Exercitando a Gratidão

Assim que puder, feche os olhos e ouça o som que o vento faz quando passa entre as folhas das árvores.
Experimente mover sua energia interior na direção do seu bem estar. Quer saber como? Bem simples. Separe 3 minutos do seu dia para se colocar num lugar onde não haja interrupções. Sente-se confortavelmente, ou deite-se. Se quiser fechar os olhos para se concentrar melhor e não se distrair com as coisas ao redor, tudo bem. Respire fundo até encher todo pulmão, prenda o ar por alguns segundos e solte suavemente. Agora você vai começar a agradecer pela vida que tem, pela saúde, pelas pessoas que você ama e pelos que te amam. Pode lembrar de cada pessoa especial que tem na sua vida e outras vão vindo em sua mente. Agradeça pelo que cada uma delas representa pra ti. Se pessoas que te ofenderam vierem ao seu pensamento, agradeça por elas também. Um ditado sábio diz que até os que se colocam como nossos inimigos nos ajudam a sermos mais fortes. Agradeça por todas as pessoas. Você pode mencionar mentalmente o nome de cada pessoa e agradecer por ela, por ele: “Sou grato pela vida de fulano de tal na minha vida por tal e tal motivo, pela atuação de sicrano, pelo que me fez (ou deixou de fazer) beltrano”. E por ai vai. Exercite gratidão pela pessoa que você é, pela pessoa melhor que você vai ser em breve. Agradeça pelo processo pelo qual você passou e passa para que você se torne uma pessoa melhor. Perceba como o seu coração vai se sentir durante o exercício. Se quiser fazer isso por mais de 3 minutos, você pode. Exercite a gratidão com sinceridade. Você vai estar abrindo novas portas de saúde, prosperidade, alegria e outras positividades dentro de ti. Se essa prática se repetir ao longo de 21 dias, um novo hábito poderoso vai estar sendo formado em sua vida e coisas muito boas estão já prestes a acontecer contigo. Abraço pras Amiggas!

Com Que Roupa Eu Vou? Como Se Vestir por Dentro

Qual Roupa Usar?

“Com que roupa eu vou, no samba que você me convidou?” Noel Rosa

Quem nunca sentiu uma certa dúvida sobre qual roupa usar numa determinada ocasião especial? É comum acontecer isso, ainda mais quando não nos definimos ainda sobre o que de fato gostamos ou não gostamos, o que de fato queremos ou não queremos comunicar. Pois vestir uma roupa não é apenas cobrir a nudez do corpo. Os que estudam a Moda sabem que conceitualmente, vestir-se é uma das formas mais contundentes de dizer ao mundo quem somos!  Vestir-se é um ato existencial! Uau, que profundo! Kkkkk

A origem desse post foi a imagem abaixo, que encontrei na Página do Facebook É Verdade Esse Bilhete. Veja que engraçadinho…

É verdade!!! kkkkkk
Acabei sendo levado a concluir que a nossa melhor roupa é o Estado de Espírito em que nos sentimos. Entenda estado de espírito como sendo a soma de tudo o que você sente, pensa e quer num determinado momento. A soma dos seus pensamentos, das suas emoções e das suas vontades, compõe o seu estado de espírito.
Muita gente nem percebe, mas independente da roupa que veste, a gente se veste de verdade é com o que sentimos e com o que pensamos. São essas coisas interiores e invisíveis que acabamos mostrando pra os outros mais do que tudo o que em nós está visível aos olhos. Não são as roupas em si, nas cores que forem, sejam lisas ou estampadas, não são os decotes em si, as golas, as franjas ou qualquer elemento artístico que nos faça ficar na moda. No final das contas, a forma como nos sentimos vai fazer a maior diferença.
É fato que, vestir-se bem vai fazer uma diferença incrível em nosso estado emocional. Mas é apenas um dos elementos. Se mesmo bem vestida a pessoa ainda se sente mal por dentro, é hora de começar a fazer um “bota fora” no armário mental e emocional, fazendo um “banho de loja”, trocando toda vestimenta interior, para que a alma então bem alinhada possa expressar todo o seu potencial.
Quer saber mais sobre o assunto? Deixe um comentário aqui no blog, mande um email, fale com a gente lá no facebook, mande sinal de fumaça, mensagem na garrafa, qualquer forma de comunicação é válida! kkkkkk
Forte abraço pras amiggas!

Manga com Leite, Mata?

Achei essa imagem numa fanpage de humor…

Veja como são as coisas… durante muito tempo foi dito que chupar manga e tomar leite era mortal. Uma forma de se envenenar, querendo ou não! Já que estamos em setembro, mês no qual as autoridades de saúde, inclusive mental, estão em campanha contra o suicídio, contra a depressão, é bom que seja dito: Querer se matar é um desejo natural de quem não consegue mais ter prazer na vida e a dor se tornou insuportável. É algo compreensível, quando muito se sofre na vida e não se enxerga meios para eliminar o sofrimento. Quem tenta se matar na verdade tenta eliminar a dor que sente, pois esse tipo de dor que leva uma pessoa a desejar a morte é muito profunda. Caso você que está lendo esse texto esteja com tais pensamentos, busque ajuda médica, profissional. Dor emocional é tão importante quanto dor física, na hora de ser avaliado qual tratamento médico deve ser aplicado na busca pela saúde… leia até o fim pois o conteúdo desse texto também pode te ajudar! 🙂

Como eu dizia no começo, muitas pessoas ainda acreditam que manga com leite é uma combinação mortal para o organismo. O que essas pessoas não sabem é que essa suposta verdade foi inventada pelos portugueses nos idos tempos do Brasil colônia. A natureza era muito mais rica na produção das mangas, nos locais onde os portugueses tinham suas fazendas e exploravam o trabalho escravo dos afrodescendentes. Para evitar que esses mesmos escravos entrassem nas cozinhas e roubassem o leite, que era um alimento destinado apenas para elite de então, foi dito aos negros que tomar leite e comer manga era veneno. Sendo a manga um alimento praticamente gratuito nas fazendas e o leite, resultado de um trabalho com o gado.

Desde então essa verdade inventada foi passando de geração em geração até chegar nos dias de hoje. Ainda hoje há quem tenha medo de comer manga e depois beber leite, ou mesmo fazer a mistura por meio de uma vitamina. Mas agora que você já sabe a verdade, pode decidir se prova ou não, dessa combinação de dois alimentos que não são venenosos (pelo menos para a maioria das pessoas… se levarmos em consideração os alérgicos ao leite ou a manga).

Essa questão da ‘Manga com Leite é veneno’, me fez pensar que, há muitas outras verdades inventadas nas quais as pessoas acreditam e por conta dessas crenças acabam por não vivendo uma vida plena. A tal depressão da qual falei logo no começo do texto, pode ser resultado de uma porção de pensamentos que a pessoa foi acumulando, criando verdades distorcidas, as quais acabaram por levar a pessoa ao que chamamos de fundo do poço.

Eu usei o termo verdade inventada, pois é bem conveniente, ao invés de dizer logo de cara que é uma mentira. Você sabe o quanto é ofensivo chegar pra uma pessoa e dizer que a verdade na qual ela acredita é uma mentira? É muito delicado. A gente não gosta de se sentir enganado. Frustração, raiva, tristeza, normalmente são essas emoções negativas que incomodam uma pessoa que foi enganada.

E se boa parte das verdades nas quais você acredita não passassem de verdades inventadas? O que você faria? Como o assunto pode ser longo vou tratar dele noutro momento.

O que podemos fazer agora é aproveitar o sabor da manga com leite se assim quisermos, sem o medo de que a nossa vida seja abreviada.

Beijo pras amiggas!

Gordas, Gordinhas & Gordonas

Gordas Gordinhas e Gordonas - EuGordinha

A gorda é o única rejeitada que é preconceituosa com as da sua “própria espécie”. Quer ver? Poste uma foto de mulheres realmente gordas, não gordinhas, nem fofinhas, mas gordas e espere para ver os comentários de outras gordas. São críticas atrás de críticas, umas focam a saúde, outras falam que aquelas não são gordinhas e sim obesas.

Ora, independente se você tem 5 ou 100 quilos acima do peso considerado normal você já é considerada anormal para a sociedade. Então, pra quê apontar e julgar!? Quando fazem com você, como você se sente!? A verdade é que tendemos a julgar os outros como a si mesmo. Se você tanto se importa com o peso alheio e julga o que não lhe é de respeito, é sinal de que sua autoestima está tão destruída que precisa descontar isso em alguém.

Enquanto não nos unirmos, nos respeitarmos e nos aceitarmos mutuamente, nunca seremos vistas! Nos apoiarmos é muito melhor do que nos julgarmos, não é?

Via Carla Souto

Dia do Sexo? Toma um trechinho de romance pra adoçar o dia… ou apimentar

Trecho do Romance:

Diante de tudo o que ele já tinha demonstrado, eu pensava que nossos desejos eram iguais, que não haveria problema algum. Realmente não houve; pelo contrário. Se eu soubesse que toda a solução estava nisso… A solução de meu corpo faminto era ser saciado na fome dele. Acontece que enquanto eu lhe dava migalhas e ele por pacientes gestos de amor se continha, ambos padeciam a fome que nos deixava loucos um pelo outro. Eu nunca tinha entendido até então que o ditado “Juntar a fome com a vontade de comer”, não tinha de ter necessariamente comida pra comer. Duas fomes sinceras se completam se entre ambas houver consentimento. Depois de eu ter lhe sussurrado a permissão, como quem dá as chaves de uma casa nova, ele se levantou da cama se apoiando nas duas mãos e deu um jeito de se ajeitar sobre mim. Com as chaves nas mãos ele se preparava pra entrar dentro de mim, morar em mim… Seu peso de corpo sobre o meu tinha a tensão dos corpos celestes, digo isso pensando no tanto de peso que deve ter a lua no céu, sustentada por fios invisíveis, parecendo tão leve e solta. Digo isso lembrando de olhar bem de perto os olhos dele e ver desejo, lembrando da aproximação ruidosa, som de respirar abafado, apressando, me deixando em suspense pra saber o que aconteceria, lembrando que ao sentir o rosto dele deslizando no meu indo de encontro ao travesseiro, beijando e mordiscando a minha orelha, eu vi no teto o lustre simples de sofisticado, por um fio suspensa uma armação com três luminárias em formato de flores exóticas e as luzes estavam acesas, meu Deus como eu me abria tanto, sim, eu me abria a ser vista no claro, ao invés de ter meu corpo em eclipse, sendo possuída num quarto escuro com alguma luminária voltada em seu rosto luminoso pra parede. Já que tinha de ser assim, que fosse inteiro. Que ele visse o meu corpo em forma de desejo imenso, pesado, gordo, formoso, como ele me admirava tanto. Mesmo tendo permissão pra me ter por completa eu não o senti me invadindo como esperava que acontecesse. Ou invés de um tsunami súbito a maré ia subindo disfarçada e quebrando as minhas barreiras. Castelos de areia ruíam em silêncio, ou melhor, em gemidos sutis. Foi aos poucos mesmo que me percebi afastando os joelhos das pernas deitadas na cama o corpo dele deslizando pra dentro do espaço que eu criava. A pressão da barriga dele na minha aliviou um desejo que eu tinha sem saber. A minha fofura, como ele insistia em dizer, queria a rudeza dele, os pelos de homem sobre o corpo firme e macio. A minha respiração foi mudando e me senti quente. As minhas mãos iam e vinham pelas costas largas dele, sem me arriscar o agarrar com força aranhando sua pele. Mas ele disse que esperava eu fazer isso, porque eu disse que daquela noite não passava o nos entregarmos.