos 25 mais poderosos negócios da China.

Só pra se ter uma ideia, o negócio que essa chinesa montou motivada pelo seu sofrimento entrou na lista dos 25 mais poderosos negócios da China.

Sempre há uma coisa boa por trás de tudo de ruim que nos acontece, sempre, sempre! Eu digo isso pra todo mundo que quiser ouvir e ler, porque tenho visto isso com uma frequência de 100%. Pode ser que não consigamos enxergar logo de cara, mas a lição de algo bom aparece e com o tempo nos acostumamos a buscar o que tem de bom nas coisas ruins que nos acontecem.

Não foi diferente na vida de Gong Haiyan, a chinesa que já sofreu com o que chamamos de “encalhamento”. Ser ou estar encalhada ou encalhado é ficar como os navios nessa condição, sem um (a)mar onde se navegue a dois, é estar sozinho mas não por escolha própria… por algum motivo qualquer e ainda por cima sofrer com isso. Acho que encalhamento só é encalhamento quando se sofre com isso. Conheço pessoas que vivem o estado de solteirice com muito gosto e não se importam com as pressões sociais, familiares e culturais lhes dizendo que é preciso ter alguém pra ser feliz. Ei!! Somos nós quem temos de decidir estar com alguém ou não.

Fato é que Gong Haiyan, conseguiu virar a seu favor algo que tinha sido motivo de sofrimento. Compartilho a história dela por achar que serve de exemplo pra muitas meninas que ficam sofrendo com as circunstâncias da vida. Sou tremendamente a favor de que não precisamos ser vítimas do que nos faça sofrer. Sempre podemos mudar a nossa história para algo que queremos de bom e viver o melhor da vida com isso.

 Gong Hayan chegou a se cadastrar em um site, mas descobriu que a empresa havia roubado perfis dos concorrentes AFP

Gong Hayan chegou a se cadastrar em um site, mas descobriu que a empresa havia roubado perfis dos concorrentes AFP

Criado por ‘encalhada’, site de namoro na China já tem 100 milhões de usuários

Governo estima que haverá  24 milhões de homens “deixados de lado” até o fim desta década

Embora a figura do “casamenteiro” exista há mais de 2.000 anos na China, Gong Haiyan, a “cupido número um” do país transformou a atividade em um negócio surpreendente.

Quando tinha 25 anos, por se achar “encalhada”, Haiyan decidiu criar um site de namoro. Uma década depois, a página tem 100 milhões de usuários e já é listada na bolsa de valores eletrônica de Nova York.

— Eu já tinha mais de 25 anos e pelos padrões chineses eu era uma mulher “encalhada”. Minha mãe e meu pai ficavam insistindo para que eu me casasse.

Pressionada, ela decidiu pagar 500 RMB (cerca de R$ 182) para se inscrever em um site de namoros. Mas não recebeu resposta alguma e pouco depois descobriu que a empresa havia roubado perfis de sites concorrentes.

— Eu pedi meu dinheiro de volta. Mas quando pedi para ser reembolsada eles riram da minha cara.

Funcionários do site de namoro disseram a Gong que ela “não tinha nenhum charme ou beleza” e que “homens bem sucedidos não se interessariam por ela”.

Revoltada, a chinesa resolveu transformar a humilhação em uma grande ideia. E mal sabia que, anos depois, além de arranjar um marido, ficaria famosa no país inteiro e ganharia muito dinheiro com seu novo negócio.

Raiva e superação

— Fiquei com muita raiva, e perguntei a uma amiga minha quanto custaria para criar uma página na internet e abrir meu próprio site de relacionamentos.

Assim como o Facebook, o site de Gong foi criado no quarto de sua residência universitária e a primeira pessoa a criar um perfil foi sua melhor amiga, uma colega de faculdade, ainda em 2003. Quatro dias depois, ela convenceu a segunda pessoa a se inscrever.

Dez anos depois, o site Jiayuan.com, que em tradução livre significa “Lindo Destino”, tornou-se uma empresa de grande sucesso, com escritórios em diversas cidades chinesas e mais de 100 milhões de usuários inscritos.

Para se ter uma ideia do bom desempenho, em maio de 2011 a companhia passou a ter suas ações negociadas na Nasdaq, a bolsa de valores eletrônica de Nova York, tornando-se o primeiro site de namoro chinês a ser listado no mercado financeiro fora do país.

Marido

Mas além de fama e riqueza, o site trouxe a Gong o que seus pais tanto queriam.

Ela diz que não se importava com riqueza material.

— Eu estava procurando por alguém inteligente, de bom coração e saudável.

Seis meses após sua criação, o Jiayuan.com colocou a jovem em contato com um cientista que estuda moscas de frutas.

— Eu pedi que ele fizesse um teste de QI, e ele obteve cinco pontos a mais do que eu.

Ela acabou se casando com Guo Jian Zeng três meses depois e hoje em dia eles têm uma filha de quatro anos.

O chinês chamou a atenção por seu calor humano e vontade de ajudar os outros, desde parentes até estranhos na rua, mas foi a foto em seu perfil que saltou aos olhos de Gong.

— Ele estava usando uma camiseta e era possível ver que ele era bem musculoso, e até tinha ganhado uma competição de iron man em sua academia.

Tradição milenar

Apesar de estar se utilizando de novas ferramentas, Gong não inventou nada novo em seu país, onde a tradição do “casamenteiro” existe há mais de 2.000 anos, desde a dinastia Zhou.

Antigamente, cada vilarejo contava com uma “Mãe Vermelha”, uma mulher nativa encarregada pelas famílias de achar os parceiros ideais para seus filhos e filhas. Mais tarde, políticos locais e chefes de grandes fábricas desempenharam a função.

Mas os tempos mudaram.

— Para imigrantes que vieram do interior, como eu, é quase impossível contar apenas com as antigas redes de contatos para encontrar um marido. Quando eu cheguei em Xangai não tinha parentes nem amigos na cidade.

Ela também explica que a diferença entre homens e mulheres é um motivo de crescente preocupação no país, onde a política do filho único, implementada desde os anos 1980, fez com que as famílias preferissem ter mais filhos homens do que mulheres.

O cenário levou o país a ter atualmente uma das proporções de gênero mais desequilibradas do mundo, com 118 homens para cada 100 mulheres — e há chances de que venham a haver cada vez mais “encalhados” do que ‘encalhadas’ na China.

Projeções e desequilíbrio

De acordo com projeções do governo, até o final desta década haverá 24 milhões de homens “deixados de lado”, ainda em idade de se casar. E há acadêmicos que apontam que entre 2020 e 2050 cerca de 15% dos homens chineses simplesmente não terão conseguido encontrar uma mulher.

— Na minha cidade na província de Hunan já estamos vendo este problema. Muitos homens de 40 e 50 anos foram solteiros durante toda a vida e desistiram de encontrar alguém para se casar.

Para ela, a ascensão econômica do país também gera expectativas mais altas, e com isso maiores decepções.

— Há um desequilíbrio de informação — a pessoa que você está procurando existe, mas você não sabe onde encontrá-la. Por outro lado, por estar buscando um parceiro tão ideal, a pessoa que de fato possui as qualidades que você procura pode não retribuir seu amor.

Via R7

Cuidado com os “Efeitos Especiais”

Muito do que na vida nos acontece de ruim pode ser mero ponto de vista. Eu sei que a dor que experimentamos é REAL. Só quem sente sabe onde e como dói, seja físicamente e principalmente emocionalmente. Às vezes a sensação que nos dá é a de que estamos numa guerra onde bombas explodem para tudo quanto é lado, tiroteios imprevistos e temos de nos ver procurando refúgio ou tendo de atacar algum inimigo. Pensando nisso eu parei pra refletir no quanto nós podemos ser “enganados” pelas circunstâncias exteriores ou suposições e impressões interiores, diante de alguns problemas da vida, diante de algumas dores. É bom refletir sobre as coisas que a gente vê, ouve, lê por ai. Estive lendo a matéria abaixo e refletindo sobre o assunto de nossas guerras interiores. Espero que possa trazer alguma luz aos que ainda hoje conseguem refletir.

A tropa de artistas que enganou Hitler na Segunda Guerra Mundial

A história dos soldados norte-americanos que usavam tanques infláveis e efeitos sonoros para espantar os inimigos
Rick Beyer/Hatcher Graduate Library

O tanque inflável usado pelo exército dos EUA para enganar Hitler durante a Segunda Guera Mundial

Mais uma daquelas histórias impressionantes da Segunda Guerra Mundial que virou documentário: era junho de 1944 quando dois franceses desavisados entraram no perímetro de segurança da Vigésima Terceira Tropa de Forças Especiais dos EUA e viram, incrédulos, quatro soldados norte-americanos carregando um grande tanque de guerra. Um dos soldados, diante da cara dos franceses, apenas respondeu: “Os americanos são muito fortes.”

No entanto, não se tratava da força dos soldados, mas da leveza do tanque que era, na verdade, feito de borracha inflável. Este episódio foi documentado numa pintura (logo abaixo) por um dos soldados da tropa, que era mais conhecida como The Ghost Army (o Exército Fantasma). O grupo, que desembarcou na França no verão de 1944, foi recrutado em faculdades de arte e em agências de publicidade e tinha como principal arma a criatividade. Sua missão? Enganar as tropas de Hitler.

Arthur Shilstone

Pintura do soldado Arthur Shilstone retrata o episódio dos franceses pasmos com a força dos americanos

John Jarvie

Pinturas feitas no tempo livre documentavam a rotina dos soldados

Além dos retratos da guerra que faziam esporadicamente nos tempos livres, o exército fake tinha vários recursos para espantar os soldados alemães: artilharia de borracha, efeitos sonoros e falsas transmissões de rádio faziam a tropa de artistas parecer um grande exército pronto para o ataque. Foram mais de 20 missões — algumas bastante perigosas — na França, Bélgica, Luxemburgo e Alemanha em que a capacidade de atuação dos soldados era o que lhes garantia a vida. Dentre os cerca de 1.100 jovens do grupo estavam o designer de moda Bill Blass, o fotógrafo Art Kane e os pintores Ellsworth Kelly e Arthur Singer.

A “arte da guerra” feita pelos soldados fantasmas exigia muito mais do que apenas carregar os aparatos de borracha e incluía um verdadeiro trabalho cênico para despachar homens em caminhões e ficar dando voltas, aparentando a chegada de uma grande tropa; frequentar cafés franceses para espalhar fofoca entre os espiões que poderiam estar no lugar e visitar cidades vestidos de generais. Estima-se que o Exército Fantasma tenha salvado muitas vidas e sua atuação foi importante para a vitória dos Aliados no ano seguinte.

resources-Sonichalftrack-thumb-570x458-122294

Alto-falantes imitavam o barulhos de grandes unidades de infantaria

resources-colordummy-thumb-570x385-122296

National Archives

O diretor de cinema Rick Beyer contou que soube da história acidentalmente, em um café, ficou maravilhado e tratou de procurar e entrevistar os dezenove veteranos da tropa que ainda estavam vivos. O resultado está no documentário The Ghost Army, que foi lançado nessa semana na rede de televisão estadunidense PBS. Dá pra ver o trailer abaixo:

o artigo foi retirado de OperaMundi

acantose nigricans

acantose nigricans - EuGordinha

SE VER ESSA MANCHA NA PELE SAIBA QUE :
Esta Mancha não é sujeira, ou desenvolvidos por falta de higiene! Neste marca é conhecida como acantose nigricans.

Você pode ver no pescoço, face, testa, axilas, entre as pernas e outras partes do corpo.
É uma marca na pele que os sinais de altos níveis de insulina no corpo.
Ele tende a ser confundida com uma mancha de sujeira ou fuligem, mas isso realmente indica que o corpo está resistindo a insulina que o corpo produz.
Como resultado, o pâncreas produz mais insulina e, eventualmente, desenvolver diabetes (principalmente de tipo 2).
Ela pode desaparecer com mudanças simples no estilo de vida e moderada redução de peso (em muitos casos).

Compartilhe as informações com seus amigos para que todos nós aprendemos com as gotas de conhecimento!

OBS: Não zombar da próxima vez que o seu amigo / ou membro da família, porque agora você sabe o que isso significa. Em vez de fazer o divertimento de que a pessoa agora pode aconselhar.

via Biostar