Gordas, Gordinhas & Gordonas

Gordas Gordinhas e Gordonas - EuGordinha

A gorda é o única rejeitada que é preconceituosa com as da sua “própria espécie”. Quer ver? Poste uma foto de mulheres realmente gordas, não gordinhas, nem fofinhas, mas gordas e espere para ver os comentários de outras gordas. São críticas atrás de críticas, umas focam a saúde, outras falam que aquelas não são gordinhas e sim obesas.

Ora, independente se você tem 5 ou 100 quilos acima do peso considerado normal você já é considerada anormal para a sociedade. Então, pra quê apontar e julgar!? Quando fazem com você, como você se sente!? A verdade é que tendemos a julgar os outros como a si mesmo. Se você tanto se importa com o peso alheio e julga o que não lhe é de respeito, é sinal de que sua autoestima está tão destruída que precisa descontar isso em alguém.

Enquanto não nos unirmos, nos respeitarmos e nos aceitarmos mutuamente, nunca seremos vistas! Nos apoiarmos é muito melhor do que nos julgarmos, não é?

Via Carla Souto

Decidido – por Naianne Maciel

Ontem eu tive a grata surpresa de ler um texto muito gostoso… engraçado, percebo que estou usando essa palavra pra cada coisa que me dá gosto. A autora é Naianne Maciel e ela tem um blog, o Glacê com Limão onde tem mais delícias dessas pra quem quiser ler. Degustem à vontade…

Sapatos - EuGordinha

Decidido

Acordei e percebi ser o que sempre quis – e, aliás, sempre fui. Mas o espelho, vilão, sempre me ressaltava os defeitos. Atraia luz para os lugares errados, zombava-me toda manhã, como que cúmplice da dona da maçã envenenada. Uma afronta! Um verdadeiro absurdo…- e este foi e, para sempre será, meu último choro e murmúrio. Mesmo com meus desejos eternamente embaçados e o culote avantajado, cada passo meu atraia olhares, sorrisos – e eu, claro, em total espanto, deliciava-me em graça. Não era alface nos dentes, eu bem verifiquei. Falava firme, inteligente. Sorria frouxo. Seria apenas o batom novo? O dia passou em puro embaraço, firmando com nó e laço, minha auto-estima e confiança. De frente a uma vitrine, o reflexo. Realmente, era linda! Quantas noites por tolice não dormira… E quantas festas perdidas! Em um trato comigo mesma, olho no olho, encarei minha beleza sincera. “Nem mesmo um bad hair day terá o direito de arrancar a covinha que enfeita minhas bochechas rosadas”- cantarolei em voz alta. E, assim, declarei-me dona de um não – bronzeado-Ipanema incrível. Um gingado torto, um tanto quanto paulistano, e tão indiscutivelmente meu – a carioca da gema sem samba no pé. Declarei-me dona de cada sarda no nariz, ponta dupla e da boca carnuda. Dos cílios e seios grandes. Declaro-me pois, em completo amor por mim mesma, mimando-me com vestidos de bolinha, gloss e lingerie. E, que me desculpe a Avon, mas amar-me suavizou minha expressão como nenhum Renew o faria. Se nua, ainda assim estaria bem vestida para sair à rua, gritando minha vivacidade e, enfim, liberdade. Eu, de cara limpa e alma lavada. Eu, feliz.

Poder

Gordinha Pin Up EuGordinha

Sem essa de que é preciso ser magra pra ser gostosa, para ser feliz não é preciso seguir os estereótipos que a sociedade impõe. A mulher brasileira tem carne, tem peito, tem bunda. Encare a realidade dos seus quilinhos à mais sem neuras, apenas cuidando bem da sua saúde e auto-estima. Isso sim é ser mulher, sem deixar de ser você mesma. Sinta-se bonita e sexy. Sinta o poder que tem as gordinhas. (Anônimo)