Libertad

Libertad - EuGordinha Pipa Dantas

O nome dessa foto no meu computador chama-se “Libertad”

Eu estava conversando com um grande amigo ontem, o Helio. Aquelas conversas de bar depois de umas doses de tequila, sabe? Chegamos a um assunto: corpos. Mas nada abstrato, especificamente o formato dos corpos, essas massas e suas importâncias, tanto primeira-pessoais quanto terceiras. E a gente percebeu o sofrimento disso tudo. Meu sofrimento por ser gorda, ele por ser magro, a amiga dele por ser alta demais… (bem, pelo menos percebi que não estava sozinha). Passei quase a madrugada toda pensando nisso. Por que MEU corpo é tão julgável para as outras pessoas e, assim, torno esse julgamento minha única verdade? Por que EU devo me padronizar, me alinhar?

Daí vem alguém, no meu caso, e diz “mas é questão de saúde e não de estética” e eu digo que por muito tempo fui mais saudável que todos na minha casa – tudo bem que agora eu dei uma extrapolada, coisa e tal, mas enfim – e eu SEMPRE fui big girl, mas minha mãe, meu pai e meu irmão sempre foram “normais”, nem gordxs, nem magrxs.

Sim, eu sei as consequências que comer gordura em excesso traz, assim como sei as consequências do consumo de bebida, de cigarro, de se ter uma alimentação baseada em carne animal, de viver uma vida estressante, enfim, mas nem por isso saio dizendo “é questão de saúde, não de estética” pra quem fuma haha. É questão de estética, sim. É questão de preconceito, sim. É questão de padronização da beleza, sim. Ninguém está preocupado ou preocupada de verdade com minha saúde, mas da forma como eu me apresento, sem nem falar, às outras pessoas. Essa é a preocupação. O que eu APARENTO ser. Na boa? Cansei. Cansei muito. Cansei de sofrer calada quando percebo que alguém me olha feio na rua. Cansei de ouvir “que pena, tem um rosto tão bonitinho”. Cansei de relembrar minha época de escola e me dar conta de que ser chamada de “baleia quatro olhos” me marcava bastante, porque eu me sentia uma aberração. Já tomei remédio, já fiz milhões de dietas, já pensei em me matar (SIM!) por não ser o que queriam, como se o problema fosse eu e não a outra pessoa. Agora, isso nada mais importa. Isso quer dizer que você, essa pessoa ~MARAVILHOSA~ que julga por aparências, é extremamente desimportante pra mim. Você, seus julgamentos e seu coração sujo. Se você acha que isso não é bonito, o problema é seu, não meu. Se você acha que eu não sou atraente, ffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffoda-se (mantra pra vida). Não nasci pra ser de alguém.

Sou gorda, muito gorda, extremamente gorda, tenho um monte de estria, um monte de celulite, tenho peito pequeno, mas não me caibo em tanta felicidade. Extrapolo. Meu corpo, minhas regras.

Pra quê tanta aparência se o que vale é o coração?

por Pipa Dantas

Anúncios

Amor Próprio

Keli Patrícia  EuGordinha

…é não adianta, você sempre vai ser um ponto de referência.. mas pode optar por ser um ponto de referência pelo lado bom ou pelo ruim.. sempre um(a) gordinho(a) vai ser apontado, sempre que for passar na catraca vão olhar se vai se prensar.. sempre que for sentar em um lugar reduzido vão olhar se você vai caber… sempre que entrar em um lugar pra comer ou comprar algo vão prestar atenção no seu prato, nas suas escolhas… E isso te deixa triste,incomoda muitas vezes, talvez você já tenha fingido não ligar para os olhares e depois em sua casa chorou no escuro do quarto.. passar pelo período de aceitação é muito difícil, eu nem sempre passei por tudo com sorriso no rosto, já deixei de pegar o mesmo ônibus que amigos pra que eles não me vissem sofrendo pra girar a catraca, já deixei de ir em lugares onde o lugar pra sentar é restrito, já pensou ficar presa entre a cadeira e a mesa??… Já chorei e como chorei!… mas ai eu parei e tive que decidir se eu deixaria a sociedade decidir quando eu poderia sair na rua ou não, se eu faria um regime ou não, se eu seguiria padrões ou não…e minha resposta veio de encontro com algo que descobri em meio a tanto apoio familiar e de amigos…NÃO! …quem decide o que você vai ser é você e eu decidi ser livre de preconceitos e me amar acima de tudo e todos..e vou dizer isso faz um bem incrível, mas temos que tomar cuidado porque no meio do caminho vamos conhecer tantos VERMES que se fingiram de amigos, amores repentinos que logo em seguida nos deixaram piores, aquele tipo de gente que te ama em tempo instantâneo e depois quer te levar pra cama, some… isso mesmo… Hoje em dia nós mulheres gordinhas ainda passamos por isso de chegar um ROMEU te encher de palavras bonitas, te levar pra cama e sumir porque simplesmente ele pode realmente se apaixonar por você ,mas apresentar uma GORDA pra família, amigos é algo inaceitável .. em meu caminho essa fase tem mudado, depois que eu dei de cara com o tal AMOR PRÓPRIO eu tenho atraído aquilo que me convém e não caio mais em papo de amor por gordinhas,ou fetiche ou seja lá o que venham me falar, me oferecer, eu acredito em sentimentos, em aceitação, naquela pessoa que te pega pela mão seja onde você estiver, te apresenta aos amigos como sendo a sua princesa, e tem que ser assim, se algum dia você já viveu algum tipo de preconceito, seja ele qual for, saiba que quem decide o final da história é você!

Keli Patrícia 23:57 hs de uma simples segunda e cansativa feira *_*

Poder

Gordinha Pin Up EuGordinha

Sem essa de que é preciso ser magra pra ser gostosa, para ser feliz não é preciso seguir os estereótipos que a sociedade impõe. A mulher brasileira tem carne, tem peito, tem bunda. Encare a realidade dos seus quilinhos à mais sem neuras, apenas cuidando bem da sua saúde e auto-estima. Isso sim é ser mulher, sem deixar de ser você mesma. Sinta-se bonita e sexy. Sinta o poder que tem as gordinhas. (Anônimo)

Quanta bobagem uma pessoa só pode dizer?

Quanta bobagem uma pessoa só pode dizer???

“Eu não engulo a afirmativa: “sou gordinha e sou feliz”. Não sou por causa da estética, mas não acredito que uma pessoa “doente”, pois obesidade é doença, sinta-se feliz em estar doente.”
“Nunca fui e jamais serei a favor dessa falsa auto aceitação que pregam por aí. Temos que nos amar sim, amar tanto a ponto de sermos capazes de lutar contra essa doença silenciosa que nos deforma não só esteticamente, mas que debilita nossa saúde e que também maltrata nosso bem estar emocional.” (Determinado blog que não vou nem citar)

Essa pessoa é tão confusa que não consegue ter coerência no que diz. Primeiro diz que não é pela estética que está lutando contra a obesidade, depois diz que “deforma” o corpo.
Olha meu bem, sinto lhe informar, mas nossos corpos não tem nada de deformados, minha saúde não está debilitada e meu emocional nunca esteve tão bem!

Você não estava feliz com você, foi lá, lutou, batalhou, se reeducou e agora está ficando feliz… LINDO!!! A palavra da vez é essa gatinha, FELICIDADE!!!

Fale por você e não pelos outros! Eu falo por mim! Tenho 130 kg, 1,72 de altura, manequim 54 e um ego infinito! Exames perfeitos, melhores que de muita magrinha por ai… Sou gordinha não… SOU GORDA! OBESA! Pelo cálculo do IMC, MÓRBIDA… Mas sabe, eu também sou morbidamente FELIZ com o meu corpo! Gorda e feliz! E é isso que assusta pessoas como você que não conseguiram ser felizes como são!
Trabalho, estudo, saio, namoro, transo, como, bebo, me visto bem… Faço tudo que qualquer pessoa faz!

Michelle Gomes

Não te julgo! Cada um tem que buscar a sua verdade e ser feliz através dela… E essa é a MINHA VERDADE! E de tantas outras que, como eu, aprenderam a amar seu corpo como ele é sem precisar mudar nadinha! Aprenderam tratá-lo como um templo de amor e respeito e adorá-lo como tal.
Por favor, não me venha com esse discurso que só é feliz quem é magro!
Já está bem démodé!

Tudo tem dois lados. Exagero ou Preconceito?

No papel de colaboradora do blog e page no Facebook, eu não poderia deixar de opinar sobre esse post: “30 segundos de Estupidez”. Sempre amei as publicações, e a maneira como tudo é transmitido aqui. Por isso, aceitei o convite para ajudar nas postagens.
Mas, esse post em especial eu não poderia deixar de comentar. Entendo a indignação de alguns que assim como eu, lutam por esta causa, que tem orgulho de levantar a bandeira contra o preconceito. Vivemos em luta constante para que pessoas que não estão satisfeitas com seus corpos sintam-se melhor e entendam que não é ter um “corpo cabide” que vai tornar uma pessoa melhor, que beleza, felicidade, competência, caráter ou inteligência não está ligado ao tipo físico. São simplesmente “padrões” que a sociedade impõe.
Falando como “gorda” que sou, entendo a indignação de muitos. Mas, não vi o lado preconceituoso e ofensivo. O que entendi é que a propaganda quis mostrar que a moça fez dieta, e pra conseguir ela teve que fazer sacrifícios pra se sentir bem com seu corpo. Eu sei que existem pessoas que estão felizes com seu tipo físico, que levam uma vida normal, que mostram todos os dias que por estarem acima do peso não são doentes e muito menos incapazes. Mas, por outro lado, existem aquelas que não se aceitam por isto, travam batalhas todos os dias por que simplesmente não se aceitam.
Então, entendi a mensagem que a “marisa” quis passar quando disse: “Tudo valeu a pena”. Valeu a pena, pra quem não estava realizada com seus quilinhos a mais e fez uma dieta normal e saudável para reduzir seu peso. E quem faz dieta, sabe que cada grama perdida, é motivo de comemoração. Respeito o ponto de vista de todos que comentaram sobre o assunto. Mas parece que a maioria esquece que falar bem do que é bonito pra si, não quer dizer que você está tratando o oposto de forma preconceituosa.

Por Natália Rodrigues

Nat ✿

Fat Pride – Pelo Direito de Ter Dobrinhas

Belo texto:

adipositivity project

Eu sou gordinha. Não gordinha, como aquela sua amiga magérrima diz que está depois de pular a cerca com um muffin bem recheado. Gorda mesmo, bem gorda. Peso 125 quilos muito bem distribuídos em um metro e 67 centímetros de uma morena bastante simpática. Ih, peraí. O marido deu bronca. Disse que eu não sou gorda, eu tenho dobrinhas mais gostosas que as das outras mulheres.

Venho propor um manifesto, pela liberdade dos nossos quilos a mais. Pouquíssimas mulheres teriam coragem – e até hoje muita gente treme na base – na hora de dizer seu peso em voz alta. Mas agora, aparentemente, as gordinhas estão na moda. Ou não. Eu sou da opinião pessimista de que, quando se trata de aparências e padrões, o mundo é sempre burro e sem imaginação.

Enquanto puderem, as mulheres vão continuar tentando caber no vestido mais curto, justo e decotado que encontrarem pela frente. E vão ter pesadelos que envolvem o mundo descobrindo seu verdadeiro peso. Por mais que tente se valorizar, uma mulher quando se olha no espelho, está valorizando apenas aquilo que a sociedade acha que é bonito nela. Está reafirmando um padrão de beleza magro e, deixe-me dizer, bastante sem graça. Qual é o interesse de se ver sempre as mesmas caras, as mesmas roupas, as mesmas bundas entre as mais desejadas?

E a parte triste dessa história é que essas imagens afetam profundamente a vida de mulheres reais, que estão por aí tentando chegar ao fim do dia sem se odiar. Momento desses, conheci uma mulher, de 27 anos, completamente virgem. A moça pesa mais de 100 quilos e nunca teve um namorado na vida. ‘Claro, coitada, nunca deve ter tido oportunidades, cresceu afastada dos garotos!’, disse outra conhecida quando soube da história. Muito pelo contrário.

A gordinha é muito bonita, extrovertida, tem papo bom, gosta de vários assuntos, sabe atrair as pessoas. Já teve três namorados sérios, foi bastante apaixonada por dois deles. Mas com nenhum teve coragem nem de tirar a roupa. Por mais que eles insistissem, estivessem loucos de tesão, acendessem uma vela para que ela liberasse a ida ao motel, nem com reza brava. Ela diz que, por mais que ouvisse que era desejada, nunca conseguiu acreditar. Achava um absurdo impossível que alguém pudesse sentir tesão por ela. Sendo assim, ela mesma nunca sentiu.

E você pensa que é uma imposição dos homens? Que o mundo masculino é uma ode ao osso-e-pele? Claro que não. Eu já recebi todo tipo de cantada de homens que gritavam pro mundo o quanto a Gisele Bundchen era o tipo de mulher ideal – e terminavam a noite de olho naquele meu decote poderoso que toda mulher de respeito tem no armário. A libertação de gritar ao mundo seu próprio peso tem que sair das mulheres, porque esse tipo de julgamento parte da gente.

Daí o tom de inveja preconceituosa que eu ainda vejo – abismada – no olhar de uma ou outra por aí. Solteira há muito tempo, sem perspectiva de achar ninguém, mas acendendo cada vela a Santo Antônio que cruza o caminho, sabe? Todo mundo conhece uma recalcada de carteirinha. A mulher que olha com aquele tipo de surpresa esquisita quando descobre que eu sou casada há dois anos, com o gordo mais incrível desse mundo, aos 25 anos e 127 quilos. Sim, 127. Engordei dois desde o começo do texto, porque hoje é dia de pizza aqui em casa. Ou você acha que eu já nasci com essas dobrinhas gostosas?

Via CasalSemVergonha

Gaby Amarantos: “Não quero ficar magra. Eu me adoro”

Rio de Janeiro – Parece que Gaby Amarantos está com a bola toda. Intérprete da música “Ex-Mai Love”, tema da novela das 19h “Cheias de Charme”, a cantora de tecnobrega revelou ao jornal “O Dia” que seu cachê está sete vezes mais alto.

Apesar disso, ela garantiu que não irá gastar o dinheiro de qualquer jeito. “A minha extravagância é poder comprar coisas para a minha família, reformar a casa… O bem-estar deles”, contou.

Elogiada por Ivete Sangalo e Claudia Abreu, a cantora paraense disse que se orgulha de sua silhueta mais “cheinha”. “Não quero ficar magra. Eu me adoro. Me acho ‘mó’ gostosa. Eu me pegaria! Me acho tudo!”, disparou ela, que tem 1,65m e 76kg.

Apesar disso, Gaby foge dos ensaios sensuais. “Não me vejo fazendo coisas nesse sentido, ser madrinha de bateria, posar nua”, disse, fazendo menção ao fato de ter sido convidada por uma escola de samba de São Paulo para sair à frente dos músicos da agremiação.

Ela ainda falou sobre as cantadas femininas que tem recebido. ” As mulheres têm muito mais atitude. Não é a minha praia, mas eu fico superlisonjeada, me sinto gostosa, né?, divertiu-se.

De família humilde, Gaby não largou suas raízes e continua morando na mesma casa. Ela divide o teto com seus pais, seus irmãos, cunhado, sobrinho e o filho Davi, de 3 anos.

Sobre o menino, fruto de um relacionamento com um cantor conhecido no Pará, ela revelou que o antigo parceiro não quis assumir a paternidade. “A gente não tem nenhum contato. Uma vez, antes disso tudo acontecer na minha vida, uma semana antes de Davi fazer 1 ano, ele me ligou e falou: ‘Ainda não entendi, não aceitei essa história’. E eu disse: ‘Pois me ligue só quando entender’.”

A artista se prepara atualmente para lançar seu primeiro disco solo. Em breve, ela também lançará um DVD ao vivo dirigido pelo francês Vincent Moon.

Fonte: MSN Famosidades

Agulha no Palheiro

“Não se procuram agulhas num palheiro” Leonardo Ladislau

Há um dito popular que diz, está tão difícil “como achar agulha num palheiro“. Pensei sobre isso ao ouvir pela milésima vez uma menina dizer que está difícil encontrar homens que AMEM uma mulher gorda/gordinha/fofinha e etc… Eu ouvi hoje, mas durante a semana também ouvi que entre os rapazes, filhos de uma amiga minha, a maioria prefere as meninas gordinhas mas tem VERGONHA de assumir. Na verdade eles deveriam é ter vergonha de não se ASSUMIR. Tão fácil aparentemente assumir a MASCULINIDADE. Não seria igualmente másculo assumir suas preferências emocionais/pessoais/sexuais mesmo quando as mesmas vão contra o que apregoa a mídia no geral?

Digo e 99,9% das meninas (gordinhas ou não) concordam que é MUITO mais interessante um homem quando ele ASSUME suas posições. Seja em qual aspecto for. Então uma dica que deixo aos rapazes: SE VOCÊS QUEREM SER FELIZES DE VERDADE AO LADO DE UMA MULHER QUE OS AME, AME A MULHER QUE VOCÊS REALMENTE GOSTAM – LIVRES DO QUE DIZEM POR AI… No final das contas quem vai passar tempo de qualidade com a menina são vocês e não os coleguinhas que dizem isso ou aquilo da sua escolha. Não adianta nada ter aparência sem essência. Por mais bonito que seja frasco, nós escolhemos o perfume pela sua essência.

A Vantagem de ser Você Mesma

Li a frase abaixo e resolvi compartilhar:

Se a vida lhe dá curvas, aproveite

Lembrei da vida de várias meninas que de um tempo pra cá ficaram na moda. As modelos plus. Nem toda gordinha ainda tem o perfil de mercado que as agências procuram pra ser modelo e tal. Mas isso não quer dizer que todas as gordinhas possam aproveitar de si mesmas. [risos] Será que fica de mal tom se eu dizer assim? “Aproveitar de si mesma“? Será que fui grosseiro dizendo isso? Se fui, por favor, me digam e antecipadamente me perdoem. Mas na verdade o que eu quero dizer é que a vida é muito preciosa pra desperdiçarmos ainda que sejam minutos, pensando nas curvas do corpo como inimigas.

Deus quando te fez jogou a forma fora” – uma cantada nem tão original assim, mas que expressa bem o que eu quero dizer. Cada mulher é unica e original. Até que a clonagem humana seja uma realidade mais comum, cada mulher continuará sendo a única no Universo inteiro, em meio aos bilhões de seres humanos que estão pela Terra atualmente.

Você se Ama? Eu me Amo!

Gente, nessa semana achei uma postagem muito boa no Facebook. Tão boa que foi virulizada pra uma porção de lugares. Como o tema vem a calhar, não poderia ficar fora dessa onda de pensamento interessante, segue abaixo.

“O que é? Você a achou feia? Olhe bem nesta foto, olhe bem o rosto desta menina… Você está vendo este sorriso? Consegue imaginar o quanto ela deve sofrer por não se encaixar nos padrões “perfeitos” que a sociedade ignorante aceita? Mas você consegue, também, imaginar o quanto ela é feliz por saber que alguém a ama, do jeito que ela é? Olhe bem para este sorriso. Olhe bem para esta foto. Este momento. Agora pense um pouco… Você vive no seu mundinho, tentando, de certo modo, criar a perfeição. Tentando ser aceitável, tentando se adequar ao que os outros julgam correto, e muitas vezes é infeliz. Então, por favor, pare de julgar tanto as outras pessoas. Pare pra pensar que, mesmo com todas as características – que na sua mente são defeitos – dela, ela pode, sim, ser muito mais feliz que você. Existem pessoas que a amam. Deus a ama. E assim como você, aos olhos Dele, é a pessoa mais bonita deste mundo, ela também é. Respeite-a. Aceite-a. Afinal, nunca se sabe como você é visto por nossa estupida sociedade”

Baleia Ou Sereia? Quem Podemos Ser?

Compartilhando um texto achado no Facebook:

Baleia no mar Blgo EuGordinha

Ontem vi um outdoor da Runner (Academias), com a foto de uma moça de biquíni e a frase:

“Neste verão, qual você quer ser? Sereia ou Baleia?”

Respondo:

Baleias sempre estão cercadas de amigos. Baleias têm vida sexual ativa, engravidam e têm filhotinhos fofos. Baleias amamentam. Baleias nadam por aí, singrando os mares e conhecendo lugares legais como as banquisas de gelo da Antártida e os recifes de coral da Polinésia.

Baleias têm amigos golfinhos. Baleias comem camarão à beça. Baleias esguicham água e brincam muito. Baleias cantam muito bem e têm até CDs gravados. Baleias são enormes e quase não têm predadores naturais. Baleias são lindas e amadas.

Sereias não existem. Se existissem viveriam em crise existencial: – “Sou um peixe ou um ser humano?”

Runner, querida, prefiro ser baleia !

Garotas Reais Não São Perfeitas. Garotas Perfeitas Não São Reais…

Sereia Blog EuGordinha

P.S.: Quem me conhece sabe que eu não chamaria jamais uma menina fofinha de BALEIA, portanto quero retificar aqui a minha visão sobre o texto acima. Tirando isso, o texto é bem reflexivo e engraçado.