Recomeços

Recomeços - EuGordinhaFaz uns anos eu comecei com esse blog e meu intuito era estar conversando com as meninas gordinhas no mundo virtual, tal qual conversava com as minhas amigas mais próximas que me incentivaram a falar com mais pessoas o que a gente já acontecia no particular.

Naqueles tempos não se falava tanto em Gordofobia, não haviam movimentos ativistas em prol das mulheres gordinhas para que se empoderassem como acontece hoje em dia. Aos poucos o movimento plussize foi tomando forma na moda, na mídia, na cabeça de muita gente que não enxergava a mulher gorda como ela de fato é. Pra falar a verdade, ainda há muita gente que não enxerga a mulher gorda como sendo uma mulher, uma pessoa, um ser humano e vivo como tantos outros que existem. Tem vez que nem a própria mulher se enxerga como deveria.

Ser gorda ou ser magra, se mulher, ser humano, ser menina, jovem, idosa, ser pessoa. Por qual motivo será que o SER em si carrega tanta complexidade? Por qual motivo será que EXISTIR em alguns momentos parece ser algo tão difícil?

As respostas para essas e outras perguntas me motivam a sempre estar buscando os melhores caminhos para a vida. Alguém já disse com muita propriedade que:

“A vida é simples, somos nós quem a complicamos”.

Faz sentido pra mim. Muitas vezes é isso mesmo.

Viver pode ser simples e fácil, assim como pode ser complexo e difícil. Vai depender muito de nós mesmos, da forma como vamos perceber e encarar as coisas que acontecem dentro e fora de nós.

Se antes a minha intenção era conversar com as meninas como fazia com as minhas amigas, proporcionar um outro ponto de vista mais positivo sobre a vida, hoje a intenção mudou. Quero encorajar a todas as mulheres gg, que tomem o posicionamento de serem livres para existir, pois uma das melhores experiências na vida é sentir-se livre para ser quem queremos ser.

Retomo a escrita aqui no blog e a atuação nas redes sociais, com intuito de compartilhar conteúdo que fortaleça quem podemos ser de dentro pra fora. Hoje eu sei que dentro de nós há muito mais do que potencial de vida, há potencial de realização e de felicidade. Mas esse potencial não se transformará no Bem que possa nos trazer, simplesmente estando lá, quietinho dentro de nós. Precisamos pegar a semente e plantar na terra se quisermos ver o broto, as folhas, flores, frutos. Se quisermos ser felizes nessa única vida que temos, teremos de agir para que essa felicidade aconteça. A vida por si só já é um milagre que acontece, mas nem todos nós reconhecemos isso ao ponto de desfrutar.

Forte abraços para todas as amiggas!

Full Bus (Ônibus Cheio)

image

Nota: Não é nada fácil andar logo de manhã cedo dentro de um ônibus cheio. O motorista vai parando em cada ponto, enchendo o espaço que há com mais corpos do que antes se achava ser possível. Em dados momentos a pressão entre os mesmos, em pé no corredor, se esforçando pra se manterem equilibrados, sofrem o que poderia se igualar a uma luta corporal injusta, tendo em vista que ambos perdem mas ainda assim fazem força pra ficar com o mínimo de conforto no pouco espaço disponível. O jogo de empurra empurra não vai dar em nada, ambas sardinhas enlatadas não conseguirão sair de suas posições comprimidas até que se chegue ao seu destino. O que se há de fazer quando dentro de uma situação como essa? No exato momento que o fato acontece, tudo motiva angústia, raiva, indignação, tristeza, toda uma gama de emoções e sentimentos dispostos a estragar o dia. Mas a resiliência ensina que devemos suportar a adversidade e chegar até o cumprimento de nosso objetivo sem sermos derrotados pelo meio do caminho. Uma boa argumentação mental ajuda nesse sentido. A mente passa a buscar na memória com auxílio da razão, palavras de ânimo baseadas na realidade por mais dura que seja. O foco passa a ser um futuro breve, logo ali no fim da viagem, que na pior das hipóteses vai demorar no máximo três horas – estimativa essa calculada pra mais, bem mais do que o que de fato acontece. Não foi à toa que Jesus ensinou: “Se te obrigarem a caminhar uma milha, caminhe duas”. Jesus estava ensinando a resiliência, treinando as mentalidades que quisessem ser mais fortes e vencedoras. A sensação de uma pessoa presa na situação de um ônibus cheio é aquela do tipo que faz parecer que a pessoa é uma derrotada e está em situação de extrema desvantagem na vida. Isso pode ser um fato, inclusive humilhante. Acontece que a aparência das coisas não deve ser a última verdade. Quando passamos a ver mais adiante, a condição da vida fora do ônibus, em liberdade de corpo não tocado pela presença de estranhos, a disposição emocional muda e podemos inclusive rir da situação. A gente passa a ver  que no passado os escravos nos navios negreiros deviam sofrer situação parecida ou pior, mas foram sobreviventes e trouxeram a esse continente chamado humildemente de Brasil, a força com a qual muito do que está de pé foi construído. Os supostos escravos de hoje em dia, diferentes dos outros têm a seu favor a possibilidade de comprar a própria carta de alforria, por meio de uma mudança de vida.  Um dos pensamentos que surgem quando em situação de dificuldade quando não somos vencidos pelo que for negativo, é: O que posso fazer pra mudar isso? Tal questionamento pode ser a semente de uma bela colheita. Pois é do viver uma dificuldade que surge a consciência dela e também pode surgir a proposta de solução para o problema. Reclamar de um problema por si só não o resolve, pode ser perda de tempo e energia de vida. Mas ficar bem disposto e aprender o que possa ser útil na dificuldade, isso faz toda diferença pra melhor.

Fortes Mudanças

Sobre as Fortes Mudanças

Cada visão diversa que se possa ter sobre a vida é válida pra que o pensamento não se acomode ao que é comum, corriqueiro, costumeiro. O que é motivo de tristeza, quando dizemos que a vida está um tédio, uma rotina chata, uma mesmice.

O bom do relacionamento com o outro é ver que o outro pensa diferente de nós. É sempre mais rico ver como pensa o outro, mesmo que não concordemos com o mesmo, mesmo que não venhamos adotar as mesmas atitudes. O bom da vida é ter essa possibilidade de escolher, as opções. Ver o que o outro vive pesar se o mesmo seria bom para nossas vidas.

Admiro no budismo certa resignação para com alguns eventos da vida. A resignação nem sempre é má, tem seu lado positivo. Em todo movimento, há um repouso necessário. Na visão do Budismo, existem alguns eventos que se acreditam que vão acontecer e pronto, não tem pra onde fugir. O fato vai acontecer e… O que será de nós? Seremos o que agirmos a respeito. Tem horas que sentimos como se os acontecimentos nos roubassem algo muito desejado; as mudanças fazem com que posições sejam arranjadas de tal maneira que nos sentimos desfavoráveis. Então o que fazer?

 O grande talento do ser humano é a ADAPTABILIDADE. Somos muito ágeis no sentido de nos mover em direções diversas, nos adaptar. Que venhamos a tirar vantagem disso mudando o que é a origem de nossas ações, o pensamento.

Resiliência

Não sou dicionário, mas tem uma palavra qual amo o significado, compartilho aqui:

resiliência é um conceito psicológico emprestado da física, definido como a capacidade de o indivíduo lidar com problemas, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas – choque, estresse etc. – sem entrar em surto psicológico. No entanto, Job (2003), que estudou a resiliência em organizações, argumenta que a resiliência se trata de uma tomada de decisão quando alguém depara com um contexto entre a tensão do ambiente e a vontade de vencer. Essas decisões propiciam forças na pessoa para enfrentar a adversidade. Assim entendido, pode-se considerar que a resiliência é uma combinação de fatores que propiciam ao ser humano condições para enfrentar e superar problemas e adversidades.

Fonte:Wikipédia