Ogros & Ogras

Ogros e ogras - EuGordinha

Há uns carinhas que são assim… meio ogros. Eu sou um deles. Sei lá, acho que já engoli tanto sapo na vida que hoje em dia não dou mais conta. Já fui muito de calar a boca diante de algo errado que estavam pra fazer comigo e depois sofrer as consequências calado. Hoje em dia as coisas estão melhores… Não é que eu saia brigando com as pessoas por ai, xingando os motoristas que fazem zuada na rua, ou a Política que ao invés de fazer o que foi feita pra fazer não faz. (Risos) Hoje em dia eu estou meio ogro no jeito de ser. Eu disse que há uns carinhas ogros, mas também há umas meninas que são ogras. Sabia que um pouco de grosseria de vez em quando é bom? Tenho de me explicar, sob pena de martírio desnecessário. Pois então, pra muitas coisas na vida é necessário ser verdadeiro. Pra outras eu dou a vez a outros que queiram. A verdade é dura e ela deve/pode ser dita. Não estou falando sobre atirar pedras no telhado de vidro dos outros, tendo o nosso próprio exposto em sua fragilidade. Não estou dizendo de jogar verdades na cara dos outros como se jogasse pedras. Quem age assim ainda não amadureceu o suficiente. Não estou falando também sobre expor a vida alheia ou própria motivado por raiva ou com vontade de ferir uma pessoa que nos feriu. Pra falar a verdade, fazer uso da verdade em palavras como arma de ataque ou contra-ataque, não é nada sábio e nenhum pouco saudável. Eu chamo de ser ogro, ou ogra, de maneira saudável, quando a gente não usa das mentirinhas sociais só pra ficar bem com os outros, agradando a quem não precisa ser agradado às custas da nossa própria vontade e liberdade.
Muitas vezes a gente tem medo de magoar os outros mas se deixa ser magoado por eles. Quando acontece isso, algo está errado. Novamente eu digo, não estou falando sobre ser grosseiro de propósito, mas tem atitudes nossas que são encaradas como grosseria pelos outros. Tenha muito cuidado com isso. Algumas pessoas nos chamam de grossos, mas no fundo só querem nos fazer sentir um pouco culpados para então nos manipular com base em nossa culpa, cutucando a nossa ferida e nos fazendo reféns do medo de não agradar, só pra que seus egos continuem sendo alimentados em suas vontades. Será que fui claro? O assunto é um tanto delicado. Talvez volte nele mais vezes.