Se for pra ser Gorda, seja uma Gorda por inteira!

Evite ficar no grupo da maioria que não se gosta, não se ama, se odeia, por estar acima do peso no qual dizem que ela tem de estar. Ouse atravessar a porta que faz divisão entre uma vida de vitimismo e uma vida de liberdade!

Sabe o que é ser livre? É pode se olhar no espelho e não vê quem você tem a obrigação de ser mas quem você de fato é. Ser livre é saber que você pode ser amada como é e não precisa eliminar alguns quilos do corpo para que seja desejável. Sim, há homem que amam mulheres gordas e, não, eles não querem só fazer sexo contigo! Sim eu sei que há tarados, fetichistas, que sentem muito tesão em mulheres gordas mas não têm a coragem de assumir diante dos amigos que eles amam ter ao seu lado uma mulher cheia de si num relacionamento sério. Esses tais existem, mas podem ser dispensados de seus pensamentos pois o seu alvo é outro. Ouse sair da zona de dependência emocional, aonde servem apenas migalhas ao invés de um banquete inteiro!

Existem na vida as famosas “amigas” (entre aspas bem grande) que gostam que você vá com elas em alguns lugares pois a mediocridade feminina em querer competir umas contra as outras, faz de você um contrapeso interessante – você já viveu isso? De ter uma “amiga” que te leva nos lugares mas desfaz de você? Já teve uma “amiga” que te usa pra desabafar as dores dela mas que não se importa em tratar e curar as suas dores? Uma “amiga” que diz que você precisa emagrecer para ficar mais bonita, afinal de contas “você tem um rosto lindo”? Te digo, essa ai não é Amiga de verdade! Pode dispensar o relacionamento com ela. Faça passar essa fase de sua vida, esse momento de dependência emocional. Entenda de uma vez por todas que antes só, do que mal acompanhada. Ouse acreditar que você é mais forte do que a solidão e a mesma pode ser desfeita com as companhias certas pois existem mulheres que se amam como são e se apoiam mutuamente para que o corpo gordo não seja um diferencial entre o que considerar Belo ou feio, aceitável ou rejeitável. Ouse descobrir e aceitar o seu próprio valor! Compartilhe com outras gordas o que ilumina a sua alma, para que haja mais luz dentro delas.

Encontre pessoas que te apoiem a ser quem você é de fato! A vida pode ser longa ou curta, não sabemos quanto tempo temos de vida, mas você pode ter certeza de que é melhor viver cada momento desfrutando o que de melhor for possível. E existem tantas possibilidades maravilhosas! Ninguém nasceu pra viver uma vida medíocre, muito menos você! Ouse acreditar no seu potencial escondido em ti mesma, ouse cavar e encontrar o que há de precioso em ti!

Hoje acontece uma revolução no mundo, pode ser que em alguns lugares seja uma revolução silenciosa ou barulhenta, mas faça parte… Amar a si mesma é um ato revolucionário! Ouse, desfrute, viva de verdade! Faça um novo tempo começar agora em sua vida. Creia e tome uma atitude já.

#EuMeAmoGorda

Vai Ter Gorda Na Praia!

Eis um fato da vida, que foi manifesto num ato contra o preconceito, no dia de ontem, domingo, 13 de janeiro de 2019 na praia de Itapuã, em Salvador, na Bahia, Brasil. Daí vocês podem me perguntar o motivo de eu estar começando o texto assim como se fosse notícia de jornal, fato histórico, mas é porque de fato foi assim que aconteceu.

O objetivo foi chamar a atenção para o direito da mulher gorda ocupar o seu espaço público indo de encontro ao preconceito que chamamos de “gordofobia”.

Vai Ter Gorda na Praia em 2019 - mulheres gordas em vários formatos de corpo numa pose para foto

Como pode ser visto na foto acima, várias mulheres gordas aderiram ao movimento posando para expor seus corpos nas mais variadas formas de fofice, como uma forma de chamar a atenção para o fato de que ser gorda não as impede de se sentirem lindas como de fato são, capazes de trabalhar no que se sentirem a vontade, dignas de respeito – o que não acontece muitas das vezes devido ao preconceito, o que acaba gerando uma discriminação terrível.

Vai Ter Gorda na Praia 2019 Salvador BA Brasil

O movimento já existe desde 2016. Eu só estou tomando conhecimento agora em 2019. O grupo surgiu com o intuito de combater a gordofobia, e promover a valorização das mulheres gordas, conforme disse Adriana Santos, organizadora do grupo.

Achei uma iniciativa bacana. Será que poderíamos chamar esse tipo de movimento de Fat Power? Acho que sim. Inclusive esse termo já existe e assim como o Black Power que surgiu para evidenciar a cultura e resistência negra numa sociedade predominantemente racista, o Fat Power se propõe a expor as mazelas sofridas por quem tem um corpo mais volumoso do que o padrão estético imposto como melhor do que os outros.

Sabe o que eu acho infeliz nisso tudo? O fato de ainda ser necessário esse tipo de manifestação no mundo. Isso demonstra o tanto que ainda precisamos evoluir para aceitarmos uns aos outros e mais, aceitarmos a nós mesmos tal qual somos. Quantas pessoas ainda precisarão sofrer com bullying, discriminação, rejeição e auto rejeição pelo fato de terem um corpo diferente do que uma grande maioria opina não ser aceitável?

Padrões estéticos não deveriam ser a regra para medir o tanto que uma pessoa deveria fazer ou não com o seu corpo para ser aceitável na sociedade. Ao dizer isso eu não defendo o excesso de peso ao extremo de prejudicar a saúde. Sou muito a favor de que cada mulher decida qual corpo quer ter, desde que se mantenha saudável, feliz, de bem consigo mesma e com aqueles que a amam e a aceitam como ela é. O respeito por si mesma também deve ser levado em consideração.

Parabéns para as meninas do movimento #VaiTerGorda, seja na praia, no shopping, no parque, onde cada gorda bem quiser estar! O mundo é nosso e não apenas de uma minoria que deseja regular quem deve ou não deve ser do jeito que eles querem. Um Salve bem grande para a liberdade de existir, seja como bem quisermos!

Forte abraço pras amiggas!