Você Sabe Porque Meninos Vestem Azul e Meninas Vestem Rosa?

Fui pego de surpresa no twitter, Vanessa da Mata dizendo que a gente veste a cor que quiser…

https://platform.twitter.com/widgets.js

Fiquei confuso pois a polêmica continuava em outros tweets e eu ainda não sabia do que se tratava, não tinha visto nada no facebook ou demais redes sociais. Dei uma olhadinha no google e descobri que no terceiro dia governo do presidente Jair Bolsonaro, Damares Alves, titular do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, publicou vídeo afirmando sobre “nova era” no Brasil. A frase que virou meme e gerou polêmica foi: “menino veste azul e menina veste rosa”

Ela diz que fez uma metáfora contra a ideologia de gênero, mas quando assim declarou já tinha virado meme e desperto uma porção de gente que fiz hastgar #CorNãoTemGênero e etc.

A Origem…

Fato é que esse evento me lembrou algumas origens históricas do motivo pela qual usamos roupas de certas cores. Confira abaixo:

Quando – e por que – o rosa se tornou cor de menina?

O rosa só se estabeleceu de vez como uma cor feminina na década de 1980. Mas o caminho até lá foi longo. Acompanhe a história:

Durante séculos, as tinturas para roupa eram muito caras e crianças de qualquer gênero usavam vestidos brancos até uns 6 anos de idade. Os tons pastéis – entre eles, o rosa e o azul – só começaram a ser associados a crianças no início do século 20, pouco antes da 1ª Guerra Mundial.

Na época, porém, ainda não havia uma distinção de gênero estabelecida. Havia até quem defendesse o oposto da norma que vigora hoje: uma artigo de 1918 da Earnshaw’s Infants’ Department dizia que rosa era para meninos e azul para meninas. Isso porque o rosa seria uma cor mais “forte e decidida”; já o azul, mais “delicado e amável”. Perceba que só muda a paleta de cores: o machismo implícito à explicação está lá, intacto.

Em 1927, após uma pesquisa em diversas lojas de departamento norte-americanas, a revista Time concluiu (veja o artigo original) que a dicotomia entre rosa e azul não era unanimidade: três lojas recomendavam rosa para meninos, outras três, para meninas. Uma última recomendava rosa para ambos, sem distinções.

No texto introdutório da Time, lê-se: “Na Bélgica, a Princesa Astrid (…) deu à luz na noite anterior a uma filha de 3,1 kg. Disseram os despachos: ‘O berço foi enfeitado de rosa, a cor para os meninos, sendo a das meninas o rosa’. Disseram muitos leitores de jornal dos EUA: “O quê? Rosa para um GAROTO? Na nossa família, nós temos usado rosa para GAROTAS, e azul para garotos”.

Após a 2ª Guerra Mundial, a mais famosa entusiasta e divulgadora do rosa foi Mamie, a esposa do presidente Dwight Eisenhower (que governou entre 1953 e 1961). Ela foi à festa de posse de seu marido em um vestido rosa exuberante, e passou a usar a cor em muitos compromissos oficiais. Sua postura – dona de casa submissa, esposa de um militar – foi popular na elite machista da época, pré-revolução sexual. As jovens da época, que trabalharam em fábricas e vestiram roupas azuis ou pretas durante a maior parte do conflito, gostaram do contraste.

Mamie Eisenhower. (wikipédia/Wikimedia Commons)

No final da década de 1960, auge de movimentos sociais e do pacifismo, era comum o uso de roupas unissex para meninas. Roupas de gênero neutro permaneceram populares até que em meados da década de 1980 o rosa se impôs definitivamente na paleta de cores de produtos femininos. A popularização do teste pré-natal para descobrir o sexo do bebê contribuiu para acelerar a mudança. Os pais descobriam o sexo do bebê bem antes do nascimento e iam direto às compras, virando presas fáceis para as convenções do mercado.

Para saber mais, um bom livro é Pink and Blue: Telling the Girls From the Boys in America, de Jo B. Paoletti (aqui) – que infelizmente não tem uma versão em português.

As cores das Roupas e Sua Influência no Imaginário

A associação é tão comum que nem parece precisar de explicação, mas nem sempre meninos vestiram azul e meninas vestiram rosa. Segundo o livro Dictionary Of Omens and Supersticions (“Dicionário de Agouros e Supertições”, sem tradução em português), o costume já existia na era pré-cristã, quando se acreditava que algumas cores podiam expulsar os espíritos nefastos que rondavam os recém-nascidos. Como bebês do sexo masculino eram mais valiosos, passaram a ser vestidos com roupas azuis, cor associada aos espíritos do bem (por ser a mesma do céu). As meninas, quando recebiam alguma atenção, ganhavam roupas pretas, cor-símbolo da fertilidade na cultura oriental, de onde possivelmente veio a crença nos espíritos.

Foi só no século 19 que o rosa ganhou alguma ligação com a feminilidade, influenciado por uma lenda européia que diz que as meninas nascem de rosas e os meninos de repolhos azuis. Esse padrão, no entanto, não se disseminou por todo o mundo. Por um bom tempo, na França, as meninas se vestiam de azul, por causa da tradição católica, que associa a cor à pureza da Virgem Maria.

Se quiser ler na íntegra segue o link aqui. e aqui.

Forte abraço cultural pra ti!