Liberdade de Ser

Liberdade de Ser - EuGordinha

“É muito bom quando você conquista a liberdade de ser quem você é realmente independente do que os outros dizem ou pensam. Quando isso acontece parece que toda a vida de antes foi de uma outra pessoa. Mas quando você percebe que ainda existem algumas dores, pequenas feridas ainda frescas precisando de tratamento e cicatrizes que já não doem mas só fazem lembrar de batalhas que você já enfrentou; ai, então, você vê que você é quem realmente é e ainda tem uma porção de coisas pra conquistar.” (D.Nair – no romance EuGordinha)

Solidão

Tem hora que parece que todo mundo sumiu, foi embora, desapareceu. A sensação que a gente tem é de que fomos esquecidos, não temos muito valor, pouca importância. Mesmo com as redes sociais ajudando a nos conectar com os conhecidos e fazendo novos amigos, ainda assim a bendita/maldita aparece… solidão.

Tem hora que a gente percebe que tem vício na presença dos outros, as companhias agradáveis se fazem tão presentes e necessárias. Mas tem hora que elas não são o bastante. Nos decepcionam, ferem, ignoram, machucam. Dá vontade de sumir e ao mesmo tempo, se agarrar mais forte aos que nos são tão úteis.

Tenho percebido que a vida nos oferece esses momentos de solidão pra que a gente aprenda a lidar com a gente mesmo. É no meio da temida solidão que a gente se descobre e se faz mais forte – sem necessariamente embrutecer o coração.