Autopiedade

Autopiedade - EuGordinhaAuto-piedade é o sentimento, emoção ou comportamento de pena de si mesmo diante de um evento estressante. É um sentimento associado ao auto-conforto com importante papel nas relações humanas. Pode envolver desde um comportamento breve, ocasional e transtório como comer doces após um dia estressante até um traço de personalidade central expressado mesmo sem provocação ou diante de percepções distorcidas e que causa sofrimento a si e aos outros mas é mantido por um ganho secundário. (Fonte: Wikipédia)

Esse tema já vinha me perambulando os pensamentos faz uns dias. Ai ontem de noite li num trecho do livro que estou amando, ai hoje cedo comentaram comigo a respeito. Diante de tanta gente reclamando do tanto que os outros os fazem sofrer. Já fui assim, não nego, mas… tem uma hora que a gente tem de entender que não dá pra viver o tempo todo se sentindo vítima dos outros. Uma vez ouvi de uma amiga que: “Só fazem com a gente o que de alguma forma permitimos” – e estávamos falando sobre as questões interiores, o modo como lidamos com as emoções e sentimentos despertados. E notei que é assim mesmo. E tem vez que a gente gosta de ficar curtindo uma dorzinha, ficar se sentindo inho, inha, coitadinho, coitadinha, pequenininho, pequenininha, sofridinho, sofridinha… Eu sei que situações traumáticas podem acontecer em nossas vidas, causando dores cujas feridas abertas doem muito toda vez que de algum modo forem tocadas. Mas tem uma hora que a gente tem de dicidir que vai ficar curtindo isso, ou se vai tratar. Andar meio mundo com um espinho no pé não é muito inteligente… aliás, quem tem espinho no pé, quando anda, não anda muito… deixa a vida atravancada, sem muitos acontecimentos dos mais gostosos de se viver. Eu sei que é uma aprendizagem virar o jogo nesse sentido, mas o bom é que, é POSSÍVEL. É bom ter isso em mente. Um coração partido, por mais dolorido que tenha sido, tem cura. Ainda estou em proceso de cura em muitas pequenas áreas de minha vida, mas já fui curado em muitas coisas, por isso acredito em um coração 100% saudável. Prezo por isso, e espero que meus leitores por aqui também compreendam e queiram isso para as suas vidas.

Forte abraço pra quem dele carece pra vencer mais um dia!

Nada Como Um dia Após o Outro

corações de giz EuGordinha

Pois então, segundo dia do ano e a gente na vibe de por as coisas em ordem. Alguém ai ainda está de ressaquinha? Bora levantar e por a vida em curso porque temos muito o que aprender, ganhar, conquistar.

Hoje eu gostaria de falar sobre a capacidade que o ser humano tem de se superar. Dizem os cientistas que estamos vivos graças a nossa capacidade de adaptação. Seja física ou emocional… quero me ater a adaptação emocional.

Nosso coração por mais que sofra, sempre encontra um modo de superar. Seja se trancando (um modo fácil de fugir da dor, mas um pouco arriscado quando não nos deixa viver o que pode vir de novo), ou seja se liberando a viver coisas novas com outras pessoas, em outras situações – principalmente consigo mesmo, consigo mesma.

O bom da vida são as oportunidades que podem surgir e principalmente as oportunidades que nós fazemos acontecer. Pergunte sem medo da resposta, surpreenda-se com as respostas. Pouse o seu olhar sobre o ser desejado, se ele está disponível a algo mais do que um olhar… sorte a sua. Se esforce em algo que é certo mesmo que o corpo já esteja um tanto cansado. Pense nos benefícios a longo prazo que a vida lhe proporciona. Nada que se cultiva com afinco tem seu fruto amargo – desde que seja algo justo.

Vamos viver um dia de cada vez. Os grandes sonhos são realizados dos pequenos atos do dia a dia.