Dieta x reeducação alimentar

beneficios-da-reeducação-alimentar-2

Você sabe a diferença? Então fique atenta e emagreça definitivamente

Você come, come, come, sem se preocupar com a qualidade dos alimentos. Um dia, nada belo, se dá conta de que está beeem acima do peso. A solução? Alguma dieta do momento, claro! Sua amiga fez aquela famosa “do cristal” e perdeu os infelizes cinco quilos que a incomodavam. Sua vizinha enxugou oito com a do “miojo”. Óbvio que terá uma que vai servir para você. Mas, depois de um tempo em lua-de-mel com a balança, tudo volta a ser o que era antes… Até a próxima dieta. É aí que está seu erro – e o da maioria das pessoas. Emagrecer deve ser uma questão definitiva e só conseguimos resolvê-la de uma forma: reeducando nosso metabolismo. No entanto, para isso, devemos consertar primeiro nossa alimentação.

Para começar, é importante entender o conceito de dieta e de reeducação alimentar. Segundo a nutricionista Bárbara Sanches, a dieta seria um regime prescrito a uma pessoa geralmente com restrição total ou parcial de certos alimentos, e sempre com alguma finalidade terapêutica. Já a reeducação alimentar é o processo de aprendizado, conscientização e mudança de hábito alimentar de forma gradativa. “É o entendimento de erros alimentares e a compreensão do que é necessário ser alterado para prevenção, recuperação e/ou promoção da saúde”, descreve Barbara Sanches.

O objetivo da dieta é atingir algum efeito terapêutico, seja ele a diminuição de taxas elevadas de colesterol, a redução de peso, aumento de massa muscular etc

Pontapé inicial: dieta

Se você quer e precisa perder peso, você realmente pode estar necessitando entrar numa dieta. No entanto, não seria uma dessas milagrosas da moda, porque um regime deve, antes de mais nada, ter coerência e respeito com a saúde. “O objetivo da dieta é atingir algum efeito terapêutico, seja ele a diminuição de taxas elevadas de colesterol, a redução de peso, aumento de massa muscular etc. Mas, para a manutenção dos resultados alcançados, é preciso que esta dieta introduza mudanças saudáveis na alimentação, que deverão se tornar um hábito”, afirma a nutricionista Barbara Sanches, alertando: “Se isso não ocorrer, e a alimentação voltar como era antes, muito provavelmente, a pessoa retornará com as doenças, sinais e sintomas que apresentava anteriormente”.

Outro erro cometido por quem quer emagrecer é entender que dieta é a mesma coisa que fome. E redução calórica radical não é a solução. Isso porque a ausência de calorias pode significar a ausência de nutrientes importantes, provenientes delas. E, dessa forma, nossas necessidades diárias desses substratos – muitos deles fundamentais para a metabolização da gordura corporal – não são atendidas, prejudicando inclusive o próprio emagrecimento. Sem contar, outros processos essenciais à saúde.

Por isso, a nutricionista Barbara Sanches alerta que toda e qualquer dieta deve sempre ser prescrita e acompanhada pelo nutricionista, que é o profissional capacitado para detectar déficits nutricionais, bem como corrigi-los por meio da alimentação.

Qualidade x quantidade

Portanto, o importante é se preocupar com a qualidade da alimentação e não com a quantidade. Barbara Sanches explica que a variedade do cardápio é fundamental para que o organismo não seja privado dos nutrientes essenciais – como proteínas, minerais, vitaminas, fibras, gorduras e carboidratos. “Devemos priorizar frutas, verduras, legumes, alimentos integrais, consumir gorduras de boa qualidade, como as oleaginosas (amêndoas, nozes, castanhas etc.), azeite de oliva extra-virgem e óleo de canola; variar o consumo de peixe, frango, ovo e carne vermelha (em menor quantidade). E não esquecer das fontes protéicas vegetais (feijão, quinua, soja, entre outras)”, orienta a nutricionista, lembrando ainda que a ingestão de líquidos, como água, chás e sucos, também é muito importante.

Força de vontade

OK. Você fez a sua dieta, perdeu seus quilinhos extras, entendeu que precisa se conscientizar sobre seus hábitos alimentares. Mas é importante ter em mente que, num processo de transformação de estilo de vida, o mandamento número um é… força de vontade! “Qualquer mudança de hábitos, independentemente de qual, não é fácil. A pessoa geralmente é obrigada a deixar de realizar atividades que esta acostumada. Quando se trata da alimentação, ainda ocorre outra dificuldade, que é o hábito da família e das pessoas com quem se convive. Com certeza, isso influencia na escolha do cardápio. Por isso, a transição deve ser feita de forma gradativa, exigindo força de vontade e conscientização para que se incorporem hábitos novos”, finaliza Barbara Sanches.

Via BolsaDeMulher

Anúncios

Obesidade pode ter efeito protetor contra o Alzheimer, diz estudo

Estudo foi baseado nos registros médicos de 2 milhões de britânicos.
Autor de estudo alerta que obesidade traz muitos outros riscos.

Da France Presse
Sobrepeso (Foto: Roos Koole/ANP MAG/ANP/Arquivo AFP)Pesquisa concluiu que sobrepeso e obesidade podem ser fator de proteção contra Alzheimer (Foto: Roos Koole/ANP MAG/ANP/Arquivo AFP)

A obesidade faz aumentar ou protege contra o risco de Alzheimer? Um estudo publicado nesta sexta-feira (10), na contramão de trabalhos precedentes, indica que pessoas magras têm mais risco de desenvolver demência em comparação às de peso normal ou obesas.

A magreza é definida por um índice de massa corporal (IMC) inferior a 20 kg/m², enquanto o excesso de peso começa em 25 e a obesidade em 30. O peso normal se situa num intervalo entre 20 a 25.

Vários estudos anteriores estabeleciam uma ligação entre excesso de peso e as demências (incluindo Alzheimer) que afetam cerca de 50 milhões de pessoas em todo o mundo, a maioria delas com idade avançada.

Mas neste estudo publicado na revista médica “The Lancet Diabetes e Endocrinologia”, pesquisadores britânicos mostraram, ao contrário, que as pessoas com idade entre 40 a 55 anos magras têm um risco aumentado em 34% de apresentar demência mais tarde na vida, em comparação àquelas de peso normal.

Ainda mais surpreendente, as pessoas com obesidade mórbida (IMC acima de 40) têm uma diminuição do risco de demência em 29% em comparação às pessoas de peso normal.

O estudo foi baseado nos registros médicos de quase 2 milhões de britânicos de meia-idade (idade média de 55 anos no início do estudo) e IMC médio de 26.

Eles foram acompanhados por um período máximo de 20 anos, durante os quais 45.507 foram diagnosticados com demência.

Comparando os dados e ajustando os resultados para explicar outros fatores de risco para demência (como álcool ou tabaco), os pesquisadores foram capazes de estabelecer uma relação entre o aumento do IMC e uma redução progressiva do risco de demência, inclusive em pacientes obesos ou com sobrepeso.

Sem explicação
O epidemiologista Nawab Qizilbash, que coordenou o estudo, reconhece que não é possível, nesta fase, explicar estes resultados.

“Muitos fatores como dieta, atividade física, fragilidade, fatores genéticos ou alterações de peso associadas a outras doenças, poderiam desempenhar um papel”, observa o médico.

Por todas estas razões, o médico alerta que não é questão de aconselhar às pessoas magras que ganhem peso.

Quanto aos obesos, mesmo que haja efeitos protetores para a demência, eles podem “não viver tempo suficiente para se beneficiar”, porque, lembra o pesquisador, eles são mais propensos a desenvolver doenças cardiovasculares ou certos tipos de câncer.

Em um comentário anexo ao estudo, a neurologista americana Deborah Gustafson reconhece que os estudos existentes são “ambíguos” e que o estudo britânico não é certamente “a palavra final sobre um assunto tão polêmico”.

Libertad

Libertad - EuGordinha Pipa Dantas

O nome dessa foto no meu computador chama-se “Libertad”

Eu estava conversando com um grande amigo ontem, o Helio. Aquelas conversas de bar depois de umas doses de tequila, sabe? Chegamos a um assunto: corpos. Mas nada abstrato, especificamente o formato dos corpos, essas massas e suas importâncias, tanto primeira-pessoais quanto terceiras. E a gente percebeu o sofrimento disso tudo. Meu sofrimento por ser gorda, ele por ser magro, a amiga dele por ser alta demais… (bem, pelo menos percebi que não estava sozinha). Passei quase a madrugada toda pensando nisso. Por que MEU corpo é tão julgável para as outras pessoas e, assim, torno esse julgamento minha única verdade? Por que EU devo me padronizar, me alinhar?

Daí vem alguém, no meu caso, e diz “mas é questão de saúde e não de estética” e eu digo que por muito tempo fui mais saudável que todos na minha casa – tudo bem que agora eu dei uma extrapolada, coisa e tal, mas enfim – e eu SEMPRE fui big girl, mas minha mãe, meu pai e meu irmão sempre foram “normais”, nem gordxs, nem magrxs.

Sim, eu sei as consequências que comer gordura em excesso traz, assim como sei as consequências do consumo de bebida, de cigarro, de se ter uma alimentação baseada em carne animal, de viver uma vida estressante, enfim, mas nem por isso saio dizendo “é questão de saúde, não de estética” pra quem fuma haha. É questão de estética, sim. É questão de preconceito, sim. É questão de padronização da beleza, sim. Ninguém está preocupado ou preocupada de verdade com minha saúde, mas da forma como eu me apresento, sem nem falar, às outras pessoas. Essa é a preocupação. O que eu APARENTO ser. Na boa? Cansei. Cansei muito. Cansei de sofrer calada quando percebo que alguém me olha feio na rua. Cansei de ouvir “que pena, tem um rosto tão bonitinho”. Cansei de relembrar minha época de escola e me dar conta de que ser chamada de “baleia quatro olhos” me marcava bastante, porque eu me sentia uma aberração. Já tomei remédio, já fiz milhões de dietas, já pensei em me matar (SIM!) por não ser o que queriam, como se o problema fosse eu e não a outra pessoa. Agora, isso nada mais importa. Isso quer dizer que você, essa pessoa ~MARAVILHOSA~ que julga por aparências, é extremamente desimportante pra mim. Você, seus julgamentos e seu coração sujo. Se você acha que isso não é bonito, o problema é seu, não meu. Se você acha que eu não sou atraente, ffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffoda-se (mantra pra vida). Não nasci pra ser de alguém.

Sou gorda, muito gorda, extremamente gorda, tenho um monte de estria, um monte de celulite, tenho peito pequeno, mas não me caibo em tanta felicidade. Extrapolo. Meu corpo, minhas regras.

Pra quê tanta aparência se o que vale é o coração?

por Pipa Dantas

A Dieta do Palhaço

Dieta do Palhaço - EuGordinhaPra quem nunca viu está ai um documentário interessante que surgiu da proposta de se saber o quão prejudicial poderia ser a comida servida no McDonald’s depois que duas meninas com sobrepeso processou a rede de fast-food por conta de seus problemas com o peso.

Super Size Me (br: Super Size Me – A dieta do palhaço / pt: Super Size Me – 30 dias de fast food) é um documentário estadunidense de 2004, escrito, produzido, dirigido e protagonizado por Morgan Spurlock, um cineasta independente dos Estados Unidos da América.
No filme, Spurlock segue uma dieta de 30 dias (fevereiro de 2003) durante os quais sobrevive em sua totalidade com a alimentação e a compra de artigos exclusivamente do McDonald’s. O filme documenta os efeitos que tem este estilo de vida na saúde física e psicológica, e explora a influência das indústrias da comida rápida.
Durante a gravação, Spurlock comia nos restaurantes McDonald’s três vezes ao dia, chegando a consumir em média 5000 kcal (o equivalente de 6,26 Big Macs) por dia durante o experimento.
Antes do início deste experimento, Spurlock, comia uma dieta variada. Era saudável e magro, e media 188 cm de altura com um peso de 84,1 kg. Depois de trinta dias, obteve um ganho de 11,1 kg, uns 13% de aumento da massa corporal deixando seu índice de massa corporal em 23,2 (dentro da faixa “saudável” 19-25) a 27 (“sobrepeso”). Também experimentou mudanças de humor, disfunção sexual, e dano ao fígado. Spurlock precisou quatorze meses para perder o peso que havia ganhado.
O fator que motivou Spurlock para fazer a investigação foi a crescente propagação da obesidade em todo os Estados Unidos da América, que o diretor do serviço público de saúde dos Estados Unidos da América tinha declarado como “epidemia”, e a correspondente demanda judicial contra o McDonald’s em nome de duas meninas com sobrepeso, que alegaram que se converteram em obesas como resultado de comer alimentos do McDonald’s. Spurlock disse que apesar do processo contra McDonald’s ter falhado, grande parte da mesma crítica contra as companhias de tabaco se aplica as franquias de comida rápida. Embora se podia argumentar que a comida rápida, ainda seja psicologicamente viciante, não é tão viciante como nicotina.
O filme foca o Mc Donald’s como um dos representantes da indústria alimentar estadunidense, que criou tamanhos exagerados de porções e que, sempre que possível, induz ao consumo de mais e maiores porções, fazendo com que a população consuma muito além do necessário para uma alimentação saudável. Saiba mais aqui

Dieta do Palhaço - EuGordinha (1)

 

Quanta bobagem uma pessoa só pode dizer?

Quanta bobagem uma pessoa só pode dizer???

“Eu não engulo a afirmativa: “sou gordinha e sou feliz”. Não sou por causa da estética, mas não acredito que uma pessoa “doente”, pois obesidade é doença, sinta-se feliz em estar doente.”
“Nunca fui e jamais serei a favor dessa falsa auto aceitação que pregam por aí. Temos que nos amar sim, amar tanto a ponto de sermos capazes de lutar contra essa doença silenciosa que nos deforma não só esteticamente, mas que debilita nossa saúde e que também maltrata nosso bem estar emocional.” (Determinado blog que não vou nem citar)

Essa pessoa é tão confusa que não consegue ter coerência no que diz. Primeiro diz que não é pela estética que está lutando contra a obesidade, depois diz que “deforma” o corpo.
Olha meu bem, sinto lhe informar, mas nossos corpos não tem nada de deformados, minha saúde não está debilitada e meu emocional nunca esteve tão bem!

Você não estava feliz com você, foi lá, lutou, batalhou, se reeducou e agora está ficando feliz… LINDO!!! A palavra da vez é essa gatinha, FELICIDADE!!!

Fale por você e não pelos outros! Eu falo por mim! Tenho 130 kg, 1,72 de altura, manequim 54 e um ego infinito! Exames perfeitos, melhores que de muita magrinha por ai… Sou gordinha não… SOU GORDA! OBESA! Pelo cálculo do IMC, MÓRBIDA… Mas sabe, eu também sou morbidamente FELIZ com o meu corpo! Gorda e feliz! E é isso que assusta pessoas como você que não conseguiram ser felizes como são!
Trabalho, estudo, saio, namoro, transo, como, bebo, me visto bem… Faço tudo que qualquer pessoa faz!

Michelle Gomes

Não te julgo! Cada um tem que buscar a sua verdade e ser feliz através dela… E essa é a MINHA VERDADE! E de tantas outras que, como eu, aprenderam a amar seu corpo como ele é sem precisar mudar nadinha! Aprenderam tratá-lo como um templo de amor e respeito e adorá-lo como tal.
Por favor, não me venha com esse discurso que só é feliz quem é magro!
Já está bem démodé!

Temos Tamanhos Grandes

Achei na página do Sou Gordinha, Sim e Daí? resolvi compartilhar por ser bem útil com a temática do Blog.

História linda linda linda!!!!!

Minha amiga trabalha em um brechó de um hospital, como voluntária.
Certo dia adentrou na loja uma certa “senhora bastante obesa”, e de cara a minha amiga pensou que não tinha nada na loja na numeração dela. Se sentiu apreensiva e constrangida naquela situação, vendo a senhora percorrer as araras em busca de algo que minha amiga sabia que ela não encontraria.

Ficou angustiada, porque não queria que a senhora se sentisse mal pelo tamanho das peças de roupas, se sentindo excluída e fazendo a questão sobre o seu sobrepeso vir à tona de forma implícita. Naquele momento minha amiga orou a Deus e pediu que lhe desse sabedoria para conduzir a situação evitando que a cliente se sentisse excluída ou humilhada na sua autoestima. Foi quando o esperado aconteceu. A senhora se dirigiu à minha amiga e disse tristinha:“É… não tem nada grande, não é?”
E a minha amiga, sem até aquele momento saber o que diria, simplesmente abriu os braços de uma ponta a outra e lhe respondeu:
“Quem disse? Claro que tem! Olha só o tamanho deste abraço!” – E a abraçou com muito carinho. A senhora então se entregou àquele abraço acolhedor e deixou-se tomar pelas lágrimas exclamando: “Há quanto tempo que ninguém me dava um abraço.” E chorando, tal qual uma criança a procura de um colo, lhe disse:“Não encontrei o que vim buscar, mas encontrei muito mais do que procurava”. E naquele momento, através dos braços calorosos de minha amiga, Deus afagou a alma daquela criatura, tão carente de amor e de carinho. Quantas almas não se encontram também tão necessitadas de um simples abraço, de uma palavra de carinho, de um gesto de amor. Será que dentro de nós, se procurarmos no nosso baú, lá nas prateleiras da nossa alma, no estoque do nosso coração, também não acharemos algo “grande” que sirva para alguém?
Clique aqui para ler mais Clique Aqui