Do Amor de Hoje

Não interessa a ninguém só a mim mesma. No entanto há meninas e meninos que me perguntam a respeito – parece que a gente gosta de ver no espelho o que parece ou não com a gente, pra nos situarmos um pouco melhor no mundo.
Então sobre sexualidade eu digo: Não faço mais sexo, prefiro fazer amor… e isso não é um modo de falar. Fazer amor implica em tomar porções de afeto e misturar no coração antes de misturar os corpos seja na cama ou qualquer outro lugar. O primeiro beijo não precisa ser no primeiro encontro. O primeiro encontro pode ser o momento do primeiro olhar, do segundo olhar mais intenso, do terceiro sugestivo. Amar não precisa ser no mesmo ritmo do fast-food. Amor não se faz como se faz miojo – seria desperdício de vida tal coisa. Tem gente que acha que algumas atitudes são antiquadas, velhas, sem noção nos tempos atuais. Precisamos rever muitos conceitos pra vida ser melhor vivida. De outro modo muito vai ser perdido sem a devido aproveitamento.

Amar: Teoria e Prática

Amar é Aprendizagem

Como é que nós aprendemos a amar? Amar se aprende amando… já me disseram. Mas tem o lado da aprendizagem, de vermos e ouvirmos, lermos e pensarmos sobre. Quando é que a gente sabe que está amando alguém? Quando quer ter a pessoa por perto? Mas e quando o estar perto (seja fisicamente, ou mais ainda, emocionalmente) nos causa algum tio de atrito, desentendimento, conflito interior? Tenho crido que amar implica em cuidar, antes de si mesmo e depois do outro o tanto que estamos cuidando de nós. Amar é uma estrada de mão dupla. Um declarar e ser ouvido, um ouvir declarar.

Tem uma porção de coisas que eu preciso aprender sobre o amor… Enquanto isso admiro os amores que estão crescendo como árvores ao meu redor. A Vanessa Vieira me permitiu por uma foto dela com seu amado Walter. Agradeço ao casal pela oportunidade de me deixar expor o que considero tão caro. *-*

“Ei, meu anjo. Estive pensando muito em nós nesta última semana. Lembrei do teu sorriso e da tua risada, do teu cheiro, do teu jeito, da tua falta de jeito. Lembrei dos teus carinhos. Você já me disse que “quando é pra ser, é, independente de tudo”. Eu espero que essas tuas palavras tenham força. E torço, torço a cada dia pelo futuro. Torço para ver cada vez mais sorrisos, mais alegrias, mais abraços. Cada vez mais nós.
Ei, bebê. Eu sei que ali em cima tá escrito paixão, mas você sabe que não é minha paixão. Paixão é passageira. Você é meu amor. O amor da minha vida. Sabe qual é meu sonho, hoje? Quero casar contigo pra ver teu riso todo dia, multiplicado por três, correndo pela casa. Quero acordar daqui há 10 anos, e já estar casada com você. Quero acordar todos os dias tendo a certeza de que existe algum ser humano que realmente me ama e se importa comigo.
Ei, mô. Não esquece o quanto eu te amo, tá? Já te disse isso por esses dias, eu sei… Mas é sempre bom lembrar! Te quero sempre aqui comigo.
Com todo amor para vc…”  

(Vanessa Vieira ao seu amado)

O Tamanho do Amor

Descobri que Deus não me ama muito. Ele não me ama pouco… Deus não tem amor por mim. Nós temos amor pelas pessoas. Amamos muito ou pouco cada uma delas. Deus, não! Deus é amor. Ele é imensurável [não se pode medir]. Se Deus não se pode medir e Ele mesmo É O AMOR, esse tamanho de amor me basta. Só mesmo nós, humanos imperfeitos, amamos por medida, muito ou pouco, conforme confiamos no ser amado ou necessitamos do seu amor ou qualquer outro motivo… Aliás, temos motivos pra amar. Pra Deus, o único motivo de nos amar é existirmos.

Aproveite Seu Tempo

Amar é Aprendizagem

Amar é uma aprendizagem difícil. Embora tenhamos nascido para o amor, amar não é instantâneo. É como aprender a andar, a gente vai de passo em passo. Alguns caem tremendamente e dói tanto que nem dá mais vontade de continuar andando. Ai ficamos prostrados num canto, à espera de algum milagre que não vem. A gente precisa aprender a amar, amar a quem de direito, o Eterno, a nós mesmos e aos outros. É um processo, uma sequência de etapas quais não acontecem automaticamente… sei que estou teorizando um pouco as coisas por aqui Na verdade é mais simples do que parece… é como aprender a distinguir os sabores, mas no caso distinguir os saberes: Entre o amargo e o doce, o doce e o salgado, o azedo, quais combinações eu gosto mais?

“Quem está satisfeito despreza o mel, mas para quem tem fome até o amargo é doce.” 
Provérbios 27:7

É preciso descobrir o que é o amor e depois como podemos amar. É preciso descobrirmos o amor por nós mesmo, porque mesmo que não haja ninguém por perto de nós, temos a nós mesmos, e se não nos amarmos primeiro, como receber o amor do outro sem ser extremamente dependente dele? A se de aprender a amar com liberdade…

Declarar que ama…

Dizer eu te amo é coisa séria

Uns 20, 30 anos atrás, em geral nem os pais costumavam declarar com todas as letras o quanto amavam seus filhos. Amavam, sim. E muito! Mas não diziam. Apenas demonstravam, na maioria das vezes! Entre os casais, então, o tão esperado eu te amo costumava ser dito e repetido somente na fase da paixão, e olhe lá, com digamos, excessiva cautela.

Olhar nos olhos de alguém e dizer eu te amo costumava equivaler como selar um compromisso. A pessoa teria que, de fato, tornar-se responsável por quem cativou, como imortalizou Saint Exupery em seu maravilhoso livro O Pequeno Príncipe.

Mas como sabemos, as gerações se complementam, a cultura é dinâmica e os tempos mudam. Hoje, essa declaração chega a ser quase como um cumprimento diário, em muitos casos. Os adolescentes, então, esfuziantes que são, não se cansam de se declarar aos amigos, ficantes e namorados todo o amor que têm pra dar!

Há quem considere essa prática um abuso, sem sentido e sem consistência. Banalizaram os sentimentos, justificam-se os mais críticos e reservados. Em alguns casos, pode até ser, mas não apostaria nesta conclusão assim, tão precipitadamente.

Claro que tem gente que fala sem sequer imaginar como é que se sente e, principalmente, como é que se pratica o amor de verdade. Essas pessoas, sim, certamente estão desconsiderando a profundidade e responsabilidade que o amor pede. E quando é assim, concordo: é preciso um tantinho de pudor com o amor, porque é coisa séria!

Por outro lado, embora seja coisa séria, também acredito que deva ser coisa leve, gostosa, espontânea, fluida. E sendo assim, talvez não precisemos resistir tanto às declarações, embora devamos, sim e sempre, fazê-las de modo sincero e consciente, sabendo o que estamos dizendo.

Resumindo: é possível amar muito mesmo! E que bom que seja assim. Mas vale lembrar que uma declaração, quando feita em alto e bom som, toca o outro e gera nele uma expectativa (ou várias). O modo como você diz eu te amo pode ser compreendido de diversas formas, dependendo de quem ouve.

Portanto, mais do que ficar julgando a quantidade de vezes que as pessoas têm declarado seu amor, penso que o importante é sugerir uma reflexão: além das palavras, de que forma temos demonstrado amor? Temos sido pacientes e tolerantes com nossos amados? Temos ouvido o que eles dizem e nos interessado pelo que eles sentem? Temos nos disponibilizado para fazê-los felizes?

Imperfeitos que somos, certamente cometeremos erros, mesmo amando. Mas se nos tornarmos e nos mantivermos atentos agora, hoje, e durante o maior tempo que conseguirmos, talvez consigamos compreender que dizer eu te amo é como colocar um lindo laço sobre um presente. Muito bom! Mas o presente sempre é o que somos. E somos, fundamentalmente, o que fazemos, muito mais do que o que falamos. Tal qual, sabiamente, escreveu Ralph Waldo Emerson: O que você faz fala tão alto que não consigo escutar o que você diz.

Dra. Rosana Braga
Consultora

Fonte:

O Que é O Amor – Reflexões Sobre o Amor

Depois do convite para participar do blog fiquei a pensar qual seria minha contribuição..

Então remexendo em uns e-mails senti vontade de compartilhar alguns pensamentos meus de quando me foi proposta certa definição sobre o que o amor representava para tal pessoa..

Amar é uma Decisão?

Fiquei a pensar nessa tal definição sobre o amor (a de que escolhemos a quem amar.. e amamos. simples assim) e escrevi meus pensamentos..

Como limitar o amor a nossa vontade? Acho meio sem nexo.

E você já refletiu o que vem a ser amor? (estou eu aqui a pensar) amor/amar não é fácil não.. É renuncia.. É perdão.. É não passar muito tempo chateado.. É enxergar mais qualidade.. É quando os defeitos não sobrepõe as virtudes.

Olhando nesse ângulo se torna bem difícil amar não é?

Muitas vezes não toleramos nem a nós mesmo..

Será que nos amamos de verdade?

Como posso amar a outros se nem sei o que é me amar? Como vou dizer a outra pessoa a forma que gosto de ser amado? Será que usamos nosso tempo como de fato desejamos?

Será que nossas escolhas são sempre Bem fundadas?

Será que entendemos a nossa vida pra depois entender elementos dela?

Como por exemplo, o amor? Agora penso na paixão aquela coisa que os poetas chamam de avassaladora… Que nos deixa sem chão… Que nos leva a loucura… Que em muitas das vezes nos dá sensação de leveza.. Que coisa tão boa é sentir essa tal de paixão!!

Mas o melhor mesmo é nos deixarmos envolver por ela não é?

Experimentar dessa loucura, dessa falta do pensar quando se esta apaixonada.. E quando ela vai embora?

Deixando-nos no meio do caminho?

Avassaladora como é, deixa tudo revolto. “E agora José?” o que fazer para reconstruir?

O jeito é sentar e esperar o tempo passar.. Para ir levando consigo algumas coisas.. Para que o trabalho não seja tão pesado.. Como somos egoístas..

Depois de um tempo vivendo com uma pessoa dizer que na verdade nunca gostou dela de fato.. Como machuca isso..

Quando falo gostar não me refiro a esse gostar limitado que estás a pensar ai agora..

É aquele das juras de viver o resto da vida juntos.. Dos planos..

Como conseguir sustentar essas “juras” se com o passar do tempo vamos descobrindo a pessoa que escolhemos?

Como reconhecer que o único errado da história foi eu? Pois a escolha foi minha!

Su Regina
Su Regina

Como Amar?

Amar não é nada fácil. Pode ser possível, é possível amar. tantos tem sofrido a tanto tempo que já desistiram de amar. Mas é possível. Tanto entre homem e mulher, como entre familiares, amigos. A gente só precisa aprender o que é o amor… a gente só precisa aprender como amar…

Amores Líquidos

Amor Líquido Blog EuGordinha

amor frágil.. amor

Hoje está na moda você procurar alguém que combine com o seu perfil, ao invés de combinar coma sua pessoa de verdade. Suas características precisam ser bastante detalhadas e expostas de maneira bem clara e objetiva – tem de ser atraentes, pois senão, quem vai gostar de ti? As nossas verdades em algumas situações acabam sendo relegadas à segundo plano em nossa lista de prioridades, contanto que encontremos alguém que satisfaça nossas ansiedades – nem que seja momentaneamente. No fundo a gente sente que o outro, por mais que a gente o queira, está escorrendo por entre nossos dedos, e a não ser que seja alguém igualmente desesperado por outro alguém (e que esse alguém sejamos nós), nos sentimos tremendamente inseguros, carentes, necessitados…

Estou descrevendo só um pouco do que os especialistas chamam de modernidade líquida, amor líquido… algo que vê o romantismo como fora de moda, o relacionamento à longo prazo como uma prissão, a sinceridade como uma aparência que muda de cara de acordo com a clientela… vivemos em tempos difíceis, mas ainda há esperanças.