Política – Você Faz?

Não precisa ser um homem político ou uma mulher política para fazer Política. Não é necessário ser vereador ou vereadora, prefeita ou prefeito, deputado ou deputada federal ou estadual, senadora ou senador, ministra ou ministro, presidente da república, para exercitar ações políticas.

Politica - EuGordinha

A Política é feita toda vez que algumas pessoas se reúnem para decidir o que pode ser feito para que haja um benefício em comum. Uma comparação bem simples, de como a Política funciona é quando um grupo de pessoas decide que vai fazer uma festa no sítio de um amigo em comum. Lá tem piscina, churrasqueira, um campo de futebol, alguns quartos. Vários amigos vão estar presentes no final de semana para se divertir e comemorar um aniversário.

Festa no sítio - EuGordinha

Quando o grupo decide que quer fazer a festa nesse lugar, o proprietário permite com certas condições: A integridade física do local deve ser mantida, a higiene dos cômodos, o estado do jardim e da piscina e tudo mais. Sendo assim o grupo se reúne e entre eles, escolhem quem vão ser os responsáveis para que a festa aconteça da melhor forma possível. Esses responsáveis vão ser os líderes de grupo. Qual é o objetivo da festa? O que vai ter nessa festa? O que vai ser feito? Quem vai fazer? Quantas pessoas vão participar? Por quantos dias? Quais tipos de alimentos e bebidas o grupo como um todo vai querer? Como vão se acomodar? Cada membro do grupo vai ser responsável por fazer que tipo de coisa e quando, de que modo? Quais resultados são os desejados pelo grupo? Como esses resultados podem ser alcançados? Quanto vai custar para fazer com que tudo aconteça? Quantos vão pagar qual quantia? As respostas para cada uma dessas perguntas pode determinar o que vai ser feito para que a festa aconteça.

políticos brasileiros - EuGordinha

A Política de uma nação deveria ser uma prática feita na “Polis”, na cidade, onde cada membro da sociedade, cidadão, fosse responsável pelo que vai ser feito em prol do bem comum. Agora no Brasil, uma mentalidade que existe e já faz muito tempo e está muito arraigada nas pessoas, é a de que os líderes escolhidos por meio do voto são os únicos responsáveis pelo sucesso ou insucesso da sociedade, nas ações que se aplicam para com a coletividade, seja por meio das leis estabelecidas (as regras do que deve ser feito ou não, as punições para quem não faz o que se determinou e etc), ou seja por meio de outras atitudes. Muitos brasileiros reclamam dos políticos mas não aplicam a Política em suas próprias vidas. Há quem briga nas redes sociais por causa de Política, mas não usa uma vassoura para limpar a calçada diante de sua própria casa, na rua onde mora. Por incrível que pareça, tem gente que joga lixo no chão pois tem a pobre mentalidade de pensar: “Pago meus impostos para que o pessoal da limpeza urbana limpe o que estou jogando aqui no chão”. Tem gente que pensa assim…

limpeza urbana - EuGordinha.jpg

Não seria mais sensato se cada um de nós resolvesse cuidar dos próprios problemas a fim de resolvê-los e percebesse que para isso, é necessário também cuidar de resolver os problemas dos outros que estão ao redor, pois tudo está interligado e interdependente? Essa rede na qual estamos inseridos, chamada sociedade, sobrevive quando uns ajudam os outros mesmo quando não se conhecem. Recentemente a classe de trabalhadores de transporte de carga, os caminhoneiros, fizeram greve nacional reinvidicando melhores condições de trabalho. Todas as pessoas do país sentiram de um jeito ou de outro os efeitos da falta que fez o trabalho de um determinado número de pessoas.

greve dos caminhoneiros - EuGordinha

Quando a Economia de um país vai mal, isso significa que uma grupo grande de pessoas por algum motivo decidiu que era melhor não comprar, não vender, não produzir e não movimentar os bens de consumo e o dinheiro que conquistaram. A falta de circulação dos bens, causa as crises econômicas, o que acaba atingindo todas as pessoas de um jeito ou de outro.

Crise economica no brasil - EuGordinha

Tendo em vista esses poucos exemplos que citei, qual seria a importância de nos envolvermos com a Política de alguma forma? Será que apenas o ato obrigatório de votar, num sistema chamado de democrático, onde teoricamente o poder é do povo… será que apenas votar é a atitude política que podemos ter?

Minha intenção com esse texto é trazer você à consciência de que também é responsável pelo seu próprio bem estar, pelo bem estar das pessoas que você ama e das pessoas que você nem conhece mas que fazem parte da comunidade onde você vive. Quem são os representantes dos seus interesses, das suas necessidades, dos seus direitos, que você vai escolher para atuar na Política da nação? Como você poderia contribuir para que o processo acontecesse objetivando o bem de todos? Seria muita utopia de minha parte pensar que é possível mudarmos a nossa vida com as respostas para essas questões? Eu não acho que seja utopia, não. Tem a ver mais com a sua e a minha vontade. Tem a ver com o que chamamos de vontade política.

Cabe a cada um de nós sermos responsáveis pelo país no qual a gente quer viver. 

 

Full Bus (Ônibus Cheio)

image

Nota: Não é nada fácil andar logo de manhã cedo dentro de um ônibus cheio. O motorista vai parando em cada ponto, enchendo o espaço que há com mais corpos do que antes se achava ser possível. Em dados momentos a pressão entre os mesmos, em pé no corredor, se esforçando pra se manterem equilibrados, sofrem o que poderia se igualar a uma luta corporal injusta, tendo em vista que ambos perdem mas ainda assim fazem força pra ficar com o mínimo de conforto no pouco espaço disponível. O jogo de empurra empurra não vai dar em nada, ambas sardinhas enlatadas não conseguirão sair de suas posições comprimidas até que se chegue ao seu destino. O que se há de fazer quando dentro de uma situação como essa? No exato momento que o fato acontece, tudo motiva angústia, raiva, indignação, tristeza, toda uma gama de emoções e sentimentos dispostos a estragar o dia. Mas a resiliência ensina que devemos suportar a adversidade e chegar até o cumprimento de nosso objetivo sem sermos derrotados pelo meio do caminho. Uma boa argumentação mental ajuda nesse sentido. A mente passa a buscar na memória com auxílio da razão, palavras de ânimo baseadas na realidade por mais dura que seja. O foco passa a ser um futuro breve, logo ali no fim da viagem, que na pior das hipóteses vai demorar no máximo três horas – estimativa essa calculada pra mais, bem mais do que o que de fato acontece. Não foi à toa que Jesus ensinou: “Se te obrigarem a caminhar uma milha, caminhe duas”. Jesus estava ensinando a resiliência, treinando as mentalidades que quisessem ser mais fortes e vencedoras. A sensação de uma pessoa presa na situação de um ônibus cheio é aquela do tipo que faz parecer que a pessoa é uma derrotada e está em situação de extrema desvantagem na vida. Isso pode ser um fato, inclusive humilhante. Acontece que a aparência das coisas não deve ser a última verdade. Quando passamos a ver mais adiante, a condição da vida fora do ônibus, em liberdade de corpo não tocado pela presença de estranhos, a disposição emocional muda e podemos inclusive rir da situação. A gente passa a ver  que no passado os escravos nos navios negreiros deviam sofrer situação parecida ou pior, mas foram sobreviventes e trouxeram a esse continente chamado humildemente de Brasil, a força com a qual muito do que está de pé foi construído. Os supostos escravos de hoje em dia, diferentes dos outros têm a seu favor a possibilidade de comprar a própria carta de alforria, por meio de uma mudança de vida.  Um dos pensamentos que surgem quando em situação de dificuldade quando não somos vencidos pelo que for negativo, é: O que posso fazer pra mudar isso? Tal questionamento pode ser a semente de uma bela colheita. Pois é do viver uma dificuldade que surge a consciência dela e também pode surgir a proposta de solução para o problema. Reclamar de um problema por si só não o resolve, pode ser perda de tempo e energia de vida. Mas ficar bem disposto e aprender o que possa ser útil na dificuldade, isso faz toda diferença pra melhor.