Descobrimos a Fonte da Juventude!

A Fonte Da Juventude Chama-Se Mudança
Por Lya Luft

“Mês passado participei de um evento sobre as mulheres no mundo contemporâneo. Era um bate-papo com uma plateia composta de umas 250 mulheres de todas as raças, credos e idades. E por falar em idade, lá pelas tantas, fui questionada sobre a minha e, como não me envergonho dela, respondi.

Aí fiquei pensando: ‘pô, estou neste auditório há quase uma hora exibindo minha inteligência, e a única coisa que provocou uma reação calorosa da mulherada foi o fato de eu não aparentar a idade que tenho? Onde é que nós estamos?’

Onde, não sei, mas estamos correndo atrás de algo caquético chamado ‘juventude eterna’. Estão todos em busca da reversão do tempo.

Acho ótimo, porque decrepitude também não é meu sonho de consumo, mas cirurgias estéticas não dão conta desse assunto sozinhas.

Há um outro truque que faz com que continuemos a ser chamadas de senhoritas, mesmo em idade avançada.

A fonte da juventude chama-se mudança.

De fato, quem é escravo da repetição está condenado a virar cadáver antes da hora. A única maneira de ser idoso sem envelhecer é não se opor a novos comportamentos, é ter disposição para guinadas.

Eu pretendo morrer jovem aos 120 anos. Mudança, o que vem a ser tal coisa?

Minha mãe recentemente mudou do apartamento enorme em que morou a vida toda para um bem menorzinho. Teve que vender e doar mais da metade dos móveis e tranqueiras, que havia guardado e, mesmo tendo feito isso com certa dor, ao conquistar uma vida mais compacta e simplificada, rejuvenesceu.

Uma amiga casada há 38 anos cansou das galinhagens do marido e o mandou passear, sem temer ficar sozinha aos 65 anos. Rejuvenesceu. Uma outra cansou da pauleira urbana e trocou um baita emprego por um não tão bom, só que em Florianópolis, onde ela vai à praia sempre que tem sol. Rejuvenesceu.

Toda mudança cobra um alto preço emocional. Antes de se tomar uma decisão difícil, e durante a tomada, chora-se muito, os questionamentos são inúmeros, a vida se desestabiliza. Mas então chega o depois, a coisa feita, e aí a recompensa fica escancarada na face.

Mudanças fazem milagres por nossos olhos, e é no olhar que se percebe a tal juventude eterna. Um olhar opaco pode ser puxado e repuxado por um cirurgião a ponto de as rugas sumirem, só que continuará opaco porque não existe plástica que resgate seu brilho. Quem dá brilho ao olhar é a vida que a gente optou por levar. Olhe-se no espelho”.

Via Portal raízes

Manga com Leite, Mata?

Achei essa imagem numa fanpage de humor…

Veja como são as coisas… durante muito tempo foi dito que chupar manga e tomar leite era mortal. Uma forma de se envenenar, querendo ou não! Já que estamos em setembro, mês no qual as autoridades de saúde, inclusive mental, estão em campanha contra o suicídio, contra a depressão, é bom que seja dito: Querer se matar é um desejo natural de quem não consegue mais ter prazer na vida e a dor se tornou insuportável. É algo compreensível, quando muito se sofre na vida e não se enxerga meios para eliminar o sofrimento. Quem tenta se matar na verdade tenta eliminar a dor que sente, pois esse tipo de dor que leva uma pessoa a desejar a morte é muito profunda. Caso você que está lendo esse texto esteja com tais pensamentos, busque ajuda médica, profissional. Dor emocional é tão importante quanto dor física, na hora de ser avaliado qual tratamento médico deve ser aplicado na busca pela saúde… leia até o fim pois o conteúdo desse texto também pode te ajudar! 🙂

Como eu dizia no começo, muitas pessoas ainda acreditam que manga com leite é uma combinação mortal para o organismo. O que essas pessoas não sabem é que essa suposta verdade foi inventada pelos portugueses nos idos tempos do Brasil colônia. A natureza era muito mais rica na produção das mangas, nos locais onde os portugueses tinham suas fazendas e exploravam o trabalho escravo dos afrodescendentes. Para evitar que esses mesmos escravos entrassem nas cozinhas e roubassem o leite, que era um alimento destinado apenas para elite de então, foi dito aos negros que tomar leite e comer manga era veneno. Sendo a manga um alimento praticamente gratuito nas fazendas e o leite, resultado de um trabalho com o gado.

Desde então essa verdade inventada foi passando de geração em geração até chegar nos dias de hoje. Ainda hoje há quem tenha medo de comer manga e depois beber leite, ou mesmo fazer a mistura por meio de uma vitamina. Mas agora que você já sabe a verdade, pode decidir se prova ou não, dessa combinação de dois alimentos que não são venenosos (pelo menos para a maioria das pessoas… se levarmos em consideração os alérgicos ao leite ou a manga).

Essa questão da ‘Manga com Leite é veneno’, me fez pensar que, há muitas outras verdades inventadas nas quais as pessoas acreditam e por conta dessas crenças acabam por não vivendo uma vida plena. A tal depressão da qual falei logo no começo do texto, pode ser resultado de uma porção de pensamentos que a pessoa foi acumulando, criando verdades distorcidas, as quais acabaram por levar a pessoa ao que chamamos de fundo do poço.

Eu usei o termo verdade inventada, pois é bem conveniente, ao invés de dizer logo de cara que é uma mentira. Você sabe o quanto é ofensivo chegar pra uma pessoa e dizer que a verdade na qual ela acredita é uma mentira? É muito delicado. A gente não gosta de se sentir enganado. Frustração, raiva, tristeza, normalmente são essas emoções negativas que incomodam uma pessoa que foi enganada.

E se boa parte das verdades nas quais você acredita não passassem de verdades inventadas? O que você faria? Como o assunto pode ser longo vou tratar dele noutro momento.

O que podemos fazer agora é aproveitar o sabor da manga com leite se assim quisermos, sem o medo de que a nossa vida seja abreviada.

Beijo pras amiggas!

Normal é não ser Normal

fazer coração com a mão

fazer coração com a mão

Amanheceu um dia desses gostosos onde a gente ouve uma risada e instintivamente quer saber o motivo dela. Perguntei a minha mamis qual tinha sido a piada e ela veio me dizendo que está rindo por achar engraçado o como as crianças são livres. Quando pequenas, podem brincar sozinhas, falando consigo mesmas, enquanto movem seus brinquedos pra cá e pra lá, enquanto correm pelo quintal, na pracinha, em todo canto. Ser criança nos dá a liberdade de inventar sons com a boca, fazendo bico, tentar imitar o som dos bichos e outras coisas. Ou seja, há uma tremenda liberdade criativa e expressiva no ser criança. Com o passar dos anos a gente começa a se fechar em regrinhas do que seja socialmente aceitável, “correto”, digno de confiança… Nisso, muitas vezes ficamos tolhidos a um comportamento calculado, limitado, sem a alegria da espontaneidade, do tentar ser feliz com a simplicidade da vida.
Parei pra pensar no que ela dizia. Na verdade eu mais ri com ela do que fiquei pensando, o pensamento foi rápido e certeiro. Ficamos rindo de besteiras depois. Fiquei lembrando que os meus momentos mais felizes não foram os normais, aqueles criados por normas, mas sim os que foram feitos daquela mesma essência da infância. Uma felicidade que não é normal, nem normalizada, mas livre.

O Lado Bom

O Lado Bom - EuGordinha “Existem olhos que enxergam beleza em todas as formas” Essa frase se encaixa exatamente com o momento de inspiração. Costumo dizer que tudo nessa vida tem um lado bom. Por que críticas não seriam construtivas? O mundo me ensinou que o que realmente vale à pena a gente enxerga até mesmo no escuro, que a nossa aparência para aqueles que não conhecem o que está no nosso coração, não sabem quem somos nem de onde viemos ou como chegamos até aqui, vale mais que nossa essência. Mas me ensinou principalmente a não dar importância para alguns pontos de vista, por que conceitos e teorias todos têm, mas não quer dizer que sejam os únicos. Achar o outro belo varia de um olhar para o outro, “uns desejam ou repudiam o que lhe convêm”. Alguns passam a vida inteira lutando contra alguma coisa, contra a balança, contra o preconceito, contra o amor, contra a morte, contra a vida. Às vezes lutam tanto e se esquecem de observar o outro de forma diferente, esquecem de tentar conhecer, sem julgar, sem ofender ou magoar, preferem rotular e esquecem que não são exemplos de perfeição. Cada um com suas lutas! Vai entender… “Pelo direito de ser livre no ser, agir, pensar, crer. A favor da vida feliz!”
Pessoas precisam de respeito, amor, amizade, carinho, admiração, paz no coração e liberdade de ser, não de rótulos!

– Natália Rodrigues

Nota: As frases entre aspas são da postagem “O Que É A Beleza?

Libertad

Libertad - EuGordinha Pipa Dantas

O nome dessa foto no meu computador chama-se “Libertad”

Eu estava conversando com um grande amigo ontem, o Helio. Aquelas conversas de bar depois de umas doses de tequila, sabe? Chegamos a um assunto: corpos. Mas nada abstrato, especificamente o formato dos corpos, essas massas e suas importâncias, tanto primeira-pessoais quanto terceiras. E a gente percebeu o sofrimento disso tudo. Meu sofrimento por ser gorda, ele por ser magro, a amiga dele por ser alta demais… (bem, pelo menos percebi que não estava sozinha). Passei quase a madrugada toda pensando nisso. Por que MEU corpo é tão julgável para as outras pessoas e, assim, torno esse julgamento minha única verdade? Por que EU devo me padronizar, me alinhar?

Daí vem alguém, no meu caso, e diz “mas é questão de saúde e não de estética” e eu digo que por muito tempo fui mais saudável que todos na minha casa – tudo bem que agora eu dei uma extrapolada, coisa e tal, mas enfim – e eu SEMPRE fui big girl, mas minha mãe, meu pai e meu irmão sempre foram “normais”, nem gordxs, nem magrxs.

Sim, eu sei as consequências que comer gordura em excesso traz, assim como sei as consequências do consumo de bebida, de cigarro, de se ter uma alimentação baseada em carne animal, de viver uma vida estressante, enfim, mas nem por isso saio dizendo “é questão de saúde, não de estética” pra quem fuma haha. É questão de estética, sim. É questão de preconceito, sim. É questão de padronização da beleza, sim. Ninguém está preocupado ou preocupada de verdade com minha saúde, mas da forma como eu me apresento, sem nem falar, às outras pessoas. Essa é a preocupação. O que eu APARENTO ser. Na boa? Cansei. Cansei muito. Cansei de sofrer calada quando percebo que alguém me olha feio na rua. Cansei de ouvir “que pena, tem um rosto tão bonitinho”. Cansei de relembrar minha época de escola e me dar conta de que ser chamada de “baleia quatro olhos” me marcava bastante, porque eu me sentia uma aberração. Já tomei remédio, já fiz milhões de dietas, já pensei em me matar (SIM!) por não ser o que queriam, como se o problema fosse eu e não a outra pessoa. Agora, isso nada mais importa. Isso quer dizer que você, essa pessoa ~MARAVILHOSA~ que julga por aparências, é extremamente desimportante pra mim. Você, seus julgamentos e seu coração sujo. Se você acha que isso não é bonito, o problema é seu, não meu. Se você acha que eu não sou atraente, ffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffoda-se (mantra pra vida). Não nasci pra ser de alguém.

Sou gorda, muito gorda, extremamente gorda, tenho um monte de estria, um monte de celulite, tenho peito pequeno, mas não me caibo em tanta felicidade. Extrapolo. Meu corpo, minhas regras.

Pra quê tanta aparência se o que vale é o coração?

por Pipa Dantas

O Aquário Nosso

 

“Ninguém é uma ilha”

(John Donne – 1572-1631)

Todos nós já nascemos dentro de um aquário e ansiamos o mar. Temos fome de liberdades mais amplas, sejam internas ou externas. As internas, muitas das vezes nem percebemos, mas como são importantes! 🙂

Nascemos inseridos dentro de um ambiente o qual tendo nos proposto ou imposto modos de pensar, acabou por nos influenciar tremendamente no que aceitamos ou nos sentimos coagidos a aceitar, nas suas ideias, jeito de fazer as coisas, enfim… na sua cultura.

Essa tal cultura muda com o passar dos tempos, muda com a variação dos interesses econômicos e etc. A nossa cultura diz que isso ou aquilo é belo e o normal é que a maioria aceite sem questionar. Se num grupo de 10 pessoas 8 dizem que algo é bonito, porque as outras 2 não aceitariam fácil? Alguém pode argumentar comigo que as outras duas TEM DE TER PERSONALIDADE, TEM DE SER QUEM SÃO REALMENTE!!! hahaha, muito fácil dizer isso quando você não é uma das 2 pessoas que está fora do grupo que aceita as coisas.

Somos peixes dentro de um aquário que só varia de tamanho, sendo ele qual aquário for: família – escola – igreja – trabalho – amigos virtuais… No final não conseguimos viver 100% sozinhos e sempre vamos buscar por algum tipo de aquário. Ainda que o nosso objetivo maior seja alcançar o mar.

Proponho que busquemos satisfazer o anseio do mar interior que pode haver dentro de nós. Eu sei que podemos ser felizes um pouco mais por dentro, independente do que digam. Mas se essa tal felicidade não for a nossa e for a imposta eu não sei até que ponto isso pode comprometer a nossa paz interior. Se a paz por acaso for embora, se ela não conviver muito bem com a alegria de estarmos vivos, então eu proponho que REAVALIEMOS o nosso pensamento.

Liberdade

Hoje eu em meio aos problemas vi uma imagem cativante… um tanto triste, mas eu acho que reparei na gaiola pendurada na árvore e vi uma liberdade possível. Lembrei de nossas possibilidades humanas, nosso poder interior dado pelo Eterno. Ele nos dotou de possibilidades. É preciso não ter medo de ser o que Ele nos fez pra ser. Escrevi um poeminha pra descontrair a criatividade

Liberdade

Eu passarinho, na solidão do ar

descobri que posso voar
sozinho.

E por mais que isso parecesse triste,
não foi… sim, foi assustador como a arma em riste
mas foi melhor do que ficar no ninho.

No ninho há conforto mas não há mudanças;
no ar, eu vejo o mundo em danças
e eu posso fazê-lo só ou contigo
se fores meus amigo
se não tiveres medo de voar.