A Dor como Hábito

Sentir dor é ruim – eu poderia dizer isso categoricamente e todos poderíamos ser unânimes em concordar. Certo? Errado! Mas como assim? Podem acabar me perguntando. Ai eu lembro que no mundo há pessoas que gostam de sentir dor. “50 tons de Cinza” e cia mostram no sucesso de bilheteria e vendas de livros que os temas que giram em torno do BDSM tornaram o assunto da dor associada ao prazer como sendo algo não tão fora do comum assim e até aceitável e compreensível como sendo uma de nossas facetas humanas. Ok, podemos entender que a porcentagem das pessoas que gostam de experimentar dor é uma parcela pequena da população mundial. Mas existe e não pode ser desprezada se quisermos saber da realidade. Nem vou perder tempo pesquisando sobre isso agora. Existem os masoquistas, sim. Existem os sadistas. Existem as relações sadomasoquistas, onde um gosta de fazer sofrer e o outro gosta de sofrer a dor. E estou falando ainda das dores físicas, as que podem ser sentidas no corpo com consentimento entre as partes. Mas e quando a dor é infligida na alma, sem o consentimento de quem sofre?

Estou lembrando de situações de bullying. Antigamente nem tinha esse nome, era só zueira mesmo, brincadeiras de mal gosto pra quem sofria e só uma brincadeira mesmo pra quem fazia. Escárnio, zombaria. Há um salmo na Bíblia que diz:“Bem aventurado o que não se assentar na roda dos escarnecedores”. É engraçado que eu, quando era adolescente ainda, li esse trecho e reconheci a rodinha de colegas na escola que se juntavam pra zuar com a cara daqueles que por algum motivo era diferentes, não estavam na moda, ou tinha o nariz grande, eram magros demais ou altos ou baixo ou gordos e gordas. Antes mesmo de ter lido o conselho bíblico eu já tinha decidido que não me juntaria com aqueles que falavam mau dos outros, só porque estavam em maioria na hora de fazer um acordo do que julgavam aceitável ou não. Decidi isso porque tive a sorte de me notar bem diferente do que os colegas da escola eram, eu mesmo podia ser considerado um alvo fácil deles, mas por alguns motivos passava meio que despercebido. Haviam outros alvos mais fáceis pra sofrer bullying. Por outro lado, eu sendo negro, pobre, brasileiro (o Brasil é um puto de um país hipócrita que ainda tem muito racismo e preconceito entranhado na carne que nem cor branca ou negra tem de fato. Somos quase todos mestiços por aqui, quase ninguém conseguiu se manter dentro de uma linhagem pura pra poder apontar pra o outro e se dizer melhor do que o outro por motivos… étnicos? Sério mesmo que a cor da pele, tipo de cabelos ou tipo de corpo deveria mesmo ser um motivo pra nos diferenciarmos como melhores ou piores? To me dando conta do tanto que esse tipo de pré-conceito ou conceituação é tão absurdo e ridículo!). Enfim, por vários motivos tive como sentir na pele a dor do bullying, do racismo, do preconceito dos outros e de mim pra comigo mesmo. Graças a Deus não durou tanto o quanto que me fizesse ficar anestesiado e cego.

Sim, a dor prolongada, emocionalmente pode nos cegar de certa forma. A gente acaba por se acostumar com a dor que nos é inflingida por um tempo considerável. Ficamos condicionados a viver com a dor, deixamos de viver certas coisas por causa dela. Passamos a pensar e agir modelados dela dor. Como a história do elefante que tinha um espinho no pata e por causa disso não pisava no chão com todo peso que tinha e por conta disso andava muito diferente dos outros. Tem muita gente no mundo que anda torto porque tem um espinho na pata emocional.

Falta de amor pode nos causar dor emocional. Solidão, sentimento de menos valia… auto estima inexistente ou muito baixa. Não ter recebido amor de quem deveria nos dar quando nascemos, nossos pais, pode nos causar prejuízos no longo prazo. E pra quem quiser concordar comigo e quiser uma solução rápida eu logo adianto que culpar os nossos pais não resolve o problema. A maioria das vezes que eu já vi esse tipo de coisas acontecendo é porque os nossos pais também não receberam amor dos pais deles de maneira adequada. Entre achar culpados pelas dores que sentimos hoje e buscar tratar com elas agora pra que vivamos bem de hoje em diante, eu prefiro a segunda opção.

Estou me prolongando nesse texto, em tempos nos quais as pessoas não têm muita paciência pra ler ou mesmo acham que têm pouco tempo pra viverem suas vidas tão longas e tão cheias de compromissos altamente significantes, altamente recompensadores e produtivos em termos de alegria. Desculpe, meu querido leitor ou querida leitora, se você chegou até aqui e não achou o que queria. O que você queria de fato? Posso dizer o que eu quero. Quero que a sua dor de anos a fim seja extinta. Se for o caso de você ter dentro de seu coração uma dorzinha de estimação, que você vem alimentando e cuidando dela fazem anos, é hora de acabar com isso. Se enquanto você foi fazendo a leitura acabou por perceber alguma dor ai dentro de você, uma dor antiga que ainda incomoda, é hora de retirarmos esse espinho. Ter percebido é o primeiro passo. Querer se livrar disso é o segundo. O tratamento já começou se assim for. Vou terminar o texto por aqui, mas voltarei nesse assunto. Pois é muito importante.

Forte abraço aos que considero vencedores por ainda estarem na luta!

Anúncios

Dar a Volta por Cima

Amei esse texto da Gordivah, por isso o compartilho aqui:

GordivahEu vou contar um segredinho sobre mim: eu nem sempre me amei. Eu já me odiei, já tive fases de fugir de espelhos, de ficar chorando em cima de uma cama com depressão, já tive vergonha até mesmo de jogar o lixo fora na lixeira do corredor do prédio onde moro por medo de dar de cara com algum vizinho e escutar que eu tinha engordado mais…já ouvi do cara que eu namorava que eu estava engordando e devia fechar a boca, já ouvi do cara por quem eu era apaixonada “se você emagrecer eu fico com você”, já fui chamada, aos berros, de baleia em pleno carnaval, já fiquei entalada em roleta no ônibus, já sofri perseguição em família, gordofobia no trabalho, esporro de “amigos”, já ouvi e passei tanta coisa por ser assim como sou, tanto ódio e intolerância que eu costumo dizer que infelizmente eu recebi uma amostra grátis do Destino de tudo de ruim que a humanidade pode oferecer.
E com propriedade eu posso te contar um segredo pra ser feliz e se libertar do peso da opinião alheia: IGNORE a opinião dos outros sobre você, entenda que o que pensam sobre você não te define! Você não é uma imagem criada por mentes preconceituosas, fúteis, narcisistas e pequenas! Você é uma pessoa única, incrível, impossível de ser copiada, clonada em sua perfeição. A sua maneira de olhar, sorrir, o modo como você ajeita seu cabelo, a cara que você faz quando fica brava, seu jeito de sorrir, tudo isso é impossível de replicar e copiar com perfeição.

Ninguém pode fazer melhor que você mesma o papel de ser você, porque sua essência, sua alma é que são a cereja do bolo. Você é tão linda e perfeita, como pétalas de flores que são únicas, embora de existência tão passageira.
Você não precisa da validação de ninguém pra saber que é bela, pra elevar sua autoestima. Você será linda, estonteante quando decidir ser assim, quando decidir enterrar o preconceito e ódio que até então nutria por si mesma!

Liberte-se dos grilhões dos padrões! Olhe menos paras as capas photoshopadas nas revistas e mais para si mesma, aprecie sua imagem no espelho, mime seu corpo com óleos perfumados, cremes, loções, esfoliantes, qualquer coisa que demonstre cuidado e carinho. Cuide do seu corpo por inteiro como cuida
de seus cabelos. Você não é uma peruca pra só cuidar de fios de cabelo, mas sim uma mulher por inteiro!
Pare de de só cuidar dos cabelos e só tirar fotos de rosto! Assuma-se! Revele-se para o mundo! Seja você mesma! E só aí você será plenamente feliz e não apenas em partes” por Claudia Rocha GorDivah

se sentindo totalmente apaixonada por mim mesma.

Bullying Reverso

Bullying Reverso - EuGordinha

– Amiga, é igualmente ruim dizer pra uma menina magra que ela não é linda por não ser gorda… assim como é ruim falar pra uma gorda que ela não é bonita por não ser magra né?
– É sim.
– Ok então. Vou parar de fazer bullying com as magrelas… quando vierem pra mim eu vou dizer que elas são lindas mas eu prefiro as gordas. 😛
– 🙂

(Da Série “Diálogos Possíveis”)

Bullying Nunca Mais

Uma resposta às agressões que as gordinhas sofrem nas redes sociais.

Muito proveitoso o vídeo de Marluci.

Via MarluciBrasil.wordpress

Cuidado com as Palavras – Versão Plus Size

[Clique nas imagens kkkkk]

Pai:
– Você cortou o cabelo da sua amiga por que ela te chamou de gorda?!
Filha:
– A guria me chaa de gorda, e você tá preocupado com o cabelo dela?
Pai:
– É que você tá… Meio gordinha mesmo
Filha:
– Tem certeza?