Amor Próprio

“E de repente ele chega de mansinho, aos poucos te faz entender o quanto você é linda, e tem o poder de ignorar opiniões que venham a te ferir… ele fica só esperando você abrir os braços, coração pra que ele tome conta de você… é com ele que você vai crescer, sentir um poder fora do comum… ele… o Amor próprio! ”
Kell Silva

Valor Pessoal

Quando somos amados, entendemos que o outro está nos valorizando. E o contrário também é válido. Acho que tem muita gente se valorizando erradamente – quando eu me desprezo porque o outro fez isso comigo, isso também é uma forma de me valorizar, de me valorizar abaixo do meu REAL valor.

Ás vezes esperamos do outro um valor que antes deve vir de nós mesmos.

Pedras Preciosas

Às vezes não reconhecem um valor em nós por pura ignorância mesmo. Há uma grande diferença entre o avalista de jóias e um mero admirador. Jóias de verdade às vezes são confundidas com bijuterias. Às vezes, nem isso acontece.

A Bolsa de Grife Nossa de Cada Dia

Quantas vezes nos vemos refém de um sentimento de tristeza, uma coisinha chata que fica nos perturbando o coração como se fosse uma pedrinha no sapato. Às vezes, o que é mais triste, nem sabemos o motivo de estarmos tristes. Então um escape, um modo de fugirmos da dor incômoda bem rapidinho é pegar a bolsa, o cartão de crédito, o talão de cheques, o nosso rico dinheirinho e ir às compras. Toda mulher sabe que fazer compras dá um baita prazer queria usar a palavra tesão, mas pode parecer exagero. KKKKKK

O que não precisa acontecer é a gente ficar refém desse tipo de situação, porque acaba trazendo desperdício de dinheiro, em alguns casos, arrependimentos desnecessários. De certo modo nos ensinam desde que nascemos que ter coisas pode nos fazer felizes, de bem com a vida e tal. Mas na verdade as coisas não funcionam assim. Precisamos ter noção real de nosso valor próprio, pra não depender de coisas ou até mesmo pessoas.

Estava pensando nisso depois de ouvir uma canção onde Vanessa da Mata fala de uma tal bolsa de grife que lhe prometia a cura pra seu mal… e no final um amigo acabou comprando um carro pra se curar do mal… cada um tem seu mal pra ser curado. Mas não vai ser uma bebida especial, um objeto desejado que nos curará do mal…

Vanessa da Mata – Bolsa de Grife

Comprei uma bolsa de grife

Mas ouçam que cara de pau.

Ela disse que ia me dar amor

Acreditei, que horror

Ela disse que ia me curar a gripe

Desconfiei, mas comprei

Comprei a bolsa cara pra me curar do mal

Ela disse que me curava o fogo

Achei que era normal

Ela disse que gritava e pedia socorro

Achei natural

Ainda tenho a angústia e a sede

A solidão, a gripe e a dor

E a sensação de muita tolice

Nas prestações que eu pago

Pela tal bolsa de grife (2x)

Nem pensei Impulso

Pra sanar um momento

Silenciar barulhos.

Me esqueci de respirar

Um, dois, três Eu paro

Hoje sei que tenho tudo

Será? Escrevi em meu colar

Dentro há o que procuro

Ainda tenho a angústia e a sede

A solidão, a gripe e a dor

E a sensação de muita tolice

Nas prestações que eu pago

Pela tal bolsa de grife (2x)

Meu amigo comprou um carro pra se curar do mal