Os Cães Ladram

“Os cães ladram e a caravana passa.” (Ditado Popular)

Quem já ouviu esse ditado? Sabem o que significa? Vou dizer aqui o que eu acho. Acho que opinião é igual bumbum, todo mundo tem o seu. Cada um tem o que pensar sobre tudo o que acontece na vida e no mundo e (infelizmente) na vida das outras pessoas também. Algumas pessoas inventam de falar da vida dos outros o que não procede, ou mesmo repassar adiante o que nem sequer tem certeza se é verdade ou não. Pasmem, existe gente assim que não sabe nem se o que ouviu é verdade mas repassa como se fosse. Qual utilidade disso? O que ganham? Ah, sim, ganham a atenção dos outros. Atenção genuína é algo caro hoje em dia, diga-se de passagem. Se você paga pra um psicólogo te ouvir sabe muito bem do que estou falando. Mas tem como a gente ter a atenção dos outros de um modo mais gratuito e saudável – chamam de amizade o ambiente propício pra sermos percebidos de um modo agradável e pelos olhos de outro ser que seja benevolente e sincero com a gente, podemos até mesmo ver coisas em nós que nem sabíamos que existia. Mas então, esse texto aqui não tem nada de desabafo ou coisa do tipo. Estou legal de gente assim que cria e espalha fofoca, disse-me-disse, mimimi. No alto da torre de marfim, como alguns preferem dizer, não chega esse tipo de spam, o filtro do meu email é forte e sei bloquear os números indesejados no telefone celular com android. Kkkkkkkkkk. A vida pode ser bem assim, agradável e em paz se a gente prefere trocar umas boas ideias com quem está ao nosso lado na caruagem, seguindo na caravana da vida, enquanto os cães estão do lado de fora latindo. Hehehehe lembrei de um funk, da sra. Valeska Popozuda: “Late mais alto que daqui eu não te escuto”. Veio a calhar! kkkkk Mas nem isso. O latido dos cães não serve pra nada quando o coração da gente está voltado pra coisas mais importantes.

Que fique de lição a quem está se incomodando com o latido dos cachorros: APROVEITEM A VIAGEM, A VIDA NÃO É DEMASIADAMENTE LONGA PRA PERDERMOS TEMPO COM QUEM NÃO NOS AMA DE VERDADE. 

caes_ladram - EuGordinha

DA DISCRIÇÃO

Amizade - EuGordinha

DA DISCRIÇÃO

Não te abras com teu amigo
Que ele um outro amigo tem.
E o amigo do teu amigo
Possui amigos também…

— Mario Quintana

 

 

Fofoca – Ilustração interessante

Você já foi vítima de fofoca? Já fez fofoca? Pense sobre os efeitos de umas palavrinhas soltas. É tão simples não tem algum assunto interessante pra dizer a não ser… a vida alheia. Ouvi algo que me marcou tremendamente:

“Pessoas inteligentes falam de ideias; pessoas comuns falam de coisas e pessoas medíocres falam de outras pessoas” (ditado popular)

Uma mulher espalhou uma fofoca sobre uma certa pessoa que ela não conhecia bem, mas a invejava. Alguns dias depois, o bairro inteiro sabia a história. A pessoa que foi alvo da fofoca ficou indignada e muito ofendida. Mais tarde, a mulher que espalhou o boato descobriu que era tudo mentira, ficou arrependida e foi visitar um velho sábio para descobrir o que podia fazer para consertar o estrago.
_ Vá até a praça principal – disse ele -, compre uma galinha e mande matar. Depois, no caminho de casa, depene-a e solte as penas uma a uma pela rua. Embora surpresa com o conselho, a mulher fez o que o sábio havia mandado.
No dia seguinte ele disse:
_ Agora vá, recolha todas as penas que deixou cair ontem e traga para mim.
A mulher seguiu o mesmo caminho, mas, para seu desespero, o vento tinha dispersado todas as penas. Depois de procurar por horas, ela voltou com apenas três penas na mão.
_ Está vendo – disse o velho sábio – , é fácil soltá-las, mas é impossível recolhe-las. Com a fofoca também é assim. Não custa muito espalhar um boato, mas, depois que se espalha, nunca se pode reverter o dano completamente.