Game Over

Game Over - EuGordinha

Pra quem pensa que a situação do namoro, noivado, casamento é como um jogo, melhor nem gastar suas fichas. Engana-se quem pensa que relacionamento é um jogo que começa na sedução e segue adiante até o tal do GAME OVER. Não há jogo onde um perde e o outro ganha… Onde a mulher quer as emoções de um envolvimento e o homem quer as ações de um sexo gostoso… bem, pra falar a verdade existe sim, quem jogue essa deslealdade, às custas da própria felicidade, pois quem joga no relacionamento trás pra dentro de um ambiente onde deveria haver cooperação a rivalidade, e não há como rivais desfrutarem do que o amor é capaz de proporcionar aos que se dão a ele. Cumplicidade, companheirismo, amizade, mutualidade, cooperação e uma porção de outras palavras bonitas que implicam na união de duas pessoas para se ajudarem a forma o que chamam de vida em comum, amor, relacionamento e etc. Seria muito melhor que a maioria dos homens e algumas mulheres revessem os seus conceitos sobre essa questão que me parece muito séria, sob risco de permanecerem sós, mesmo estando juntos de outro alguém de quem se acham parceiros.

Leonardo Ladislau

7 sinais que o namoro não vai dar certo – Palestra Interessante

Puxa, pena que só veio uma parte da mensagem. Parte da pregação “Relacionamento Amoroso: Como começar” do Pe. Chrystian Shankar na Missa da Família do dia 18/01/12.

Se alguém tiver mais sobre o assunto deixe nos comentários a indicação dos link!

O Que É O Amor?

Li uma história que me fez ficar pensando o que é o amor. O que seria o amor? Qual a diferença entre amor e paixão? A paixão se compromete? Se compromete até que ponto? Até aonde a paixão “aguenta”, por quanto tempo se sustenta? A paixão consegue não visar apenas seus próprios interesses? Essas perguntas são questões que perduram ao longo dos tempos… Me arrisco a tentar descobrir respostas e viver o que de útil for aprendendo… 

Paciente morre 8 dias após se casar em hospital de Ribeirão Preto  –  ANA SOUSA de RIBEIRÃO PRETO

A paciente Rosycler Iadoccico Neves, 61, que se casou com seu companheiro de mais de 20 anos no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (313 km de SP) no último dia 30, morreu no domingo (7) vítima de uma parada respiratória.

Portadora de doença degenerativa neurológica, ela vivia numa cama do hospital desde fevereiro e respirava com o auxílio de aparelhos. Como não conseguia falar, Rosy se comunicava apontando letras numa placa.

O casamento, realizado no último sábado de julho, teve bênção de um pastor e enfermeiros e médicos como convidados.

Rosycler Iadoccico Neves, Luis Antonio Nogueira, Marcia Ribeiro - 30.jul.11/Folhapress

A tetraplegica Rosicler Neves Coutinho, 61, quando se casou com Luis Antonio Nogueira, 42, no hospital

Rosy e o marido, o auxiliar administrativo Luis Antonio Nogueira, 42, se aproximaram no Carnaval de 1988 e foram morar juntos seis meses depois.

Há quatro anos, Rosy sentiu fraqueza nas pernas — uma consequência da doença– e passou a usar cadeira de rodas. Em fevereiro, ela perdeu o movimento das mãos e a voz enfraqueceu. Desde então, vivia no hospital aos cuidados do marido, da cunhada e da filha mais velha.

RELACIONAMENTO

Foi Luis, então um jovem de 18 anos, que se aproximou de Rosy, quase 20 anos mais velha, no Carnaval de 1988. “Eu a vi tirando as medidas para as fantasias e me encantei.” Seis meses depois, eles já moravam na mesma casa, com dois dos três filhos de Rosy, que estava divorciada.

O casal viveu do jeito faz-tudo: ele como servente de pedreiro e motoboy; ela como cabeleireira e manicure.

Luis diz que, quando jovem, a havia pedido em casamento, mas ela se recusou por ele ser “moleque”. Anos depois, foi ele quem não quis dar o braço a torcer.

A internação foi a deixa para a oficialização. No casamento, Luis disse que não fazia planos, mas que queria viver mais 30 anos ao lado de Rosy. “É amor. Não me vejo sem ela, mesmo nessa situação.”

Panquecas ou Miojo, Eis a Questão?

Lembro de um tempo no qual toda menina tinha de saber cozinhar antes de casar e ir formar sua família. Hoje em dia a gente meio que tercerizou a cozinha e essas questões culinárias mas é sempre bom saber fazer. Conheço um rapaz que teve de aprender na marra tendo em vista que se a sua futura esposa não soubesse cozinhar ele não ficava limitado ao ovo frito e ao miojo todos os dias, kkkkk.

Tendo em vista isso, achei uma foto deliciosa. Estou pra copiar a mesma aqui em casa. Quem fez a delícia foi a Lívia, do blog IrmãsGG.

P.S.: Parabéns por ter conseguido despertar meu apetite por meio de uma foto… isso é raro pra mim.